auravide auravide

O PARAÍSO É ENTEDIANTE...



Em homenagem à irmãzinha de espírito, Cláudia Fernanda

Já discorri anteriormente sobre este episódio: soube de um caso em que, visitando Veneza - o ícone, o expoente, a referência de beleza regional da Itália, palco de incontáveis inícios e desfechos felizes de romances pelo mundo afora! - alguém declarou ter detestado o lugar... por causa dos ratos!

É muito difícil julgar; aliás, já reza o adágio que não se deve julgar. Afinal, vamos que esta pessoa, como alternativa de hospedagem em Veneza, tenha contado com um único hotel disponível que, fosse por desleixo, fosse por peculiaridade, estivesse repleto de ratos... Mas ainda assim! Não consigo imaginar que alguém vá a Veneza para prestar atenção apenas aos ratos que, diga-se, são um inconveniente presente em escala planetária!

E as gôndolas? E os passeios nas gôndolas? E a particularidade incomparável e exclusiva de lugar do mundo onde as residências, "ruas" inteiras dão nada menos que para rios, onde os moradores obrigatoriamente pegam, ao sair de suas casas, uma embarcação - nunca saindo a pé, como é o comum no resto do mundo? E a beleza bucólica, a pintura viva, a obra perfeita da Criação numa localidade com estas características?

Esta semana, em decorrência de comentários que giravam em torno de episódios desta natureza, uma grande amiga comentava: "O paraíso é tedioso!" Poucas vezes deparamos com uma constatação tão verdadeira e de tão grandes implicações! Justamente por causa desta mania do ser humano de reclamar.

Sempre, meus leitores, haverá algo para se reclamar... mas seria interessante a todos analisarem que, em dependendo da ótica, é perfeitamente cabível que já estejamos vivendo no paraíso sem nos darmos conta dele e, conseqüentemente, menosprezando-o!

Tudo, sem embargos, é relativo nesta vida. O comentário tecido pela amiga foi motivado pela análise lúcida da nossa própria realidade pessoal. E a constatação é tão contundente que, em sendo desfechada a alusão assim, daquele jeito, com toda a naturalidade com a qual foi proferida, a reação pronta, coerente e imediata de qualquer um que por ali se achasse em estado pleno de consciência desperta seria calar a boca e mergulhar num silêncio profundo. Por falta de argumentação em contrário, mesmo...

Temos um trabalho digno e realizado em condições dignas e, comparativamente à situação social do país, bastante privilegiadas; temos filhos saudáveis; uma família numerosa e movimentada; amigos preciosos; lazer; saúde; inteligência; alimentação e escola de qualidade para os filhos; capacidade suficiente para a conscientização do valor inestimável de Deus nas nossas vidas; as nossas vidas! Mas não está bom... por que será? Alguma coisa que sempre vem normalmente "do lado de fora" faz com que toda esta imensa diversidade favorável caia em estranha obscuridade, para ainda assim acharmos espaço para reclamarmos do calor, da insegurança urbana, do estranho agressivo que nos incomodou no meio da rua, do modo de ser do próximo, do aumento que demora a vir, das experiências difíceis do passado...

No entanto, ao invés, experimente fazer cair na obscuridade das suas prioridades o calor que não apenas vocês, mas todos os demais experimentam; a insegurança urbana, lembrando que apesar dela muitos ainda têm uma qualidade de vida acima da média; o estranho agressivo, que há de seguir o seu caminho apesar de nós, e cuja agressividade é assunto exclusivamente dele; o modo de ser do próximo, que também não haverá de mudar assim tão fácil apenas para se adequar às nossas questionáveis verdades; o aumento que demora a vir, mas que, vamos convir, na maior parte dos casos, enquanto não vem é fato que ainda não estamos morrendo de fome como os indigentes da Somália, mesmo sem ele; as experiências difíceis do passado, que são passado e mais nada tem que ver com a renovação imperativa do nosso presente de minuto para minuto, a não ser na teimosia impertinente da nossa memória viciada em remoer desventuras...

Joguem tudo isso compulsoriamente na obscuridade, sem lhes conferir assim tanta importância e verão talvez uma realidade melhor do que jamais tenham antes se dado conta. E ficará mais fácil concluir que, em muitas ocasiões despercebidas, a ausência de problemas de fato graves, a calmaria da vida cotidiana sem maiores transtornos ou desafios, quase perfeita em si, é tediosa!

Nosso psiquismo viciado em emoções fortes da era moderna parece cobrar preocupações e aborrecimentos. Fácil a constatação, a partir destas evidências, que mesmo Veneza, Toscana ou Ilhas Fiji, ainda mesmo que com todo o dinheiro do mundo e o poder de consumo ilimitado escancarado ao nosso alcance, brindados com saúde, alguma beleza, bens, amigos, filhos e família, residências confortáveis, um bom trabalho, momentos felizes e lazeres ao gosto... Com tudo isso, caríssimos, haveremos de presenciar muitas vezes indivíduos com estas características pessoais definindo a vida como algo extremamente maçante! Porque a insatisfação, e esta é a grande verdade, é interna! O poço sem fundo se aprofunda à medida que mais e mais emoções, vivências e sensações externas são tragadas pela sua eterna sede de "quero mais"!

Também já dizia o sábio ditado que felicidade é um estado de espírito, independente de fatores externos, seja em que conjuntura for - e isto é o que há de mais certo!

Para prova desta assertiva, recentemente tivemos a cena tocante, na série de reportagens da Regina Casé para o Fantástico, da africana habitante daquela realidade praticamente catastrófica e semelhante a um estado permanente de guerra, na qual em determinados lugares as mulheres têm como única opção de sustento a atividade de vendas das chamadas "muambas". Vendo como a simpática africana ria o tempo todo, Regina pergunta porque ela é assim, tão risonha e feliz. Veio a resposta, digna da reflexão de todo o nosso mundo consumista, do qual fazemos parte e como o conhecemos: - Ah, eu sou assim mesmo, nasci assim, feliz, só sei ser deste jeito!... - mais ou menos nesses termos, mas exatamente com este sentido.

E noutro dia ouvi de um parente que duas mulheres cortaram relações já de há anos, por causa de uma briga escatológica na cozinha provocada pela polêmica de se usar ou não Pomarola para fazer o molho de tomate na macarronada...

O paraíso é - de fato! - entediante...

Lucilla
Escritora e oradora espírita

Texto revisado por Cris
Publicado dia 15/12/2007

  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 16



foto-autor
Autor: Christina Nunes   
Chris Mohammed (Christina Nunes) é escritora com doze romances espiritualistas publicados. Identificada de longa data com o Sufismo, abraçou o Islam, e hoje escreve em livre criação, sem o que define com humor como as tornozeleiras eletrônicas dos compromissos da carreira de uma escritora profissional. Também é musicista nas horas vagas.
E-mail: meridius@superig.com.br | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa