auravide auravide

A Tristeza e a Nuvem

por Maria Cristina Tanajura

Publicado dia 15/8/2008 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Há dias em que acordo triste, sem que saiba o porquê. É uma sensação que incomoda, como se eu ficasse, de repente, pesada, percebendo a vida difícil - muito mais do que já é - e sempre buscava sair desta melancolia, fazendo alguma coisa: indo a um cinema, ligando para uma amiga, ouvindo música... hoje resolvi pensar corajosamente sobre o que seria realmente a tristeza, sem tentar fugir dela.

Veio-me imediatamente à mente a imagem de um dia nublado, de um céu muito cheio de nuvens cinzentas e carregadas... que impediam a passagem dos raios do Sol e compreendi, então, que a tristeza, como as nuvens escuras, precisa ser dissolvida, descarregada. Eu percebi que precisava deixar chover... que as emoções, de hoje, ou de um ontem perdido no tempo, que tinham sido trazidas para o presente, se amontoando e criando aquele mal estar, precisavam se transformar, finalmente. E me imaginei chovendo... num verdadeiro temporal. Embaixo de uma chuva torrencial, me deixando molhar, inteira, sem reservas, pelo tempo que pude e fui me apaziguando, me encontrando com minha força, com meu Eu central e, enfim, melhorei. Foi uma grande lição que aprendi e estou partilhando com vocês. A de que não passamos sem a tristeza, pois ela é um estado de inconformidade, resultante das frustrações, mágoas, que guardamos em nós e que vão se avolumando, chegando a um clímax, quando passam a doer e, por nos incomodar, podem ser analisadas, olhadas, para ser transformadas... se ousarmos encará-las.

A limpeza da atmosfera, após uma tempestade, é facilmente sentida por todos. O mesmo pode acontecer interiormente, quando nos dispomos a deixar chover... deixar acontecer e se mostrar, verdadeiramente, o que está incomodando dentro de nossa alma e aí... aceitando com naturalidade a importância do momento, podemos esvaziar o nosso ser de todo este incômodo, resultante de um acúmulo de sentimentos de não aceitação que se amontoaram, no corre-corre da vida mal digerida que levamos, mas que podem e devem ser transformados, para dar lugar a um clima interior mais ameno, mais positivo e mais harmonioso, onde a esperança, como uma estrelinha verde, poderá voltar a brilhar.

Que as águas rolem - nos rios, nas praias, das fontes, dos céus para a terra, de nosso olhos, limpando todas as impurezas que fazem parte da vida, mas que precisam ser afastadas para que a Luz possa brilhar, iluminando as consciências e festejando a Vida!

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 188

foto-autor
Sobre o Autor: Maria Cristina Tanajura   
Socióloga, terapeuta transpessoal.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa