Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

A atuação terapêutica em tempos de transição planetária

por Taís Fernanda Manfrin Vaz

Publicado dia 26/3/2019 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Nosso planeta passa atualmente por um processo de profunda transformação e renovação de energias. Muito em breve começaremos a perceber com maior clareza, dia após dia, as velhas estruturas começarem a ruir, abrindo espaço para o surgimento de novos paradigmas, em todas as áreas e em todos os níveis.

Nos sistemas religiosos e de crenças, essa onda de renovação já está atuando e é bastante perceptível. Cada vez mais, as pessoas vêm se questionando a respeito do que é realmente verdadeiro, o que é realmente útil para suas vidas, para onde direcionar a sua Fé e onde poderão encontrar as respostas para as dúvidas e incertezas que todos temos: quem somos, de onde viemos, para onde vamos, o que realmente estamos fazendo aqui.

No caminho daqueles que se voltam para a espiritualidade, este processo planetário de transformação já avança a passos largos e de forma ainda mais contundente, tornando-se cada vez mais evidente com a queda dos velhos dogmas, das mistificações, das idolatrias, do culto a personalidades, e com a substituição destas nocivas práticas vazias por novas diretrizes, pautadas pela busca de uma compreensão maior acerca da realidade da existência e das Leis Universais, que regem a plenitude da Vida, em todos os seus aspectos.

Em meio a tantas e tão profundas transformações (energéticas, comportamentais, conscienciais, sociais etc..), é normal e até esperado que, muitas vezes, nos sintamos completamente perdidos, desconexos, vulneráveis, sufocados, sozinhos, depressivos, sem forças para prosseguir ou sentindo como se a vida ou a própria existência perdessem completamente o sentido e a razão de ser. Apesar de difícil e, por vezes doloroso, este é um processo absolutamente positivo, que nos leva à autoanálise, à autoavaliação e ao questionamento dos objetos e objetivos da nossa Fé. Será que realmente estamos direcionando nossa fé da melhor forma? Será que depositar a nossa fé em coisas externas ou figuras humanas (tão imperfeitas e falhas quanto nós mesmos), esperando que venha dali algum tipo de “cura” ou “salvação” é realmente o melhor caminho? Ou será que agimos assim por comodismo, preguiça ou medo de buscarmos dentro de nós A Verdade?

Sim. A Verdade, assim como a “cura”, estão (como sempre estiveram), dentro de cada um de nós, na centelha divina que é nosso verdadeiro Ser e que carrega em si todas as respostas. É como bem dizia C.G. Jung, “quem olha para fora, sonha; quem olha para dentro, desperta”.

É certo que, com tantas manipulações, distrações, distorções, inverdades... tantas barreiras e obstáculos... enfim, com todo esse “barulho” do mundo ao nosso redor, muitas vezes nos parece bem difícil silenciarmos a nossa mente e aquietarmos o nosso coração para, assim, podermos alcançar essa centelha divina que somos, essa Verdade que tanto precisamos - a Verdade que liberta e traz a Paz. Mas a busca interior é o ÚNICO caminho.

E este caminho de busca é, invariavelmente, INDIVIDUAL. Mas isso não significa que precise ser um caminho solitário. Muito pelo contrário! Quanto mais nos dermos as mãos, trocando experiências, nos auxiliando e amparando uns aos outros, mais fácil e prazeroso se tornará o caminho de cada um. E é aí que poderá se tornar de grande utilidade o trabalho de um bom terapeuta.

A atuação de um terapeuta sério, comprometido com o aporte ao caminhar autônomo e independente daqueles que lhe procuram, que busque alicerçar as suas práticas em princípios éticos e valores morais, compreendendo e respeitando o tempo, o ritmo, os passos de cada indivíduo, deve ter, portanto, este objetivo: o de caminhar lado-a-lado, ombro-a-ombro, de mãos dadas, e jamais o desejo ilusório e presunçoso de colocar-se acima ou à frente de nenhum de seus assistidos. Por essa razão, hoje, mais do que nunca, qualquer intervenção terapêutica precisa, antes de mais nada, ter como base, o acolhimento, a troca, o compartilhar, o amparo fraternal ao qual o Mestre Maior nos incitou quando disse: “amai-vos uns aos outros”.
Texto Revisado

 

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1

Sobre o Autor: Taís Fernanda Manfrin Vaz   
Psicanalista - Psicoterapeuta - Terapeuta Holística. Médium sensitiva, apômetra, reikiana, taróloga e projeciologista. Formação acadêmica na área das Ciências Humanas, formação em Psicanálise Integrativa e cursos nas áreas de Psicoterapia e Terapias Holísticas. Atendimentos de segundas às sextas, das 9:00h às 22:00h (presencial ou por Skype).
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Quando a economia vai melhorar? Júpiter em marcha direta irá ajudar?
artigo Porque vínculos traumáticos abusivos são difíceis de romper?
artigo Kyudo 2
artigo Babaji - O padrinho espiritual secreto

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.








horoscopo



auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa