auravide auravide

ATÉ QUANDO IZILDINHA?


Facebook   E-mail   Whatsapp

Izildinha costurava um par de meias pensando em sua vida. Afinal, por que estava ali sentada remendando algo que poderia ser comprado?
Mas logo veio a mente que é melhor consertar o que se tem do que comprar novo.
Então, até quando ela teria que remendar um amor que já havia acabado?

Sabia que amor não se compra em lojas. Porém, não era aquela vida que queria.
Por que consertar meias? Lavar, passar, cuidar da casa, fazer comida, cuidar dos filhos e ainda fazer sexo com o companheiro quando não estava disposta?

"Questão de escolhas", raciocinou.

Na vida, não devemos agir por impulsos. Acaba tudo errado.
Seu casamento foi, em verdade, uma obrigação pelo fato de estar grávida. Com isto seus sonhos e anseios foram como água pelo ralo da vida.
De repente, observou que não estava mais costurando e, sim, pensando.

Pensou que ao invés de estar usufruindo um momento de paz, calma e descanso; estavam ali se atormentando com pensamentos cruéis.
Logo os filhos chegariam da escola. Teria que preparar a janta, para uma família faminta, e depois limpar tudo. Aí se daria ao luxo de tomar uma ducha. Embora seu companheiro ficasse berrando para economizar energia.
Há quanto tempo não ia se divertir. Passear, ir a um shopping.

Seus cabelos, longos e bonitos, foram cortados por falta de tempo de cuidar. Unhas sem esmalte. Baton e pinturas , nem pensar. Seu único perfume era o desodorante.
E suas roupas. O exemplo das meias, sempre remendando.

De súbito, Izildinha se deu conta de que aquele pensamento inicial, que e melhor consertar do que comprar novo tomou força, mas de forma contraditória.
Levantou-se, foi até a cozinha, olhou as panelas e tudo mais. Ato contínuo, foi até o banheiro. Tomou o banho mais longo de sua vida como quisesse tirar todo o ranço de uma existência.

No seu quarto, olhou o guarda-roupas e escolheu o seu melhor vestido, sem muitas opções. Fez um penteado e observou, no espelho, como ainda era bonita.
Na caixinha, onde guardava algumas economias, pegou tudo e se mandou para o shopping.
Lá chegando, comprou roupa, sapato, perfume, cosmético e ainda foi tomar um delicioso lanche.
Finalmente, estava feliz. Realizando o que queria.

Mas algo lhe chamou a atenção.

“Acorda mulher. Pára de sonhar acordada. Cadê a janta e nem banho deu nos meninos”.
Ate quando, Izildinha?

Texto revisado


Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 10


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Alberto Carlos Gomes Lomba   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa