auravide auravide

É POSSÍVEL MUDAR OS SENTIMENTOS?

por Maria Lúcia Pellizzaro Gregori

Publicado dia 11/3/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Nós, na busca diária de identificar com maior clareza nossas deficiências para que possamos transpor os obstáculos que estão colocados diante das nossas aspirações, acreditamos, muitas vezes, já ter conseguido ultrapassá-los, mas nem sempre isso acontece num nível de consciência mais profundo para que o obstáculo não se interponha novamente na nossa jornada de evolução.

Quantas repetições viciadas acontecem na nossa vida, embora, em muitos casos, já tenhamos a percepção de algumas das nossas tendências que permanecem desviadas daquilo que fundamentalmente gostaríamos de ser... Muitas vezes nos pegamos num disfarce grosseiro, tentando justificar atitudes que ainda nos surpreendem, pois, anteriormente, nós mesmos havíamos feito um acordo de não repeti-las, num desejo sincero de transformação de comportamentos que não mais pertencem ao nosso propósito de crescimento.

Um fator limitador desse anseio de novas posturas diante dos mesmos fatos é o desvio do nosso olhar daquelas imperfeições que nos envergonham e das quais entendemos que já deveríamos estar livres.

Evoluir significa muito mais do que atender a uma necessidade pessoal de ser admirado e reconhecido pelos outros como um ser superior. Mascarar nossas dificuldades e lustrar apenas nossas habilidades nos deixa parados num estágio que vai sendo engolido pela própria dinâmica da vida. O que fica parado, na verdade, fica para trás, pois o movimento para frente é contínuo, ininterrupto.

Crescer não é se contentar apenas com o seu lado avançado de ser, mas também ter a coragem de buscar nos esconderijos mais profundos e resguardados do seu inconsciente, as causas subterrâneas da sua dificuldade de sustentar um comportamento saudável. Os sentimentos nos movem à ação e jamais ficam subjugados a um poder mental controlador. Eles emergem com toda a intensidade de sua essência e se manifestam com fidelidade diante de situações que pensávamos dominar com serenidade.

Então a mudança precisa partir de um ponto mais interno, para que possa ser real e passe a fazer parte da nossa natureza, do nosso agir espontâneo, sem que precisemos trair a nossa esperança de sermos a cada dia um ser humano melhor.

Mas para mudarmos nossos sentimentos é preciso reconhecê-los verdadeiramente, é preciso aceitarmos aquilo que temos de imperfeito, aquilo que está em desacordo com as leis naturais, aquilo que não pode ser unificado à Verdade.

E depois desse reconhecimento, depois da constatação dessas partes ainda atrasadas da nossa personalidade, depois de aceitar que nossas atitudes ainda precisam de muita lapidação, devemos encontrar os verdadeiros motivos que ainda as prendem a nós.

Quais as motivações que nos levam a agir de uma maneira desconfortável? Onde estamos agarrados na nossa história de vida para ficarmos dependentes de sentimentos de rancor, de mágoa, de vingança, de desesperança? Como poderemos re-significar hoje, determinados acontecimentos do passado para que o sentimento também possa ser transformado?

Podemos tentar uma cura pessoal através da nossa capacidade de reflexão adulta, com base na humildade, que nos permite aceitar que todos temos dificuldades e que todas as nossas ações podem ser trabalhadas para que sejam cada vez mais puras e alinhadas com níveis superiores de consciência.

Talvez esse caminho de purificação seja longo, pois ele começa com a cura das “causas” e estas podem ser muito antigas, mas cada passo traz uma recompensa suficiente para que possamos nos sentir cada vez mais aliviados.

Procure investigar com simplicidade, mas de forma profunda, tudo aquilo que o incomoda, procure limpar o seu passado com a compreensão que só o amor possui.

Os sentimentos mudam quando você tem a coragem de se abrir a novas possibilidades, a novas percepções, quando você tem a coragem de se encarar, de se aceitar e de entender que você é parte de uma natureza perfeita e mesmo com suas deformações aparentes está em constante estado de evolução.

Em resumo, você precisa saber a razão desses sentimentos. Volte aos fatos que os despertaram e procure compreendê-los de uma forma mais ampla, entendendo que cada um de nós está num determinado ponto de evolução e o melhor de cada um pode não ser exatamente o que você espera dele. Dessa forma vai descobrir uma outra intenção por trás dos fatos e poderá extrair desses acontecimentos um aprendizado importante que mudará também seus sentimentos.

É preciso limpar o coração e isso só pode acontecer se você tiver a humildade de sentir o outro também na sua razão, na sua condição de crescimento e na sua intenção. Nossos julgamentos são perversos e acabam destruindo o que poderia ser um avanço para a humanidade.

Lembre-se: o mal é aparente, pois dentro dele está a mensagem do Bem!

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 45

foto-autor
Autor: Maria Lúcia Pellizzaro Gregori   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa