auravide auravide

A pena de pavão no ritual do Xamanismo

por Wilson Francisco

Publicado dia 23/5/2008 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Em 1998, eu realizava no CE Evangelho em Ação (rua Leite Penteado, 207 – São Paulo), experiências espirituais para despertar a consciência, apurar e facilitar o processo mediúnico. Nessa época eu não tinha nenhuma informação sobre Xamanismo. Numa das reuniões, uma moça antes de entrar no processo de percepção espiritual me chamou e disse que sentira como que estivessem passando lentamente uma pena longa e colorida em seu rosto. Não tive resposta, apenas informei que ia pesquisar e traria o esclarecimento.
Logo a seguir, minha mulher, que me auxiliava na direção do processo, me avisou: Wilson, estão chegando alguns indígenas, com trajes bem tradicionais, instrumentos etc e tal. Pedem permissão para participar da reunião. Aceitei a entrada deles, informando que ficassem a vontade para observar e participar dos processos.
No dia seguinte, fui até a cidade, resolver assunto particular e andando pelo centro de SP, entrei numa livraria, como era de costume. E logo da entrada, avistei um livro que me atraiu. Seu título: Curandeiro Nativo. Peguei, paguei e fui embora. Ao retornar do compromisso, no ônibus, abri o livro, numa página qualquer e para minha alegria lá estava a resposta que eu buscava para a moça da reunião. No texto aberto, o autor explicava que nas cerimonias de xamanismo, o Xamã se utiliza de penas de pavão para sensibilizar com mais intensidade as pessoas que participam, além de outros recursos como o tambor, etc e tal. Como se vê, lá estava a explicação para a presença daquele grupo de espíritos e a tal pena que tocava o rosto de uma das médiuns.

A partir dessa experiência estreitei laços com as equipes espirituais xamânicas e procurei pesquisar e entender as leis do Xamanismo. E até hoje utilizo recursos xamânicos nos processos do Projeto Mutação e nos atendimentos que realizo na clínica e sinto-me a vontade com os Espíritos que coordenam essas atividades na Terra.

Após realizar as primeiras pesquisas de Xamanismo, organizei um encontro, convidando vários médiuns e pessoas interessadas. Nesse dia, realizei uma espécie de mistura entre sessão mediúnica e ritual xamânico, com pleno êxito. O interessante é que no desenvolvimento do processo, quem assumiu espontaneamente a coordenação do processo foi um amigo, Sr. Francisco, com pouca experiência no contato com a espiritualidade. Ele costumava tocar seu tambor, aos domingos, num salão de festas e nesse encontro levou o seu, a meu pedido. Pois foi ele que deu o ritmo ao nosso encontro, onde muitos fenômenos aconteceram, provando a presença dos Irmãos Xamânicos. Um pouco antes do início desse encontro, canalizei esse poema, que eu guardo com muito carinho:

A vitória de SER
Serena a tua alma, caminhante
E leva até o teu peito e coração
Esta energia que brota de tuas entranhas,
Deste lugar profundo, às vezes inacessível

Estranhas esta força crepitante
Que queima docilmente teus pensamentos
É o cérebro de Deus que compartilha
E toma conta do teu Ser.

Estás, agora, sob a regência
Da música que é gerada, que surge
Do teu corpo e de tua alma
E que sai, volitiva, pelos ares

Ouça o som da tua alma
Sinta o ritmo do teu olhar
Toque as cordas de tuas virtudes
E absorva a harmonia de tua divindade

Tu és filho da Luz
Fonte do som-matriz
Que produz vida
Que organiza eventos

Descanse o archote
Deponha as armas
O guerreiro encerra o seu ciclo
Para entoar o hino da vitória
A vitória de SER.


E para quem entende que o Xamanismo possa ser uma crença muito nativa e fora de propósito, na atualidade, eu quero dizer que o Dr. Peter A. Levine, autor do livro "O Despertar do Tigre", um dos mais importantes estudos sobre trauma que eu li até hoje, cita com todo respeito a cerimônia xamânica de resgatar a alma das criaturas como um recurso muito importante na cura de pessoas traumatizadas.

E eu confesso que mesmo depois de ter lido toda literatura espírita sobre mediunidade, encontrei no Xamanismo muitas informações valiosas e adestrei com mais amplitude meus procedimentos como médium e como terapeuta. E sou grato, sempre, a todos aqueles amigos que entraram na reunião que eu dirigia, para me abrir novas e mais profundas oportunidades de realizar minha tarefa como médium e como facilitador holístico.

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 161

foto-autor
Sobre o Autor: Wilson Francisco   
Terapeuta Holístico. Desenvolve processo que faz a Leitura da Alma; Toque Quântico para dar qualidade à circulação e aos campos vibracionais; Purificação do Tronco Familiar e Cura de Antepassados para Resgatar, Atualizar e Realizar o Ser Divino que há em você. Agendar pelo WhatsApp 011 - 959224182 ou pelo email [email protected]
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa