auravide auravide

Massagem Ayurveda (ayurvédica) - parte I

por Erick Schulz

Publicado dia 11/6/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Por Erick Schulz

Há milhares de anos, em diversas tradições e culturas, a massagem é utilizada como fonte de cura, saúde e harmonia. Numa rápida passada em qualquer livraria do Brasil encontramos diversos livros especializados em massagem, mas somente nos últimos anos é que a grande maioria da população brasileira começou a ouvir falar da massagem originária da Índia, conhecida como ayurveda (ayurvédica).

Ainda não encontramos material rico sobre o assunto no Brasil; somente material que mais confunde o leitor do que o ajuda no entendimento do assunto. E é exatamente isso que eu estarei tentando explicar melhor.

Na Índia a massagem é aplicada como hábito cultural diário. Ela faz parte inerente da vida, da cultura, desde o nascimento, nos casamentos e antes da morte. É muito comum vermos famílias aplicando massagem nos seus familiares nas ruas, nas calçadas e nos templos, como algo diário e fazendo parte do cotidiano.

A massagem Ayurveda é originada da sabedoria milenar da Medicina Ayurveda, originária e baseada nos milenares livros denominados VEDAS. O ayurveda, em sua abordagem terapêutica, utiliza diversos procedimentos como plantas medicinais, dieta, exercícios físicos (asanas de yoga), meditação, astrologia védica (hindu), aromaterapia, gemoterapia (metais e gemas), cirurgia, psicologia, procedimentos de desintoxicação (Pancha Karma) e os Purva Karmas que é onde se encaixa a massagem ayurvédica como um de seus diversos procedimentos.

Nos dias atuais a grande população das principais nações do mundo buscam um resgate da harmonia entre corpo e mente que por maus hábitos e um estilo nada saudável de vida durante muitos anos acabou se perdendo. O ayurveda e outras formas medicinais orientais trazem exatamente essa harmonia tão procurada pelos ocidentais. Segundo o ayurveda onde há harmonia existe saúde, onde há desarmonia, existe doença. A palavra harmonia nesse contexto refere-se à integração que temos com o meio ambiente (natureza) através de nossos 5 sentidos.

“Saúde é um estado de bem-estar físico, mental e social completo e não meramente a ausência de doenças”.
OMS – Organização Mundial da Saúde


Sem analisar o ser humano por completo, nossa saúde enfraquece e aparecem as doenças. O que infelizmente aconteceu com o decorrer do tempo e de estudos avançados da medicina moderna, é que o indivíduo é visto em partes e não por completo como no ayurveda e na medicina chinesa, que analisam o ser humano como ser individual e único.

No ayurveda o homen não só faz parte da natureza como vive em harmonia com ela 24 horas por dia. O ayurveda é baseado na construção do ser humano a partir dos cinco elementos fundamentais “Pancha Maha Bhutas” (fogo, terra, água, ar e éter ou akasha). Esses elementos expressam-se no organismo numa forma condensada, gerando três modelos constitutivos básicos que correspondem aos humores biológicos conhecidos como doshas (código energético original) ou tridoshas: Kapha, Pitta e Vata.

Os doshas são os mecanismos que governam o nosso organismo. Na junção dos elementos éter (akasha) e ar manifesta-se o Vata Dosha. O Pitta Dosha é formado a partir dos elementos fogo e água e os elementos terra e água resultam no Kapha Dosha.

- Vata é o princípio do movimento no corpo, na mente e na consciência. É responsável por todo movimento físico, o que inclui os sistemas de circulação interna e de eliminação, as mudanças em nossos pensamentos e emoções e até mesmo as alterações em nosso estado de consciência.

- Pitta é o princípio da digestão e da transformação. É responsável pela digestão dos alimentos no estômago e no trato intestinal, das partículas em nível celular e também pela “digestão” de nossos pensamentos e emoções. Pensamentos bem digeridos levam ao conhecimento intelectual; emoções bem digeridas levam à consciência intuitiva e ao autoconhecimento. Quem mantém uma boa saúde e vive intelectualmente alerta e em paz com suas emoções se desenvolve e evolui com muito mais facilidade e rapidez. São os efeitos de uma “boa digestão”.

- Kapha é o princípio da lubrificação e da organização. Para que haja movimento e digestão é preciso que o organismo esteja perfeitamente lubrificado. Como o corpo não é simplesmente uma máquina, mas um todo em constante modificação, resultante tanto da percepção interna quanto de estímulos externos, kapha também é responsável pela inteligência celular. É o que garante, por exemplo, que o coração irá exercer exclusivamente suas funções e não as de outros órgãos.

A presença de vata, pitta e kapha é que garante nossa existência física. Sem vata, por exemplo, não existiria o movimento. E até mesmo uma pessoa paralisada e em estado de coma precisa ter o movimento do sangue, do oxigênio e de secreções para continuar viva. Sem pitta não haveria digestão e todos passariam fome. Sem kapha não haveria lubrificação e nossos braços, pernas e corpos não se moveriam. Vata, pitta e kapha são os chamados doshas que contêm a chave para o equilíbrio.

Trecho retirado do livro "Se o meu médico diz que estou bem ... por que me sinto tão mal?", Editora Butterfly, com revisão técnica de Erick Schulz.

Quando em harmonia, os doshas desempenham diferentes funções no organismo e o mantém sempre com saúde. Os doshas podem se encontrar em desarmonia por diversos fatores e causar o aumento ou diminuição dessa energia no organismo, provocando alterações patológicas no corpo físico que contribuem para o surgimento de doenças. Todos os três doshas estão presentes no ser humano, em diferentes quantidades. É no momento da concepção que as diferentes constituições das percentagens relativas entre vata, pitta e kapha são determinadas em nosso organismo.

Em nosso dia-a-dia podemos observar muito bem como isso tudo funciona. Por exemplo, uma pessoa com excesso do vata dosha sofre emagrecimento, debilidade, aversão a frio, tremores, alterações no sistema nervoso, tonteira, formação de gases, mente avoada, intestino preso e seco, pele seca, cabelo quebradiço, secura no organismo e reumatismo. Já uma pessoa com desarmonia no pitta dosha apresenta olhos e pele amareladas, problemas de pele, fome em excesso, a sede aumenta, febre, intestino solto, calor corporal em excesso, inflamações, azia e queimação, irritabilidade e stress. Kapha em excesso gera digestão lenta (não confundir com a digestão normal do kapha que já é um pouco mais lenta que o normal), tosse com formação de mucosidade nos pulmões, sonolência, obesidade e preguiça.

Os exemplos citados acima são somente para demonstrar como é um dosha em desarmonia. Uma pessoa com desarmonia em qualquer um dos doshas poderá encontrar semelhança em qualquer um dos exemplos, por isso sempre pedimos que procure um profissional qualificado.

Continua...

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 6

foto-autor
Sobre o Autor: Erick Schulz   
Erick Schulz - Vice Presidente da Associação Brasileira de Ayurveda, Diretor do Instituto de Cultura Hindu Naradeva Shala e Emissário Instrutor da Milenar Escola Iniciática Hindu Suddha Dharma Mandalam.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa