auravide auravide

Carlos Prado o médico dos Andes - Parte III

por Aos Filhos da Terra

Publicado dia 5/9/2007 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Segundo sua cosmovisão, Carlos diz que há um equilíbrio permanente e íntimo entre ser humano e natureza, que só é possível em termos de reciprocidade, pois tudo aquilo que fazemos à natureza, dela recebemos em proporção e semelhança. “Se a humanidade atentasse para este detalhe o planeta não estaria correndo tantos perigos de extinção”, diz o brujo, “assim, uma harmonia deve existir entre nós e o meio onde vivemos; o mesmo ocorre entre as ordens material e espiritual, também entre aquilo que chamamos de passado, presente e futuro, superando os conceitos clássicos de tempo-espaço. Temos uma visão holográfica do Universo; o corpo humano, por analogia, reflete a Pachamama em sua totalidade. Macro e microcosmo não estão separados. Todo e qualquer dano que se faça à natureza é um mal que o homem comete contra si mesmo, também em prejuízo de sua comunidade e de sua saúde. Isso explica o absoluto respeito que o povo andino tem pela Pachamama, que para nós é sagrada, o que justifica tanto nossa preocupação ecológica quanto as oferendas que fazemos à Mãe-Natureza sempre que desejamos alcançar alguma cura física ou espiritual por meio de nossos rituais”.
Carlos herdou o conhecimento de sua mãe, uma curandeira amauta, natural de Cuzco. Os amauta são sacerdotes-mestres dos mais respeitados no império inca. “Via de regra, um curandeiro se faz assim: ele recebe o saber ancestral de seus pais, mas alguns sinais desde o nascimento e primeiros anos de vida também podem identificar aqueles que assumirão esse papel”; explica Carlos que, particularmente, nasceu de parto podálico, e sobreviveu a ele. Um parto desses no campo significa quase sempre a morte da mãe, da criança, ou de ambos. A vida, portanto, resolveu submetê-lo a provas desde o início. Mas também houve vocação e discernimento próprios, visto que entre dez filhos de mesma mãe feiticeira, Carlos foi o único que resolveu seguir os passos do xamanismo. Por conta disso passou por rituais iniciáticos probatórios e de confirmação; o primeiro deles aos seis anos de idade, um segundo aos doze. Nessa idade, Carlos decidiu buscar sua independência. Pediu autorização à sua mãe e deixou sua casa, partindo para uma extensa peregrinação. Por vinte anos a fio, percorreu a pé toda a região correspondente ao antigo império incaico; enfrentou inúmeros percalços e alcançou terras compreendidas desde o norte Chile até o Equador, conhecendo todo o Peru, Colômbia e Bolívia. Em cada parte manteve contato com os curandeiros locais e, trocando informações, pôde aprender muito.
Um feito extraordinário, a fazer dele um dos raros xamãs que têm uma visão clara e abrangente daquilo que poderíamos chamar de um denominador comum de toda a medicina tradicional andina, capaz, portanto, de um dia cumprir o propósito de sistematizar numa obra esse saber milenar. Perguntei-lhe como seria seu livro, o que representaria sua edição para a tradição andina, que se perpetua eminentemente sob forma oral. Carlos, raciocínio rápido, respondeu-me:
“Por certo não será um livro romântico como as obras de Carlos Castañeda. Sempre me pergunto como não ficariam suas histórias se tivessem sido contadas não por ele, mas por Don Juan. Não quero dizer com isso que os livros de Castañeda não sejam válidos; eles o são, mas invariavelmente são sociólogos ou antropólogos que escrevem sobre nossa gente, como se fôssemos peças de museu. Em meu livro estarei expondo a realidade da cosmovisão andina, o uso ritualístico da coca e os princípios de nossa medicina tradicional herbária, mineral e animal segundo seu autêntico ponto de vista. Por certo há coisas que não poderão ser ditas, que devem ser guardadas por tradição familiar, e desde que comecei o trabalho tenho recebido algumas críticas por parte de outros curandeiros que imaginam que um livro possa estar traindo nossa cultura, cujo caráter é de nunca haver escrito nada. A estes digo que vivemos numa sociedade que sofre mudanças radicais neste final de milênio; se não houver quem um dia sistematize nosso conhecimento médico, como o fizeram os chineses na Antigüidade, continuamos em risco iminente de desaparecimento por conta das dificuldades que hoje se interpõem à tradição exclusivamente oral do saber. Não se trata de profanar aquilo que é sagrado, mas de criar meios eficientes para que nossa cultura milenar se perpetue”.


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 2

Autor: Aos Filhos da Terra   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   


Veja também
artigo A imaginação constrói os problemas
artigo Adestrar x Educar
artigo Luz e sementes conscienciais
artigo O que é o ego?

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa