auravide auravide

Delírios

por Rúbia Zaia

Publicado dia 31/10/2008 em Corpo e Mente

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Já estou perdendo a noção do perigo das palavras soltas e do pensamento atordoado. Quando estou no limite penso rápido e minha língua não me acompanha. Saio por aí soltando todas as minhas insanidades. Nesse estado perco o controle do pensamento e das palavras. Fico um perigo para o próximo. Ou talvez uma perdição.
As idéias e reflexões movem-se em sentido giratório. Tudo vira, revira e voa. Rodopio no ar. Meus pés sentem a maciez das nuvens, a textura de um tapete verde de musgos.

Coloco flores em meus cabelos. Vejo bailados de corpos e as saias coloridas girando, como borboletas recém nascidas que ainda não viram a imensidão do céu. Loucura quente, doce e cigana.
Estou pronta para voltar ao meu estado de lagarta que um dia rasteja e em outros voa. Minhas asas estão presas no casulo pendurado numa árvore. Sinto que essa prisão durará apenas alguns instantes. Logo terei novamente minhas asas vermelhas e voarei livre para morrer e renascer nas minhas loucuras.
Assim é meu movimento de vida. Minha busca. Um labirinto com entrada e saídas demarcadas. O grande caminho sem portas. Apenas com batentes apontando invisíveis limites.
Sempre entro como água e saio como labaredas queimando almas. Venho de terras perdidas, resgatando espíritos e transmutando sentimentos. Perdida e acertadamente.
Minha última passagem pelo labirinto foi dolorosa. Parece que agora estou na rota certa como um vôo rasteiro no abismo, onde me jogo e depois levanto vôo. Preciso desse movimento todo para exercitar minha mente pensante, onde só habitam devaneios e insanidades que caminham como rodas de carroça buscando estradas, córregos de água cristalina e sombra para o descanso.

Os seres que me acompanham são andarilhos do fogo, do vento, da terra e da água. Nosso alimento e estímulo é a loucura.
Talvez eu seja a grande quimera de uma alma perdida. Aquela que deseja ter seus pulsos cortados, sentir o sangue escorrer e a vida brotar dos delírios. O grande início será marcado pelo fio de um punhal. Afiado como minha língua. Um pacto de sangue. Um pacto de fogo e vida.
Enquanto isso, contorço-me dentro do casulo. Nenhuma pedra é tão dura, assim como nuvem alguma é imutável.

A vida é sempre um grande encontro e sintonia. Este texto nasceu em um momento de magia, amizade e horas de bate-papo. Um beijo à grande amiga Ana Terra que formatou toda minha doce loucura  e devaneios.
Rúbia Zaia

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 7

foto-autor
Sobre o Autor: Rúbia Zaia    
CURSOS e ATENDIMENTOS OFERECIDOS EM SÃO PAULO E ÁGUAS DA PRATA: Dança Cigana, 13 Raios Cósmicos de Cura e Magia, Leitura de Cartas Ciganas, Ervas “Cura e Magia”, entre outros. Atendimentos: Cartas Ciganas e Tarô, Renascimento: Reprogramando sua vida!, Casa de Cura Espiritual - gratuito. Informe-se! (11) 7153-0100 -S. Paulo
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa