Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
Home > Corpo e Mente

Deus não existe

por Alex Possato



Vivemos na Era da informação. Do excesso de informação. Informações desnecessárias, supérfluas, descabidas. Algumas são descaradamente descartáveis. Outras informações são revestidas de pretensa autoridade: são escritas, faladas e carimbadas por um “doutor”, um especialista disso ou daquilo. Às vezes, alguém que viveu algo a mais, ou pelo menos, afirma que viveu. Líderes espiritualistas possuem o carimbo do “divino”. Líderes empresariais, o carimbo da competência. Líderes políticos, o carimbo da promessa. Este texto também é informação descartável. Todas as informações e conteúdos são descartáveis.

Aquilo que sabemos é absolutamente supérfluo, e não nos torna melhor ou pior do que nada. Morremos, e toda a sapiência se vai. Até hoje, a humanidade, que se diz evoluída e inteligente, não sabe fazer uma única pedra igual à das pirâmides ou das ruínas incas. Não consegue transportar. Nem cortar. Nem encaixar. A sabedoria se foi. Provavelmente para nunca mais voltar. Mas esta informação é também absolutamente desnecessária. Durante séculos, o homem quer saber a verdade universal. A única verdade, a resposta para tudo. Até cunharam um nome para esta verdade única: Deus. Deus não existe. Porque não existe este Deus único.

Se Deus é tudo, não pode ser único. Deus está tanto no mártir, como nas fezes. Está no nascimento, como na morte das guerras. Está nas doenças e nos milagres. Está no pai, no filho e no bandido.

É a dor e o êxtase, a felicidade e a depressão. Deus é tudo e o nada. Se ele existisse. Mas tudo isso são palavras, e palavras são representações toscas de um todo impossível de ser descrito. Para que se esforçar em descrever o indescritível? Para que se esforçar de entender o ininteligível?

Diz o latim que religião é o religar. Religar o homem a Deus. Que tosco, isso! Como religar o que nunca foi separado? Como religar o homem à sua própria invenção, chamada Deus? Como evoluir o que já é completo? O homem busca, no fundo, preencher algo que já está cheio.


O homem não precisa preencher-se de amor, porque já está repleto de amor. O homem não precisa preencher-se de caridade, porque está até as orelhas, cheio. O homem não precisa de fé, porque já é o exemplo vivo da maior fé que possa existir: a vida. Não há nada a ser preenchido. A mente aprendeu, em algum momento da infância, que era burra e precisava de conhecimento. Que tolice! Até o último segundo da sua vida, você estará acrescentando algum conhecimento. E isso não lhe fará melhor e mais perfeito do que já é. E no segundo seguinte, ao da passagem, todo este conhecimento se vai. Simplesmente porque ele não era nada. Não é necessário acrescentar nada mais, para ser tudo, neste segundo. Porque somos tudo. Não há mais nada para ser, paraísos a alcançar, evoluções misteriosas. Deus não existe. Por isso ele nos deu o poder de criá-Lo à nossa imagem e semelhança. Quando paramos de buscá-Lo, encontramos.

Quer comentar este texto? Clique aqui! Não há certo ou errado. Se gostou, se não gostou, suas idéias são tão importantes como qualquer outra

Texto revisado por: Cris

Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   Numerologia  
 
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp



Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação: 3 | Votos: 50
Atualizado em 08/01/2009

Veja também
Efeito luz, efeito sombra
Energias negativas não entram nas pessoas por acaso
Ano novo, vida nova?
Destruindo a felicidade!

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.



Continue lendo
Efeito luz, efeito sombra
Energias negativas não entram nas pessoas por acaso
Ano novo, vida nova?
Destruindo a felicidade!


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa