auravide auravide

Escolhas e Poder Pessoal


Facebook   E-mail   Whatsapp

"O ser humano não é completamente condicionado e definido. Ele define a si próprio seja cedendo às circunstâncias, seja se insurgindo diante delas.Em outras palavras, o ser humano é, essencialmente, dotado do livre arbítrio. Ele não existe simplesmente, mas sempre decide como será sua existência, o que ele se tornará no momento seguinte". Viktor Frankl

Cada um de nós reage de forma única e particular aos acontecimentos da vida. Escolhemos, consciente ou inconscientemente nossa reação frente às experiências pelas quais passamos. Fatalmente, teremos que fazer escolhas ao longo de nossa existência. Sim, é certo que algumas ou mesmo muitas vezes, somos forçados por alguém ou pelas circunstâncias, a agir desta ou daquela maneira, mas isto não nos tira, absolutamente, o poder de escolha. Esta escolha diz respeito à forma como eu escolho lidar com a situação, intimamente.
O doutor Viktor Frankl, psiquiatra, esteve no campo de concentração na segunda guerra mundial.
Sabemos que naqueles campos, os seres humanos eram tratados de forma totalmente desumana, sendo submetidos à fome, humilhação, medo. Enquanto esteve lá, ele observava as pessoas e percebeu que algumas lutavam para sobreviver e outras não. Ali, ele pôde perceber a capacidade do ser humano de "escolher a atitude pessoal que se assume diante de determinado conjunto de circunstâncias".

A diferença entre as pessoas que sobreviviam e as outras era que as primeiras possuíam um brilho especial no olhar. Este brilho no olhar é a exteriorização da atitude mental, ou da representação interna daquela pessoa, do seu estado interno. Diz o Dr. Frankl: "Em última análise, torna-se claro que o tipo de pessoa em que o prisioneiro se transformava era o resultado de uma decisão interior, e não o resultado só das influências do campo de concentração. Portanto, fundamentalmente, qualquer ser humano, mesmo sob tais circunstâncias, pode decidir o que vai ser dele - mentalmente e espiritualmente".
Esta passagem tão marcante e aterradora da história da humanidade, um momento de extremo sofrimento para muitos seres humanos, foi estudado pelo Dr. Frankl e através deste trabalho, podemos concluir que cada um de nós, escolhe, de alguma forma, consciente ou inconscientemente, como vai reagir ao que lhe acontece.
A noção de escolha nasce da percepção e reconhecimento de nossos desejos. Por exemplo, se é fim de semana, está fazendo um lindo dia de sol e eu preciso trabalhar, posso desejar estar em uma praia, brisa fresca, bebida gelada, gente bonita, companhia agradável... ok. Se tenho consciência de meu desejo, olho para ele, analiso e decido de forma consciente ir trabalhar, será pouco provável que eu culpe meu chefe por este dia de trabalho.
Ao contrário, se eu não estiver com a consciência da minha escolha, vai parecer que eu não realizo meus desejos por causa de outrem, e isto significa que é este outro que está com o poder sobre os meus desejos.

Posso ilustrar isto com um trecho do livro de John Powell, S.J, onde ele cita uma passagem onde o colunista Sydney Harris conta uma estória em que acompanhava um amigo à banca de jornais. O amigo cumprimentou o jornaleiro amavelmente, mas como retorno recebeu um tratamento rude e grosseiro. Pegando o jornal que foi atirado em sua direção, o amigo de Harris sorriu polidamente e desejou um bom fim de semana ao jornaleiro.

Quando os dois amigos desciam pela rua, o colunista perguntou:

- Ele sempre te trata com tanta grosseria?
- Sim, infelizmente é sempre assim...
- E você é sempre tão polido e amigável com ele?
- Sim, sou.
- Por que você é tão educado, já que ele é tão inamistoso com você?
- Porque não quero que ele decida como eu devo agir.

É disto que estamos falando, de decidir o que queremos e fazer aquilo que desejamos, isso é possível, sempre. Assim, ficamos menos sujeitos a uma postura de vítimas perante a vida e as pessoas.
Todo comportamento começa com um pensamento. Eu posso escolher, conscientemente, os meus pensamentos, portanto, posso escolher as minhas atitudes e comportamentos.
Posso, por exemplo, escolher em que quero prestar atenção, cada manhã, quando eu acordo.
Se ao acordar, percebo que está chovendo, que tipos de pensamentos acorrem à minha mente?
Hoje vai ser um dia difícil? Gostaria de poder ficar mais na cama e não posso, por isso, estou muito infeliz?
Estávamos mesmo precisando de chuva, que bom!? Esta chuva vai ajudar a encher os rios?
O que mais? Justo hoje que tenho que sair está chovendo? Estão me castigando?
Da mesma forma, quando acordo e o sol está brilhando, o que eu penso?
Sempre, invariavelmente, podemos escolher a qualidade de nossos pensamentos.
Se não páro, conscientemente para perceber meus pensamentos, como é que eu posso escolher o que penso?

Para podermos mudar algo, é necessário, primeiramente, perceber o que aconteceria se você fizesse diferente.
Imagine como seria? O que o impediu de fazer diferente? O ambiente lá fora, o outro, os seus medos, a chuva, sua mãe, seu filho...

De alguma forma, você escolheu fazer de certo jeito, que com certeza foi sua melhor escolha naquele momento.
É importante perceber que escolhemos sempre, mesmo quando decidimos não fazer nada a respeito de algo, estamos escolhendo. Se eu escolho não escolher nada, ainda assim é uma escolha.
Quem assume suas escolhas assume o seu poder pessoal; assumir o Poder Pessoal significa assumir responsabilidade por sua vida, suas escolhas, suas atitudes...
"Liberdade significa responsabilidade. Esse é o motivo pelo qual muita gente a teme".

Estas palavras de George Bernard Shaw ilustram muito bem porque, muitas vezes, torna-se mais fácil e confortável atribuir ao outro ou às circunstâncias a responsabilidade pelos nossos medos, fraquezas, dúvidas, atitudes e comportamentos...
"Não importa o que fizeram de mim. O que importa é o que eu faço com o que fizeram de mim". Jean Paul Sartre, com esta frase, parece que nos chama a assumir nossas escolhas trazendo o poder para nós.
Acredito que estamos sempre escolhendo e destas escolhas surgem os resultados. Ao olhar para os resultados, se eles não o agradarem, faça diferente. Existe um pressuposto da PNL que diz: se o que você está fazendo não está funcionando, faça outra coisa. Faça qualquer coisa diferente.
Quando você estiver se sentindo injustiçado, quando a carga e os problemas parecerem pesados demais, ao invés de perguntar por que está acontecendo com você, volte-se para dentro de você, ali, no recôndito de seu ser, onde se encontra a sua força, o seu poder pessoal e pergunte-se o que você pode fazer em relação àquela situação, o que você tem a aprender, como tirar proveito do que lhe acontece. Repare que assim você estará criando o hábito de entrar em contato com seu poder pessoal, escolhendo como reagir aos fatos. Lembre-se, nós fazemos sempre o melhor que podemos.
Seja mestre de sua própria vida!

Artigo baseado em capítulo do livro Você nasceu para Vencer, de autoria de Mirtes Carneiro.

Texto revisado

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 14


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Mirtes Carneiro   
Mirtes Carneiro CRP06/111130 Psicóloga e Psicanalista Rua Caetés, 646 - Perdizes - SP Tel: (11) 3865-0531 www.mirtescarneiro.com.br
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa