auravide auravide

Das palhas da manjedoura para o seu coração

por Wilson Francisco

Publicado dia 17/12/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Uma só vez na vida, eu pude compartilhar uma festa genuína de Natal, com Papai Noel e tudo o mais que se tem direito. Em casa, com meus pais não havia esse costume. Foi em Iacanga, interior de São Paulo, uma cidade muito singela, onde vivi essa extraordinária experiência e uma outra, a de conviver com pessoas da mais alta estirpe, as quais tenho guardado em meu coração até hoje.

Que magia, ver esse símbolo que envolve o imaginário infantil e de muitos adultos. Com certeza, é a presença de Jesus, esse mestre incomparável que irradia essa energia fazendo com que no Natal tudo ganhe um brilho especial. E é especial, sim, porque essa época, marca o surgimento na Terra de uma promessa de paz e amor que transcendeu os séculos. Mais do que isso, pode ser sempre o prenúncio de um novo tempo. Isso, é cada criatura que decide, em seu coração.

Ah! você está triste, o fardo da vida terrena está pesando em seus ombros? Pois bem, com a presença do Espírito de Natal, você pode desalojar de seu universo essa sombra e abrir o seu coração, aproveite essa oportunidade. Se dê esse direito, o de buscar a felicidade. Onde ela está? Ora, numa infinidade de coisas, pode estar no sorriso de uma criança, que recebe de suas mãos um simples carrinho, uma boneca. Pode estar também no olhar antes sem viço de um ancião, que recebe de você um abraço e ouvidos atentos para saber dele histórias de sua juventude.

O Natal de 1975 eu passei num hospital de hansenianos, localizado na região de Itu - Hospital Dr. Francisco Arantes. Encontrei lá o Reginaldo, um exímio pianista, a Marita uma cantora lírica de rara qualidade e o Tio Jacó, um maestro de grande gabarito. Todos tinham seus corpos algemados pela doença. Tio Jacó e Marita, cegos e Reginaldo, apenas com uma das mãos sadias. Fizemos festa, toda tarde e noite de natal, com muita música, conversa e alegria. Num dado momento, a Marita me disse, Wilson, dedico esta música especialmente a você. E como um pássaro se pôs a cantar A Canção do Amor Indiano. Fiquei emocionado, porque nada dissera a ela sobre meu passado. Eu fora participante de um Coral Espírita, na zona norte de São Paulo, e a música que eu mais gostava de cantar, era essa. Foi realmente uma noite de natal, com o nascimento de uma amizade que perdurou longos anos, e que se mantém pulsando em meu coração até hoje.

Enquanto relembro esses fatos, me vem no pensamento a imagem dessas mães que perderam seus filhos, principalmente essas que foram molestadas por homens com taras hediondas. Como pode, num mundo tão bom, tão cheio de oportunidades para se viver e viver bem, ainda existir criaturas com tamanha insanidade.

É por isso, por essas crianças e por essas mães que Jesus nasceu na Terra, trazendo das palhas da manjedoura a mensagem de que o mundo é um recanto bom, que há possibilidades de se viver e ser feliz. Talvez falte um pouco, um pouquinho de amor, de compreensão. Quem sabe, você que insiste em reter o ódio em seu coração, possa sob a inspiração do Natal, tomar a iniciativa de liberar o amor que existe em sua alma. Você, que odeia, que é violento, também veio do seio divino, foi criado por Deus.

Natal, parece uma palavra mágica, que enternece e encanta. Há palavras que são como pérolas, enriquecem quem as pronuncia. Observe, uma criancinha dizendo pela primeira vez mamãe, papai. Que encanto. Você também pode, faça um esforço, desate o nó que domina sua voz e tenha a coragem de pedir perdão e de perdoar, inspirado pelo Espírito natalino.

Observa esse velhinho que vai pela rua, com as pernas trôpegas, peito arfante. Ele é o avô de alguma criança, ele é uma fonte de histórias e atitudes que foram realizadas há alguns anos atras. Hoje, ele pode ser apenas um velho que atravessa a rua, que cata papel, que come as comidas do lixo. Mas pode ter sido um homem bem aparamentado, que criou uma família, que amou e foi amado. Quem sabe de onde veio e para onde vai? Mistério.

A vida é um mistério. Nem sempre se pode saber que destino está reservado para esse ou aquele. Somos parte de uma comitiva, realizando uma jornada de aprendizado. Oriundos de Deus, procuramos espaço nesse Universo para desenvolver talentos e qualidades, para conquistas materiais e essenciais.

Ei, você, que passa com pressa pelo mundo. Pare nessa loja, olhe o brilho do olhar daquele menino que está com o rosto colado na vitrine, sonhando com presentes, bolos e doces. Dê um pouco de seu tempo para a felicidade. Para a felicidade dele e principalmente para a sua. Porque, quando você realiza o Bem para o outro, o maior beneficiário é você mesmo.

Albert Einstein conta uma experiência interessante que serve para esse momento, estava num jardim, e dois meninos brincavam. Num dado momento um deles foi até uma fogueira quase extinta e com dois pauzinhos pegou uma brasa ainda incandescente e falou para o outro: quero que você carregue essa brasa, para outro lugar. O outro menino observou e ficou pensando.

Einstein, observador, também ficou olhando esperando o que o menino faria com aquela situação que se apresentava como uma possibilidade de dor, de sofrimento. Eram amigos e dizer não a um amigo, a uma pessoa querida é difícil.

Então, para surpresa do cientista, o outro menino pegou na fogueira um pouco de cinza já fresquinha, colocou uma quantidade na palma da mão e disse carinhosamente ao amigo: vamos coloque a brasa aqui em minha mão e seguiram os dois pelo caminho. A brasa protegida pela cinza, não queimava a mão do amigo. É isso, talvez a gente esteja necessitando dessa inteligência e amizade, para poder nos proteger da agudeza da vida.

Sabe, as vezes amigos, outras criaturas ou mesmo os fatos da vida exigem e determinam situações de sofrimento em nossa vida, noutras vezes nós mesmos nos apunhalamos com atitudes insensatas, mas haverá sempre na fogueira de nossas dores um pouco de cinza fresca, que colocada em nossa alma, nos permitirá carregar nossos sonhos e projetos sem sofrimento.
E o Natal pode ser essa cinza e essa oportunidade para que você realize o seu encontro com a paz e com a felicidade.


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 129

foto-autor
Sobre o Autor: Wilson Francisco   
Terapeuta Holístico. Desenvolve processo que faz a Leitura da Alma; Toque Quântico para dar qualidade à circulação e aos campos vibracionais; Purificação do Tronco Familiar e Cura de Antepassados para Resgatar, Atualizar e Realizar o Ser Divino que há em você. Agendar pelo WhatsApp 011 - 959224182 ou pelo email [email protected]
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa