auravide auravide

As religiões, o ser humano e Deus


Facebook   E-mail   Whatsapp

Devemos depositar toda a nossa confiança em Deus, construindo um plano emocionalmente divino, uma expressão serena e confiante, na certeza de que tudo passa. Cada manhã não é somente um novo dia, é muito mais. É a certeza de que deve nascer, do fundo da "alma", a esperança de que a cada minuto que passa tudo pode mudar para melhor, se tivermos o desejo de estabelecer uma unidade, um equilíbrio entre as pessoas e o resto do universo. Daí a intensidade e a profundidade do anseio pela religiosidade, que não é, de forma alguma, negado pelo espírito.

Bastamos pensar na identidade entre os objetivos da cura da alma e o conjunto de idéias e normas comuns a todos os ensinamentos humanistas do oriente e do ocidente. Dizem os pensadores humanistas: O ser humano deve procurar conhecer a verdade e o grau de humanidade a que lhe atinge, a independência e a liberdade. Deve ainda relacionar-se com os semelhantes pelo amor, pois se não dispõe de tal capacidade torna-se vazio e fútil, mesmo que disponha de todos os poderes materiais. Ao ser humano cumpre saber distinguir o bem do mal e compreender a voz da própria consciência e segui-la.

Pois bem. O processo da mudança é em si mesmo uma comunhão entre a inteligência e a sabedoria, isto é, o reconhecimento que a vida deve ser vivida na sua plenitude, sem perder o equilíbrio emocional. Além disso, reconhecer quais das suas idéias vai beneficiar o maior número de pessoas possível. A a religiosidade baseia-se no princípio de que saúde e felicidade não podem ser obtidas, a não ser que filtremos nossos pensamentos, para que possamos integrar a nossa personalidade e viver honestamente, de acordo com a nossa realidade. Na verdade, auxiliar o próximo a distinguir verdade de engano constitui o objetivo básico de cada pessoa de bem.

Os fundadores das grandes religiões não as criaram para o mal do povo, e deram sempre uma ênfase especial à presença do amor no coração de cada um de nós. As religiões reconhecem que a capacidade de amar constitui a realização máxima. Em nenhuma religião existe céu para os que odeiam.

O princípio da religiosidade é superar os fundamentos da religião, isto é, conviver com todas as religiões não pensando na religião em si, mas nas pessoas que as escolheram por sua vontade e liberdade, e que devem ser respeitadas.

O amor ao próximo traduz a norma fundamental da existência, sua violação constitui a causa básica da infelicidade e da doença. Os sintomas dos sentimentos derivam da incapacidade de amar e compreender. Devemos cooperar sinceramente para o desenvolvimento e para a felicidade da humanidade. A oração e outros artifícios religiosos são, em sua essência, uma tentativa de ajudar os pobres e doentes a conquistar, ou reconquistar, a sua capacidade de amar. Se este objetivo fracassa nada é realmente obtido, a não ser alterações superficiais.

Portanto, a cura da consciência destina-se a ajudar as pessoas a obter uma atitude que possa ser chamada de religiosa, no sentido ideal da palavra. Procura torná-la apta a ver a verdade, a fazer-se livre e responsável, a amar seus semelhantes e a viver de acordo com a sua consciência, o que lhe confere algo muito precioso, a paz interior.

Depois de considerarmos os pontos comuns à experiência religiosa e ao processo de amar o próximo, começa-se a compreender que as afirmações apressadas ou preconcebidas de que existe oposição irreconciliável ou, ao contrário, absoluta identidade entre as religiões e o povo, vemos que não existe nenhum tipo de solução para essa questão religiosa. Podemos prever o futuro e até proclamar a paz entre as religiões, mas daí para uma fusão em torno de Deus, a distância é grande. Preferimos pensar que o problema da religião não se resume ao problema de Deus, mas engloba também e, principalmente, o problema do ser humano, nas suas relações em si mesmo e com os outros. As formulações e os símbolos religiosos valem pelas experiências humanas que traduzem. O que importa é a natureza dessas experiências.

Cumpre reconhecer se a atitude religiosa do ser humano é honesta e simples, concorrendo para o seu pleno desenvolvimento e felicidade, ou, ao contrário, equivale à idolatria, independentemente do modo como se exprime ou se oculta, no pensamento consciente. Deve-se perceber se, nessa atitude, ele se entrega simplesmente a um endeusamento ilegítimo das coisas de aspectos parciais do mundo, e se submete, fraco e impotente, ou se dedica a sua vida à realização dos mais altos princípios, tais como o amor, a justiça e a razão. O importante, em suma, é o espírito, que orienta a experiência religiosa.

Se os ensinamentos religiosos, qualquer que seja a origem, estimulam o crescimento, a honestidade, a cura interior, a liberdade e a felicidade dos seus crentes, eles estarão espalhando o amor. Mas se contribuem para o mau uso das potencialidades humanas, para o empobrecimento espiritual e improdutividade, não se pode acreditar que se originem do amor, mesmo que os dogmas assim os afirmem.

Deixemos aos teólogos as especulações transcendentes. A nós interessa, sobretudo, o problema da humanidade, essa obra-prima da natureza, que, entretanto,  envergonha-se de si mesmo, ignorando inconscientemente as manifestações da sua natureza primitiva e dissociando, por projeção, as suas qualidades mais sublimes: a sua razão e o seu amor, que, se libertados e desenvolvidos, poderão orientar, em muito, a grandeza das forças mágicas e admiráveis, que poderão ser extraídas do nosso interior para as conquistas espirituais e materiais em Deus.

BNN 

Texto revisado


Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 365


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Bernardino Nilton Nascimento   
"Não seja um investigador de defeitos, seja um descobridor de virtudes"./ "Quando a ansiedade assume a frente, as soluções vão para o final da fila"./ "Quando os ventos do Universo resolve soprar a favor, até os erros dão certo". BNN
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa