auravide auravide

Espiritualidade – recuperação da liberdade interior.

por Marcos F C Porto

Publicado dia 11/6/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Todos nós queremos ser livres! Todos nós sabemos que somos infinitos! Todos nós somos Almas completas em amor e verdade! No entanto, nem sempre as expressamos! Somos eternos, mas nos emprisionamos tanto nos padrões personalistas, como nos de falsas idéias. Idéias que são imagens do que imaginamos ser e de como nossas vidas deverão ser. Muitas pessoas estão insatisfeitas com o cotidiano que estão vivendo e também do tipo de pessoas que estão sendo.

De acordo com nossa vontade, poderemos interromper e nos livrar desse processo. O que significa assumirmos a liberdade como filhos de Deus?

Vamos lá refletir sobre o tema?

Recordando alguns conceitos que refletimos anteriormente: Primeiro, devemos reconhecer que somos seres humanos espirituais, filhos de Deus. Segundo, descartar todas as limitações que incorporamos e aceitamos como sendo nós mesmos. Terceiro, não deixarmos que essas insuficiências que dizem respeito a sermos pequenos, limitados, inexpressivos, agravem nossos padrões negativos.

Esses três aspectos não são tão fáceis, como parecem, de serem alcançados. Vamos refletir e trabalhar esses pontos, sem deixarmos de respeitar nossa condição de humanos, chegando então à porta de saída desse labirinto. Sabemos como são essas dúvidas: ficamos andando em volta, rodeando, sem encontrar saída, não é verdade? Avançamos um passo à frente, mais um, mais outro, e voltamos atrás um, dois em períodos de dúvidas.

Que tipo de dança é esta que a vida nos apresenta do ‘três prá lá, dois prá cá?

Na nossa última reunião do Grupo de Reflexão refletimos sobre o Hinduísmo e sua filosofia e, principalmente, o fato de que uma antiga ênfase na purificação dentro do Hinduísmo pressupõe uma unidade com todas as formas criadas. E a conclusão é que essa é a unidade que a dança da vida deve expressar e revelar. Faz sentido?

É muito importante entendermos esse tipo de dança da vida, para não ficarmos estonteados como pobres infelizes perdidos nesse labirinto do ‘três prá lá, dois prá cá’, não encontrando saída.

Hermes Trimegistos, nome dado pelos neoplatônicos, místicos e alquimistas ao deus egípcio Thoth, identificado com o deus grego Hermes, em sua obra “Corpus Hermeticum – Discurso de Iniciação”, cujo propósito é a deificação da humanidade através do conhecimento de Deus, facilita o entendimento desse labirinto da dança da vida: “Com efeito, o devir da matéria depende da Eternidade, como a Eternidade depende de Deus. O devir e o tempo se encontram no céu e na terra, mas possuem duas naturezas diferentes: no céu não se transformam e são imperecíveis; na terra, são mutáveis e perecíveis. E da Eternidade de Deus é a Alma, do mundo é a Eternidade, da terra é o céu. Deus está no intelecto, na Alma, a Alma na matéria: e todas as coisas subsistem através da Eternidade. Todo esse grande corpo no qual se acham contidos os corpos, uma Alma plena e de Deus o completa no interior e o envolve no exterior, vivificando o Todo, no exterior desse vasto e perfeito vivente que é o mundo, no interior de todos os viventes e no alto, no céu dura sem mudar, idêntica a si mesma, embora embaixo, na terra, produza as variações do devir.”

Qual é a relação dessa longa e circunspecta reflexão com nosso tema? A palavra devir significa vir a ser, tornar-se, portanto podemos deduzir que nós, constituidos em corpos físicos, matéria, dependemos da Eternidade, a qual, por sua vez, depende de Deus.

Este é o primeiro estado de nossa liberdade interior. Como Almas somos livres nas nossas trajetórias eternas, inclusive quando interrompermos nossos ciclos de renascimentos.

Esta qualidade inerente a todos nós, seres humanos espirituais, é muitas vezes sufocada por nossos padrões personalistas e imediatistas, em que tudo é hábito: "Oooh, claro! Quero isto, mais isto e isto, depois volto mais tarde para pegar aquilo! Oooh, sim! Isto me faz sentir muito bem!"

Não podemos negar que esses procedimentos são altamente estimulantes: ‘prá frente - prá trás – prá frente - prá trás’. Entretanto, esses hábitos poderão representar um processo de morte em vida, centímetro a centímetro, que é imperceptível mas constante e quando percebido, a liberdade interior estará irrecuperável, porque não houve a prática para o seu desenvolvimento. Está claro?

Em geral, no cotidiano desta civilização que inicia o vigésimo primeiro século, liberdade é confundida com possibilidade de realizar o que humana e pessoalmente se pretende e deseja, como foi ilustrado no exemplo dado sobre hábito. O que não se percebe, exatamente por não se poder distinguir, é que cada vez nos vinculamos mais às forças materiais com as quais por hábito estamos interagindo, e assim nos tornamos menos livres. Correto?

Por paradoxal que possa parecer, praticar nossa liberdade interior significa nos afastarmos dela. Que loucura é esta? Nem tanto!

Quando nós não buscamos diretamente nossa liberdade interior, mas dirigimos nossa consciência para o Infinito sem nada almejar, a liberdade interior se manifesta livremente, pura e eterna, exatamente como Hermes Trimegistos nos diz! É um caminho estreito marcado pela simplicidade, pelo amor, pela ausência de conflitos e pela harmonia.

São João da Cruz (1542-1591), Doutor da Igreja, fundador da Ordem Carmelita Descalça escreveu: “Para chegares a possuir tudo, não queiras possuir coisa alguma; para chegares a ser tudo, não queiras ser coisa alguma; para chegares ao que não sabes, hás de ir por onde não sabes.”

Vivenciando nossa liberdade interior o novo surge, então, a cada instante, nos conduzindo a descobertas genuinas, amorosas e gratificantes.



Voltaremos ao assunto.

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 6

foto-autor
Sobre o Autor: Marcos F C Porto   
Marcos F C Porto – Terapeuta Holístico - Psicoterapia Holística Transpessoal – CRT 44432, Diplomado em ITC - Integrated Therapeutic Counselling, Stonebridge, UK, trabalha auxiliando pessoas na busca da sua essência, editor do OTIMIZE SEU DIA! há 20 anos, autor do livro - Redescobrindo o Eu Verdadeiro, facilitador de Grupos de Reflexão há 17 anos.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa