auravide auravide

NA FALTA DO AMOR, AS DIFERENÇAS REALÇAM!

por Maria Lúcia Pellizzaro Gregori

Publicado dia 28/7/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Quando você se apaixona por alguém, tudo é possível, até aquilo que você não suporta torna-se interessante, se vindo da pessoa amada.
A grosseria parece sinceridade...
A insegurança representa flexibilidade...
A raiva é tempero...
A traição é um despertar para o outro...
A indiferença é uma miragem...
Ceder significa compartilhar...

E, assim, a energia do amor se mantém em alta temperatura, queimando inúmeras possibilidades de desentendimento e fortalecendo cada vez mais o desejo de uma união harmoniosa e eterna.

Onde as certezas começam a se desintegrar?
Que fragilidade humana é essa que não sustenta a força amorosa inicial que acaba se dissolvendo nas frustrações de um sonho que parecia tão real?
Por onde anda a sinceridade que você admirava tanto e que hoje você não suporta porque ela passou a ser uma ameaça à segurança de suas qualidades?
Onde está o perdão diante da raiva que realçava o sabor do relacionamento?
Onde está o incentivo que a ameaça de perda proporcionava?

A flexibilidade que expandia o território dos sentimentos se encolheu, sufocada na disputa de um poder onde quem ganha não é vencedor e sim uma das partes de um todo derrotado.

O amor é o comando máximo, mas exatamente por ser amor, permite que todos os outros sentimentos estejam ao seu lado, favorecendo a expressão de cada um até que, no limiar de sua atuação, todos possam ser transformados também em amor.

Seus fortes aliados... a coragem, a paciência, a fraternidade, a serenidade, o perdão, o altruísmo, a perseverança, a fé convicta e todos os sentimentos brilhantes da alma humana ajudam na sustentação da suprema energia do amor.

Quem ama nunca está só, pois o amor é uma fonte de atração; ele aproxima, ele agrega, ele flui, abraça, insere, multiplica, expande, preenche qualquer vazio de forma permeável para que sempre possa receber mais um pouco e também possa dar na mesma proporção.

Se o relacionamento entre pessoas está endurecido... o amor está ausente.
Se as diferenças deixam de ser uma complementação para ser atrito... o amor está ausente.
Se a mansidão está perdendo espaço para o confronto doentio... se a raiva congela o desejo de estar junto... se o “ismo” se colou no “ego”, você está se sentindo só.

Volte ao ponto de partida onde tudo estava rodeado de luz, mas não deixe que ela ofusque sua razão.
Caminhe com o coração no comando, mas com a lucidez ao seu dispor.

Não idealize apenas... construa!

Não se entregue apenas aos seus sonhos... viva-os!

Não desista... AME!

Não brigue com as diferenças... elas são a parte que falta em você.

O que parece agressão do outro pode ser a coragem que você precisa para agir.
O que parece indecisão do outro pode ser a reflexão que falta em você antes de bater o martelo.
O que parece ansiedade do outro pode ser a energia que você precisa para tomar uma decisão.

ABRA-SE AO AMOR NOVAMENTE E AS ÁGUAS VOLTARÃO A CORRER PARA O MAR.

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 10

foto-autor
Autor: Maria Lúcia Pellizzaro Gregori   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa