auravide auravide

O Outro na Minha Vida

por Maria Cristina Tanajura

Publicado dia 6/3/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Vivemos numa sociedade onde precisamos de todos, para tudo. Será que nos apercebemos disto a ponto de, pelo menos no coração, agradecermos o que temos, o que usamos a cada segundo? Como seria, se de repente as pessoas deixassem de ocupar os cargos que ocupam e resolvessem não trabalhar? Como poderíamos sobreviver?

Acordamos em uma cama que foi fabricada por pessoas - não as conhecemos. Tudo em torno de nós foi feito por alguém - desconhecidos que colocaram no que faziam a sua energia, o seu tempo. Será que alguma vez pensamos nisto?

Quando compramos um objeto que não está perfeito, reclamamos e nos aborrecemos e por que não agradecemos à humanidade, aos nossos amigos desconhecidos, por melhorarem tanto a vida da gente? Ao padeiro que já acordou muito antes de nós para que nosso pão gostoso estivesse disponível ao levantarmos, a quem criou as usinas hidrelétricas que nos fornecem energia, etc.

Fiquei pensando nisto e me senti mal, por ter sequer a vontade de me queixar de alguma coisa, neste mundo. Recebemos tanto mais do que damos... e nunca parecemos estar satisfeitos com o que temos!

E aí me perguntei se o que faço é de importância para alguém. Se for o máximo que posso colaborar para o todo de que faço parte. E quando a resposta ecoou em mim, não me preocupou o quanto ganho pelo esforço que despendo fazendo o que faço, mas se minha ação é importante para alguém. Se poderia viver de forma mais útil, ou não.

Nesta reflexão, também ficou claro pra mim que a menor colaboração que alguém faça, seja onde for, é importante e até indispensável. O erro de um segundo pode atingir a muitos... o trabalho bem feito de um outro leva conforto e alegria para muitos... Enfim, acho que é preciso que tenhamos uma macroconsciência de nossa importância e de nosso valor, pois nunca viveremos isolados - não seria possível - e dependemos de todos e de cada um para sobrevivermos.

Cada coisa produzida traz em si as substâncias de que foi feita e a energia de quem a fez. O estado de espírito, a energia elevada (ou não), a intenção de quem ali trabalhou. E a gente não se apercebe disto quando toca em alguma coisa, quando a usa... mas no universo mais sutil, o panorama é bem outro e somos afetados, sim, por cada coisa.

Podemos passar a abençoar o que fazemos... seja lá o que for, para que esta energia de amor seja transmitida a quem usufruir do fruto de nosso trabalho e se sinta melhor que antes. Que bela esta imagem! Trabalhando para espalhar o Bem e o Amor, seja lá o que estivermos a fazer, no espaço que for.

Foi um sonho lindo que quis partilhar com vocês!

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 206

foto-autor
Sobre o Autor: Maria Cristina Tanajura   
Socióloga, terapeuta transpessoal.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa