auravide auravide

Esvaziar-se para viver o amor



Durante muito tempo eu queria receber. Fui condicionado a isso. Quando criança vovó dizia que se eu fizesse a limpeza de casa, cuidasse do cachorro, tirasse boas notas e fosse um “menino de família”, seria aceito por todos. Eu queria receber carinho e por isso cumpri todos os itens, um pouco a contragosto, é bem verdade, mas cumpri. E não recebi carinho. Pelo menos era esta a sensação que tinha, quando criança. Papai estava longe, em seu terceiro casamento, ou quarto, não sei mais. Minha mãe sumira, após nos ter deixado com os sogros. Eu simplesmente queria receber carinho, receber amor.

Cresci. Quanto mais os anos passavam, mais coisas fui aprendendo. Descobri que um físico legal, sarado, deixava as meninas impressionadas. E assim dediquei-me bastante à educação física, trabalhando em especial meus bíceps, que hoje servem de cabide para minha filha. Aprendi que um cara esperto, com muito conhecimento, também é mais valorizado. Li muito, estudei muito, tinha conhecimento de um leque de assuntos, e aquilo que eu não sabia, opinava do mesmo jeito! Não poderia ficar para trás... Eu queria ser aceito pelas meninas, pelos colegas, pela sociedade. No fundo, eu simplesmente queria receber carinho, receber amor. Mas não recebi.

Já mais maduro, disseram-me que deveria casar, ter filhos, formar família. Fiz isso e tive muita sorte em atrair uma esposa e filhos maravilhosos, com os quais compartilho, brigo, aprendo e desaprendo o tempo todo. Acho que agora vou receber carinho, receber amor, pensei! Que nada, apesar da família adorável, permaneci tão vazio como o saco do papai noel da Somália.

Então vi na televisão. O cara que realmente é aceito por todos é aquele que deu certo na vida, é empresário, tem casa própria, um carro, bom padrão de vida. E se fizer obras sociais, aí então estará a um passo do paraíso. Ôba! Yabadabadú! Descobri como ser aceito e receber amor e carinho das pessoas! Dediquei-me fielmente a esses itens, da mesma forma que me dediquei a tirar o cocô do cachorro e a limpar minha pequena casa, quando criança. Não tinha tanto entusiasmo, mas era por uma boa causa: ser aceito! E logo, logo consegui tudo: casa, empresa, padrão de vida, status, cargos... Até bons trabalhos sociais realizei, e neles realmente senti prazer. Mas... não me senti reconhecido, apesar de muitos e muitos elogios. Eu queria receber carinho, amor, e não elogios.

Acabou o estoque de atitudes externas. Tudo o que eu poderia fazer para ser reconhecido e amado eu fiz e... não deu certo. Voltei-me, então, para as atitudes internas. Estudei diversas tradições espiritualistas, principalmente o zen budismo e o taoísmo, onde o foco é... o vazio. Estudei neurolingüística e entendi que todas as crenças que me fizeram ir atrás de sonhos externos eram somente... crenças, idéias que alguém falou e que só são reais enquanto eu acredito que são reais. Aprendi a me observar, olhar os pensamentos e saber que eles também são só... pensamentos. Senti muitas emoções, mais até que o Roberto Carlos. Porém, olhando nos olhos de cada emoção, seja ela agradável ou não, não sobra nada. Emoção é só emoção e deixa de ter sentido se não dou mais sentido a ela.

Tudo ficou vazio e, por um instante, sem sentido. Isso dá uma espécie de agonia, pois a mente adora dar sentido para as coisas... Porém, não havia sentido. Só havia uma coisa. Uma coisinha. Era uma tênue luz brilhando no fundo de um corredor. Fui até a luz, ainda vazio. E subitamente comecei a perceber que não havia nada vazio. Cada respiração de ar era muito cheia. As paredes eram cheias. O escuro era cheio. As lágrimas eram cheias e o universo todo era muito cheio. Sempre foi, mas minha mente estava tão cheia de “coisas que eu tenho que fazer para ser reconhecido e amado” que era impossível ver que nada disso era necessário. A mente racional quer muita coisa, porque não enxerga que já possui tudo. O querer insistentemente cega. O esvaziar preenche.

Foi somente aí que recebi aquilo que tanto procurei fora. Recebi carinho. Recebi amor. E tive a oportunidade de vivenciá-lo. O amor vem lá de dentro, lá do fundinho, onde não há mais nada, e se espalha para fora. Assim, a família fica colorida. O trabalho fica colorido. As obras sociais ficam coloridas. Até os medos e emoções ficam coloridos.

Quando se toca o vazio, a verdadeira vida começa, mas de uma forma completamente diferente do que era antes. É necessário acolher a mente com todos os seus pensamentos e emoções e brincar com ela, assim como brincamos com crianças. E tomar conta da criança, para que ela não “monte em cima” e se ache dona da casa. Se não fazemos isso, começamos a achar que a vida é séria e até o vazio é sério. Como pode ser sério o vazio? Vazio é vazio, e só. Se levo a minha mente a sério, tudo começa a ser chato e preocupante. Começo a ficar cego, novamente. Cada passo ganha um significado e dar significado às coisas é como dar nome às nuvens. O vazio não tem significado. Ele, em si, já é o significado.

Aruanan
Consultor e terapeuta PNL e Constelação Familiar
Palestras gratuitas: Lei da Atração na Prática, O Segredo do Relacionamento e Mulheres Emotivas e Poderosas!
Cursos e Workshops
www.nokomando.com.br

Texto revisado por Cris
Publicado dia 17/8/2007

  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 39



foto-autor
Autor: Alex Possato   
Terapeuta sistêmico e trainer de cursos de formação em constelação familiar sistêmica
E-mail: alexpossato@hotmail.com | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa