auravide auravide

Fluindo com as mudanças da vida

por Isha Judd

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Quando fluímos com as mudanças da vida, tudo se abre. Ao ancorarmos no amor, dizemos sim a novas circunstâncias e oportunidades que se apresentam.

Aonde ir?

A jornada nem sempre sai como esperávamos. Queremos controlar a rota, como se fossemos um GPS que insiste em seguir o caminho escolhido. Mas o GPS nem sempre dá certo. Quando nos encontramos no meio do deserto batendo na porta de uma cabana caindo aos pedaços perguntando: – Com licença, senhor, é a Biblioteca Municipal?, é melhor aceitarmos que algo deu errado com o GPS!
 

Em direção ao nosso destino

Essa situação pode parecer exagerada, mas quando ficamos obcecados por uma ideia fixa e resistimos à nova situação que se apresenta muitas vezes vemos o que “queremos ver”, em vez da realidadeA voz em nossa cabeça pode insistir que as coisas são de uma certa maneira. Se as coisas não saem como esperado, pode ser que exista um caminho melhor. Às vezes, o percurso mais longo nos dá a experiência necessária para saber o que fazer quando chegarmos ao nosso destino.

A vida é crescer, descobrir a nós mesmos, não atingir metas. Se ficarmos obcecados com o objetivo, perdemos de vista a jornada. A paisagem passa despercebida se não pararmos de olhar para o relógio.
 

Abrir-se às mudanças inesperadas

Em vez de lutar contra os acontecimentos que ocorrem, comece a dizer “SIM”: sim para mudar, sim para surpresas, sim para acontecimentos inesperados. Então, você pode apreciar a perfeição que está em tudo. As coisas podem não ser como você imaginou, mas isso não significa necessariamente que as coisas estão dando errado. Sempre que você se deparar com mudanças inesperadas, pergunte-se: “Em que estou focado? Estou escolhendo a paz, o amor? Estou escolhendo o ‘‘sim’’? Ou estou lutando na minha cabeça?”
 

Deixando de lado o sofrimento

Quando minha mãe decidiu vender a propriedade de nossa família, fiquei muito apegada. Senti que a propriedade era a única ligação que me restava com entes queridos que eu havia perdido recentemente: meu pai e minha avó. A Austrália estava passando por uma crise econômica extrema. Quando finalmente aceitei que havíamos perdido a propriedade, deixei-a ir.

Ao soltar a estabilidade externa – simbolizada por meu lar da infância – e começar a desenvolver minha segurança interna, senti uma grande liberação. Frequentementet, emos medo de dar esses passos – de abrir mão de nosso apego a bens ou lugares com os quais estamos romanticamente relacionados – mas até que o façamos permaneceremos escravos desses apegos.
 

Deixando de lado os apegos

Confundimos coisas com o sentimento de amor que elas nos lembram. “Esta é a porcelana da minha mãe.”; “esta é a pintura da minha bisavó.”; “aqui estão as coisas herdadas da família que eu não posso abandonar”! Assim, acabamos rodeados de muitos objetos aos quais nos agarramos porque tudo tem valor sentimental. Achamos que o sentimento reside nesses objetos fora de nós e lutamos intensamente para preservá-los. As coisas vão se acumulando nas garagens, sótãos e quartos; colocamos em caixas e levamos conosco a cada mudança sem nem mesmo desempacotá-las.
 

Encontrando segurança internamente

Achamos que essas coisas materiais representam amor e segurança, mas, na realidade, o material é incrivelmente frágil e fugaz. O verdadeiro amor e segurança existem apenas dentro de nós. Ao buscar segurança nas coisas externas, encorajamos o controle e o apego, que são a antítese da verdadeira liberdade e amor.
 

O que buscamos está mais perto do que imaginamos

Viemos a este mundo sem nada; sairemos sem nada. Estávamos incompletos quando chegamos? Estaremos incompletos quando partimos? A verdadeira plenitude não vem do acúmulo de coisas, mas do desapego, de abandonar a ideia de que algo nos falta de alguma forma. Então, percebemos que sempre estivemos cheios do que ansiávamos.
Texto Revisado

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 47

foto-autor
Sobre o Autor: Isha Judd   
Isha é mestra espiritual reconhecida internacionalmente como embaixadora da paz. Criou um Sistema para a expansão da consciência que permite a auto-cura do corpo, da mente e das emoções. Site oficial www.ishajudd.com
E-mail: brasil@isha.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.
Publicado dia 24/12/2020 em Autoconhecimento

Veja também
artigo Posicionamentos
artigo As Cartas de Cristo
artigo Quando eu te vejo, em espírito e verdade...
artigo Destilar Emoções

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa