auravide auravide

Karma com filhos?

por Maria Silvia Orlovas

Publicado dia 15/8/2008 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Sempre que recebo um cliente explico que as pessoas que são próximas têm uma ligação kármica conosco. Lembro que dizer que algo é kármico não significa que seja ruim ou complicado, mas que existe uma ligação mais profunda. Infelizmente, as pessoas já associaram karma a sofrimento. Então, pensar em karma com filhos sempre nos leva a analisar situações de estresse e dor. Mas é claro que nem sempre a vida é assim e que muitas coisas boas estão também relacionadas com a experiência da paternidade.

Explico sempre também que estamos unidos às pessoas pelo laço da dor ou do amor e que muitas vezes, apesar dos extremos opostos, a energia é a mesma. Amamos tanto nossos filhos que exigimos muito deles também e, ao sermos contrariados por sua conduta, escolhas ou comportamento, imediatamente essa situação nos causa aborrecimento e perplexidade, quando os fatos se complicam... E se estamos num estágio da vida onde as provações são grandes problemas que se somam a outros, tudo fica pior, mais feio, doido e mais complicado.
Acho que não há pai ou mãe que não tenha se sentido sem rumo, sem ação e meio perdido na educação de um filho. No convívio social, todos sabem o que é bom e o que não é, mas na prática nem sempre alcançamos os resultados necessários na orientação dos nossos filhos. O que nos traz inúmeras frustrações e sentimento de culpa... Isso sem pensar em raiva, desejo de sumir, de não ter que lidar com a dificuldade...

Olhamos para fora e muitas vezes deixamos de olhar para dentro nessa mesma situação de estresse que é educar um filho num mundo que deseduca constantemente. Nós e nossos filhos somos assolados pela mídia que com mil ofertas mostra que aquilo que temos ou que somos nunca é suficiente. E se não bastassem as carências ainda não dispomos de tempo de convívio feliz em família porque trabalhamos demais para sustentar o padrão de vida que podemos, ou devemos oferecer à nossa família...
Adultos sozinhos na dor, crianças mal-educadas, adolescentes sem rumo... O que fazer para mudar esse quadro?

Será que tudo aquilo que nos contraria é karma?
Será que podemos cobrar do outro, no caso nosso filho, comportamentos que nós mesmos não conseguimos ter?

Você que está lendo pode estar pensando que não agia com seus pais assim como seus filhos fazem com você. Mas isso não é tão simples assim, afinal o mundo mudou, as coisas mudaram, os apelos e informações são completamente diferentes das de dez anos atrás... o que significa que a forma de se conduzir a vida também mudou e que você precisa aceitar essa mudança ao procurar a sua forma de lidar com a vida e com os filhos.

Recebi Rodolfo para uma sessão de Vidas Passadas justamente querendo saber quem foi seu filho na sua história... Claro que seu desejo se baseava numa dor e num anseio de entender o filho e minimizar os conflitos existentes entre os dois.
A sessão mostrou um grande conflito entre irmãos com a cobiça de possuir as terras do pai recém falecido. Ele, percebendo que a briga iria acabar mal, sai de casa e abandona a família, nunca mais procurando saber dos irmãos. Vontade que ele tinha ainda ao enfrentar hoje a situação complicada com seu filho adolescente.

Neste dia, conversamos muito quanto a assumir responsabilidades sobre aquilo que Deus nos confiou, mas sem esquecer que todos somos filhos de Deus também.... Estamos como pais, irmãos, marido e mulher, mas somos todos filhos de um “Pai”. Isso significa que temos muito que aprender em nossos relacionamentos, porque nada acontece ao acaso. As pessoas que se encontram em nosso caminho aí estão para nos ensinar e trocar energias.
Nada mais forte que um laço entre pais e filhos para quebrar nosso ego e naturalmente nos abrir ao aprendizado profundo que a vida nos sugere. Quando nosso filho exige de nós uma ação mais efetiva, somos obrigados a crescer e procurar alternativas. Somos assim instados a ver a vida sob outros ângulos... Crescemos, sofremos, amamos, vemos nossos conflitos e deixamos definitivamente de achar que temos o domínio sobre as coisas.
Nossos filhos são o nosso telhado de vidro, mostrando todos os dias para nós o quanto somos humanos, falíveis e, ao mesmo tempo, poderosos e bons.
Se você gostou do tema e deseja saber de outras histórias e abordagens sobre o assunto entre em contato com a autora.
Maria Silvia Orlovas é terapeuta de Vidas Passadas e estudiosa dos relacionamentos humanos numa ótica espiritual. Para ela nem tudo é exatamente o que parece porque muitas explicações estão escondidas no aprendizado espiritual e nas lições de Vidas Passadas...

Confira os ensinamentos e meditações curativas que Maria Silvia ensina participando de um dos seus grupos.
Venha participar do seu Grupo de Meditação Dinâmica que acontece todas as quartas feiras no seu espaço em São Paulo. Venha ouvir pessoalmente as canalizações.

Texto revisado por: Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 566

foto-autor
Sobre o Autor: Maria Silvia Orlovas   
Maria Silvia Orlovas é uma forte sensitiva que possui um dom muito especial de ver as vidas passadas das pessoas à sua volta e receber orientações dos seus mentores.
Me acompanhe no Twitter e Visite meu blog
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa