auravide auravide

Calma Interior

por Tania Paupitz

Publicado dia 23/7/2008 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Todo homem traz dentro de seu interior a semente que fará germinar, em terra fértil, o seu mundo espiritual. É somente através dele próprio que poderá ocorrer esse despertamento, caso contrário, suas faculdades superiores também permanecerão adormecidas.

A auto-observação é um dos primeiros passos para realmente experimentarmos os benefícios da calma interior. Quando aquietamos nossa mente, que está constantemente nos desafiando a pensar sobre mil coisas ao mesmo tempo, conseguimos de fato relaxar e sentir essa calma no nosso coração. É como se tivéssemos a capacidade de nos transportar para um outro lugar, fora do mundo físico, pois experimentamos uma doce leveza, uma sensação inebriante de tranqüilidade, onde tudo é silêncio e paz.

A calma é a essência da meditação e o antídoto do medo. Saímos do estado de medo quando aprendemos a serenar nossa mente e, uma vez serenos, acabamos conhecendo a verdade, que segundo as palavras de Jesus: “Conhecereis a verdade e ela vos libertará”.

Em Isaías, lemos o seguinte: “Pelo arrependimento e o repouso sereis salvos; na quietude e confiança reside vossa força. Até quando vos dominará a tribulação? Recuai”... “Descansai, ficai serenos”. É na quietude e na calma interior que começamos a perceber a grande verdade da vida e a realizar o que Jesus nos ensinou – que existe uma presença espiritual em nossa vida passível de conhecimento direto quando focalizamos o coração e nos abrimos para o influxo amoroso, que a vida está sempre a nos oferecer.

Essa calma, realizada através desses momentos de recolhimento, terá um efeito especial na nossa vida cotidiana, onde aprenderemos através de nós mesmos, a não nos deixarmos perturbar, por quaisquer incidentes. Com tempo e dedicação, devemos procurar investir cada vez mais no nosso processo de autoconhecimento, buscando essa quietude interior, com o objetivo de serenar nossa mente. De início, poderemos nos surpreender com as sutis modificações que irão ocorrer, principalmente, no nosso modo de ser e agir.

Muitos, com certeza, já passaram pela experiência de rever o seu passado, procurando observar dentro dele, os progressos, a evolução, aquilo que conquistamos num determinado espaço de tempo. Essa auto-observação propicia uma enorme satisfação íntima, pois, é através dessa releitura que podemos enxergar o nosso progresso, tudo o que conquistamos através do nosso esforço e dedicação, no decorrer da nossa trajetória de vida.

Dentro desse processo, uma coisa a observar é que inúmeras coisas que antes nos irritavam ou incomodavam, já não têm mais o poder sobre nós. Já não somos mais controlados por nossos pensamentos infundados e confusos, gerados através do nosso ego, que está sempre em busca de satisfação. Na verdade, logo percebemos que o ego não é sempre um aspecto defensivo e egoísta da consciência. Ele muitas vezes perde o domínio sobre nós quando uma irrupção abrupta de percepção intuitiva ocorre e a experiência se revela positiva, não negativa.

O verdadeiro sentido da vida espiritual, o homem experimenta quando abre de fato, o seu coração ao amor e à sabedoria. Quando estamos abertos para a vida, ficamos mais vulneráveis e, portanto, em posição de submissão e plena confiança de que tudo irá fluir positivamente. As defesas do ego caem por terra, quando acatamos a experiência do fluxo de um poder maior, de uma fonte de amor e criação que passa, então, a jorrar para nossa vida.

À medida que vamos evoluindo, vai surgindo dentro de nós, um novo conceito com relação à nossa maneira de visualizar nossa vida interna. É como um mergulho interior, onde se vai, pouco a pouco, resgatando aquilo que de fato somos dentro da nossa verdadeira essência espiritual. Em vez de pensarmos sobre a realidade ou recebermos informações sobre o que é real, devemos olhar diretamente para a experiência concreta e aprender o que é verdadeiro por nós mesmos. Contemple diretamente o que é verdadeiro e observe o seu coração, seguindo e deixando a sua própria natureza fluir.
A vida só é real quando você é. E você só é real quando está desperto para a sua própria presença interior.

Texto revisado

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 12

foto-autor
Sobre o Autor: Tania Paupitz   
Tânia Paupitz é Artista Plástica e Professora de Artes, há 30 anos, sendo sua marca registrada as cores fortes e vibrantes, influência dos estudos de vários artistas Impressionistas como Pissarro e Van Gogh. Cursos de Pintura para Pintura em Óleo ou acrílica sobre tela -iniciantes ou não. www.taniapaupitz.com.br wathsapp - 48 999723446
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa