auravide auravide

Paixão ou Medo? Pergunte ao corpo!


Facebook   E-mail   Whatsapp

Se repararmos bem, batimentos cardíacos acelerados, sudorese, tremores nas mãos, respiração entrecortada são experiências emocionais que sentimos seja no estado de paixão ou medo.
O psicólogo Stanley Schachter, ainda nos anos de 1960, já nos alertava para o fato de que podemos errar ao nomear o que realmente estamos sentindo.
Às vezes, ocorre o que Schachter chama de “atribuição errônea da excitação" a depender da pessoa com a qual experimentamos esses estados e o que ela representa naquele momento em nossas vidas.

Assim,  é o contexto que determina a natureza do rótulo que damos ao que estamos sentindo, sendo então, necessário elaborar cognitivamente as sensações corporais e sentimentos. Isso por si só já ajuda muito, mas, a chave para a resolução de um possível conflito pode residir em trazer para o corpo a atenção e se permitir experimentar o que se sente sem julgamentos e assim é possível elaborar essa experiência.

Essa informação nos liberta emocionalmente na medida em que nos convida a experimentar a sensação e vincular a mesma à realidade objetiva sem julgamentos ou repressões do que sentimos, apenas movidos pelo desejo de autoconhecimento e a possibilidade de seguirmos livres.

Para além de intrincadas experiências transferenciais, podemos apenas descobrir que estar diante de uma autoridade, numa relação de verticalidade ou diante de alguém que admiramos, já dispara emoções conflituosas que podem gerar uma falsa afeição e atração.
Para manejar isso é bom reconhecer o que ocorre no corpo e nas relações com as quais estamos lidando, interpretando e acolhendo as experiências emocionais. Para isso uma ajuda profissional pode ser bem-vinda.

É muito importante observar as sensações corporais que percebemos a partir das nossas interações, sem julgamentos!

Numa sessão de Focalização, metodologia criada por Eugene  Gendlin, o que fazemos?

Sugerimos  ao cliente que se permita sentir o que ele sente, localizando a sensação corporal vinculada ao tema que ele traz.
Logo podemos acessar uma palavra ou imagem que podem revelar o que parece ser a fonte original daquela experiência.

O que ocorre então é bem interessante: fazemos companhia ao que o corpo nos traz, acolhemos sem brigar ou tentar exorcizar o que sentimos.
O alívio que experimentamos é resultado da entrega ao processo e libera cargas pesadas que muitas vezes já se transformaram em dores crônicas e limitações.
Texto Revisado



 

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 11


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Conteúdo desenvolvido por: Nina Coutinho   
Agende a sua sessão Whatsapp : 71999586370
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Corpo e Mente clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa