Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Como aprendemos a valorizar o sofrimento

por Andre Lima
Como aprendemos a valorizar o sofrimento

Publicado dia 26/1/2012 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Recentemente, escrevi um artigo falando sobre a diferença entre sentir pena e sentir compaixão e uma leitora me enviou um texto do psicanalista Rubem Alves, por e-mail, sobre o tema. Vou colocar alguns trechos a seguir:

"...A Camila estava na sala da televisão sozinha, chorando. Fui conversar com ela para saber o que estava acontecendo. E foi isso que ela me disse: "Vovô, quando eu vejo uma pessoa sofrendo eu sofro também. O meu coração fica junto ao coração dela..."

...Percebi que o coração da Camila conhecia aquilo que se chama "compaixão". Compaixão, no seu sentido etimológico, quer dizer "sofrer com". Não estou sofrendo. Mas vejo uma pessoa sofrer. Aí eu sofro com ela. Ponho o outro dentro de mim. Esse é o sentido do amor: ter o outro dentro da gente... A compaixão é uma maneira de sentir. É dela que brota a ética... Se tenho compaixão nada de mal poderei fazer a quem quer que seja.

...A falta de compaixão é uma perturbação do olhar. Olhamos, vemos, mas a coisa que vemos fica fora de nós. Vejo os velhos e posso até mesmo escrever uma tese sobre eles, se eu for um professor universitário. Mas a tristeza do velho é só dele, não entra dentro de mim. Durmo bem. Nossas florestas vão aos poucos se transformando em desertos, mas isso não me faz sofrer. Não as sinto como uma ferida na minha carne. Vejo as crianças mendigando nos semáforos mas não me sinto uma criança mendigando num semáforo. Vejo os meus alunos nas salas de aulas, mas meu dever de professor é dar o programa e não sentir o que os meus alunos estão sentindo".


Talvez no dicionário, pena e compaixão sejam sinônimos. Mas em um sentido espiritual mais profundo, sentir compaixão é algo que vai além do sofrimento, e é bem diferente da pena. 

Esse texto, na minha visão, fala sobre o sentimento de pena como se fosse compaixão. E revela a crença de que só fazemos algo pelo outro em sofrimento ou somente respeitamos o outro (ou a natureza) se também sofremos junto. Caso contrário, seremos insensíveis e não faremos nada. Resumindo, só é possível ser bom de verdade se sofremos junto com os outros.

Passamos, então, a valorizar o sofrimento pois queremos ser vistos por nós mesmos e pelos outros como pessoas de bom coração, e não como pessoas insensíveis. Isso acaba sendo muito sabotador e terminaremos inconscientemente gerando sofrimento para nossas vidas de forma desnecessária.

Será que é possível não sofrer junto com o outro e ainda assim ajudar e não ser insensível? É claro que sim.

A insensibilidade é uma capa de proteção que as pessoas usam para não ter que lidar com os sentimentos incômodos de pena, culpa e tristeza ao ver o outro sofrer. Assim, as pessoas começam a ficar frias para não sofrer junto com os outros. Quem sente compaixão, não precisa da capa da insensibilidade pois já está em paz. Ficar em paz é bem diferente de ser insensível. O insensível é frio, às vezes é grosseiro e arrogante e talvez não faça nada para ajudar o próximo.

A pessoa que está no estado da compaixão reconhece o sofrimento do outro, tem um olhar amoroso, mas não sofre junto. E se estiver a seu alcance, fará o que for possível para ajudar e,  caso não seja possível, ficará em paz compreendendo profundamente que o sofrimento é uma parte do aprendizado de cada um.

Imagine um médico que, na emergência de um hospital, recebe uma criança como paciente, acidentada em estado grave, que vem sendo trazida pelos seus pais em desespero. O ideal é que ele mantenha a serenidade para que possa ajudar a criança da melhor forma possível. Nesse estado de serenidade, ele pode ser ao mesmo tempo atencioso com a família e enérgico para tomar as providências que tem que ser tomadas. Quanto mais em paz ele se mantiver, melhor. Imagine se ele começar a sofrer junto com os pais dessa criança! Provavelmente, não terá condições de prestar um bom atendimento. Sua saúde será afetada. E ele acabará também levando tristeza para casa, causando sofrimento para a sua família.

Ao ficar em paz, esse médico pode ao mesmo tempo manter um olhar amoroso sobre essa família. A junção desses dois sentimentos é o que define a compaixão com maior propriedade no sentido mais profundo da palavra: ficar em paz ao ver o sofrimento de alguém e ao mesmo tempo que se mantém um olhar amoroso.

Muitos médicos, por não conseguirem lidar com seu próprio sofrimento ao ver o sofrimento do outro, acabam por adotar uma armadura de insensibilidade e alguns tratam mal seus pacientes e familiares dos mesmos. Podem parecer frios, arrogantes, distantes, mas, na verdade, é um mecanismo de defesa para não entrar em contato com a tristeza, pena, impotência. Essa capa esconde uma grande fragilidade.

Compreendi melhor sobre a compaixão, quando comecei a atender pessoas com *EFT (técnica para autolimpeza emocional, baixe o manual gratuito aqui). Chegam os mais diversos tipos de problemas emocionais, muitos deles bem intensos. Durante os atendimentos, fico o mais em paz possível, pois sei que posso ajudar profundamente. E, assim, fica mais fácil conduzir um bom trabalho e trazer bastante alívio para quem está sendo atendido.

A maioria dos alunos que assiste aos atendimentos que realizo nos cursos consegue entender que esse é o estado ideal. Mas já ouvi alguns alunos questionarem, como se cobrassem uma reação emocional minha de sofrimento. Como se estivessem me julgando como uma pessoa fria e insensível. Nesses casos, dou o exemplo do médico que precisa ficar em paz para atender bem, e normalmente o aluno entende. Imagine se a cada atendimento, eu fosse sofrer junto com o aluno? Seria difícil atender bem, e logo eu ficaria doente.

A valorização e enaltecimento do sofrimento está presente de diversas formas na nossa cultura. É preciso ficar bem atento para não nos deixarmos envolver por essa armadilha. Cada vez que entramos em sofrimento, ajudamos a fortalecer a nuvem invisível de negatividade do inconsciente coletivo e geramos mais dor para o mundo. Quanto mais felizes e em paz, mais deixaremos de contribuir com o sofrimento coletivo e ajudaremos a criar mais felicidade.

André Lima

*EFT - Emotional Freedom Techniques - Técnica que ensina a desbloquear a energia estagnada nos meridianos, de forma fácil, rápida e extremamente eficaz, proporcionando a cura para questões físicas e emocionais. Você mesmo pode se autoaplicar o método. Para receber manual gratuito da técnica e já começar a se beneficiar, acesse este link

Texto revisado
 


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 91

Sobre o Autor: Andre Lima   
André Lima é engenheiro e trabalha exclusivamente com autoconhecimento desde 2006. Vem divulgando e esinando em palestras e cursos presenciais e online sobre a EFT - Emotional Freedom Techniques, uma técnica revolucionária, simples e eficaz, para limpeza e cura de todos os tipos de emoções, pensamentos e crenças limitantes.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.





horoscopo


auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa