auravide auravide

Relação saudável ou migalhas emocionais?



Tenho acompanhado muitas queixas e confusões por onde tenho passado sobre relacionamentos. Percebo algumas pessoas insatisfeitas com as relações e vivendo incapazes de reagirem para uma realidade mais saudável exatamente por não terem um ponto de partida. Isto porque vivem a relação como uma fantasia e, conseqüentemente, sofrem pois a sensação é de um intenso vazio. Resolvi escrever este artigo na tentativa de dar mecanismos para a identificação da qualidade dessa relação e, assim, poderem aperfeiçoá-la, tornando-a mais produtiva e feliz.

O primeiro passo é saber como está a relação em questão. Será preciso avaliar se a relação é benéfica e nos trará a sensação de aconchego e conforto emocional. Isso pode ser identificado se estivermos perceptivos quanto ao que é real ou fantasia. A questão primordial é sabermos o que desejamos de bom para nós mesmos, em nosso íntimo, o Eu Superior, mas para isso, devemos saber o que é legítimo e o que é uma peça aplicada pelo ego. Nesse momento é bastante comum confundirmos o que nossa alma precisa do que estamos desejando.

Desejamos o que muitas vezes é imposto pelo contexto social e, estabelecendo comparações, como se o que é bom para os outros o será para nós. Triste engano. Temos nossa própria missão a ser desenvolvida e o que precisamos está inserido no fundo de nossa alma, independentemente do que digam, pois o crescimento e a evolução é única para cada ser. E nós sabemos o que é necessário! Apenas não estamos perceptivos. O que acontece muitas vezes é estarmos obscurecidos pelo ego e a sensação de inveja, frustração e dor nos apossam. Isso ocorre quando aceitamos os conceitos impostos pelo meio e estabelecemos comparações do que é único (nosso ser) com um conjunto pré-estabelecido (contexto social) como se esquecêssemos de nossa evolução.

Observamos, muitas vezes, pessoas felizes e de bem com a vida e eventualmente com grandes dificuldades do dia-a-dia. Elas são alegres e felizes, mais perceptivas com o momento que vivem, além do que, não estão suscetíveis à intensa dominação do ego. E o ego deseja dominar... castrar, tomar para si... ser melhor que o outro... e não suporta ser colocado num lugar comum. Então, devemos colocá-lo em seu devido lugar: longe de nossa realidade essencial!

Na verdade, o que devemos fazer neste momento é saber o que é legítimo e o que é falso dentro de nós. A questão é mais simples do se que parece, mas precisa de perseverança. Para isso não é necessário nenhum conhecimento profundo. Basta sentir... Estar perceptivo. Todos sabem identificar seu estado de espírito, se estão alegres ou tristes, animados ou apagados. Mas quando estamos sintonizados com o Eu Superior ou no Caminho da Luz a sensação positiva ou negativa será amparada pela tranqüilidade e suavidade.

Observamos que a alegria e tristeza fazem parte do caminho da vida, então, a grande diferença é como lidamos com isso. Aonde desejo chegar é o seguinte: acontecimentos alegres são “sentidos” com grande vibração e animação e acontecimentos tristes são “sentidos” com depressão e estagnação. Óbvio, não? Mas há uma grande diferença: quando isso é natural, ainda assim conseguimos permanecer tranqüilos e suaves, mas quando não, a sensação se torna inconveniente e angustiante. Aí é que está o ponto-chave.

Exemplificando, em qualquer relação existem os altos e baixos, ou alegrias e tristezas, que devem ser sentidas legitimamente, mas a tranqüilidade e suavidade prevalecerão após o devido tempo de ajuste e correção de rumo. Caso permaneça um estado crônico de angústia, depressão, frustrações, etc., a conexão com o Eu Superior e o Caminho da luz foi rompida!

O grande passo seguinte é agir! Fazermos a nossa história! E para isso basta percebermos: se algo que estamos fazendo ou mantendo, como uma conduta ou uma relação, que naturalmente tem como objetivo proporcionar alegria e felicidade mas causa tristeza ou angústia (em nós ou aos outros), sem dúvida o caminho deve ser repensado e modificado por mais difícil que isso seja. Porque tal fato está sendo manipulado pelo ego (nosso ou dos outros), na obscuridade, jamais no caminho da luz. O prazer poderá até aparecer, mas será momentâneo (são as migalhas), e prevalecerá o vazio, a angústia, a depressão como sensação predominante e duradoura.

Vem a pergunta: Mas como conseguir mudar o estado? Não é a questão de mudar ou não, mas saber o desejo fundamental, saber o que é legítimo... E sentir... O aconchego do caminho... E a mudança virá na forma de uma sensação agradável e duradoura... naturalmente. Através dessa sensação desejaremos cada vez mais esse estado de luz e felicidade. Mas enquanto permanecermos na fantasia e temermos viver a realidade, não identificaremos o caminho para o nosso Eu Superior, o que é legítimo; então, pouco poderemos fazer. E ainda, se chegamos juntos até esse ponto deste texto já é sinal que começamos a dar um passo importante em direção a ele e mudanças estão acontecendo... É perseverar...

Vamos aceitar o fato de que a escolha entre a relação saudável ou um punhado de migalhas está em nossas mãos. Não repassemos a ninguém a responsabilidade de fazermos a nossa escolha.... A nossa história! Muita coragem e perseverança são necessárias, mas lembremos que não estamos sozinhos nessa jornada, e que sempre haverá uma mão em nossos ombros... amorosamente...

Abraços a todos!

Texto revisado por Cris
Publicado dia 1/3/2007

  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 60




Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa