auravide auravide

O paradigma da visão unilateral

por Flávio Bastos

Publicado dia 9/7/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


"A morte é um despertador para o significado da vida".
Bel César


Conforme o Dicionário da Língua Portuguesa, o termo "paradigma" é definido como "um conjunto (padrão ou modelo) de crenças e conceitos, muitas vezes de natureza inconsciente, em que se baseiam as atitudes e os comportamentos de um grupo social ou da sociedade em geral.

O termo "unilateral", segundo o mesmo dicionário, significa "situado de um lado só. Que vem de um único lado. Que vale para um lado só. Que atende aos interesses de apenas uma das partes em questão".

Se associarmos o significado dos dois termos e juntarmos a eles o conceito de "visão" que nesse sentido significa "ponto de vista ou modo de ver", estaremos diante de uma mentalidade que começou a ser formada na Idade Média, quando a Igreja, baseada na visão unilateral da verdade, incutiu no inconsciente das pessoas o que era certo e o que era errado. E a partir daí começou a cobrar daqueles que não se submetiam às exigências do poder político-religioso que vigorava na época. O surgimento da Inquisição foi o desfecho de uma dramático período de perseguições em nome da "verdade" imposta a ferro e fogo.

A partir do histórico trauma da Idade Média, o medo e o sentimento de culpa alojaram-se no inconsciente coletivo. E o que vemos hoje são as conseqüências da Inquisição que influenciaram "o ponto de vista ou o modo de ver" da ciência que tornou-se predominantemente materialista na sua abordagem investigativa. Digamos que a ciência, em parte, herdou a visão unilateral da verdade imposta pelas sombras da Inquisição.

No entanto, os tempos são outros, mas o paradigma da "verdade absoluta" dos tempos medievais, ao estabelecer "meias-verdades" como objetivo final do pensamento científico-materialista, permanece fustigando através do conjunto de crenças e valores culturais do mundo ocidental, o inconsciente das pessoas.

De uma certa maneira, o medo de sermos queimados na fogueira por heresia, permanece no íntimo de todos nós. Por isso, a herança da visão limitada que teima em contemplar o "aqui e agora" da percepção racional e materialista da nossa existência. No fundo, ainda somos cordeiros fugindo da ameaça do lobo que nos espreita das sombras...

Quebrar o paradigma da visão unilateral é um desafio que compete àqueles que pretendem libertar-se das amarras culturais que os prendem ao passado. A percepção de que somos seres livres e vocacionados para a expansão sem limites da consciência, perturba-nos um pouco, porque ainda somos inteligências condicionadas a acreditar naquilo que há séculos nos impuseram como "verdade".

Contudo, o conhecimento humano avança, descobrindo novos horizontes e abrindo janelas para que, lentamente, a luz da verdade transparente penetre em todas as consciências receptivas à energia que emana da Fonte de Sabedoria Universal.

Com a Luz que age sobre os efeitos da época medieval em nossas consciências, despertamos para uma nova era em que a saúde e a educação serão colocadas no topo das prioridades humanas. Onde a percepção de auto-responsabilidade e de responsabilidade social começa a transformar padrões de comportamento, alargando visões antes condicionadas.

O paradigma da visão unilateral, portanto, começa a ser quebrado à medida que verificamos a necessidade do homem entender o profundo significado da ecologia para tentar reverter a previsão de caos que ameaça a vida no planeta em que vivemos.

E o profundo conhecimento ecológico passa pela aceitação de que somos seres de uma constituição bio-psico-espiritual inseridos em um contexto cósmico regido por Leis Naturais que valem para todos os seres vivos inteligentes do universo. Portanto, responsáveis por tudo de bom ou de ruim que fizemos para nós mesmos.

O surgimento da visão interdimensional como um necessidade imposta pelo atual estágio que passa a humanidade, começa a revelar a área ainda cientificamente negada do indivíduo: a sua espiritualidade. Não temos mais como rejeitar essa verdade inerente à natureza humana. E a visão interdimensional, ao abrir uma porta para a investigação do inconsciente humano além das fronteiras da matéria, chega em substituição à visão unilateral como paradígma da verdade absoluta e incontestável.

Psicanalista Clínico e Interdimensional.
flaviobastos

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 15

foto-autor
Sobre o Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa