auravide auravide

Lágrima Silenciosa

por Tania Paupitz

Publicado dia 18/4/2008 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Quantas lágrimas somos capazes de derramar uma vida inteira, pelos mais variados motivos? Falar sobre o significado de uma lágrima é quase impossível, pois não temos no nosso vocabulário palavras suficientes para defini-la na sua mais pura essência. Li em algum lugar uma definição bastante espontânea que me chamou atenção por sua simplicidade: “Lágrima é o sumo que sai pelos olhos, quando se espreme um coração”.

Ela pode ter vários significados e para cada pessoa funciona de maneira única e especial. Pode surgir do reencontro com a pessoa amada, ou com a despedida de sua partida... Pode aparecer devido à dor da perda de um ente querido ou, ao sofrimento alheio que nos comove a cada momento em que ligamos a televisão de nossa casa, com notícias trágicas e tristes...

Assistir um filme ou ler um livro emocionante, ouvir uma música que nos traga recordação de alguém ou alguma situação maravilhosa, apreciar a beleza da natureza, sentir a presença de Deus nas coisas mais simples e singelas, como o desabrochar de uma rosa. São tantos os exemplos e motivos que nos levam a derramar uma ou várias lagrimas, que é importante lembrar dos benefícios que esse simples gesto pode fazer de diferença em nossa vida.

Acredito que a lágrima mais vivenciada na sua mais pura essência é aquela que vem da alma, do fundo do nosso ser, principalmente quando experimentamos alguma coisa ligada ao nosso lado divino/espiritual ou ao amor incondicional que todos, com certeza, em algum momento de suas vidas já experimentaram.

O próprio sentimento de gratidão que habita dentro de cada um de nós, o amor que sentimos pela vida, pela natureza, por todo o Universo do qual fazemos parte e estamos constantemente interagindo, somente isso, já seria um bom motivo para aquela lágrima silenciosa cair de maneira fortuita, grata e presente.

Chorar é positivo e deve fazer parte da uma vida saudável, desde que dentro dos limites normais, é claro. O ato de chorar não deixa de ser uma forma de entrega e quem chora com facilidade está sempre em contato com sua emoção, o que na maioria das vezes, é muito salutar, pois consegue dessa forma desanuviar e esvaziar aquilo que está sentindo no momento.

Segundo uma pesquisa realizada por cientistas, quando choramos liberamos substâncias químicas que provocam uma sensação de alívio quase que imediato. Esse efeito, na maioria das vezes, é ocasionado por reações emocionais. As lágrimas geralmente são de ordem emotiva e agem como removedoras dos elementos que geram o estresse.

É normal a gente ouvir a frase: “homem que é homem não chora” e, no caso dos homens, colabora ainda a educação machista. Porém, quando eles ficam mais velhos é comum esse “ditado popular” cair por terra, pois acabam ficando mais emotivos e por isso, qualquer coisa é motivo para se emocionarem, extravasando essa emoção através de uma lágrima mesmo que disfarçada ou escondida. Assim complementa a música de Frejat, “Homem Não Chora”, que diz assim: “homem não chora nem por dor, nem por amor... meu rosto vermelho e molhado é só dos olhos pra fora. Todo mundo sabe que homem não chora... Lágrimas são água que caem do meu queixo e secam sem tocar o chão...”

Outra música que fala da lágrima pertence ao grupo Exaltasamba que se chama “Choro de Alegria”... “Chora, chora que chorar faz bem, ainda mais se for um choro de alegria ao reencontrar alguém. Deixa a lágrima rolar, deixa o pranto derramar, que motivo sempre tem. Chora ao chegar ao mundo quem é que não chora. Parece que viemos aqui para chorar. O samba chora no toque das cordas de um cavaquinho, que chora para a gente sambar. Chora a natureza pródiga na chuva quando cai pra lavar as impurezas, são as lágrimas do Pai”.

Concluindo, li uma matéria publicada no “Jornal Saúde – Fonte CNN”, que comenta o seguinte: “Em algumas pessoas que cronificaram suas defesas, é possível que o choro se torne mais difícil. Alguns homens e mulheres precisam construir, ao longo da vida, defesas muito grandes para suas emoções e acabam reprimindo suas lágrimas.
Essas pessoas em geral possuem uma personalidade muito forte e resistente, como se nada pudesse atingi-las, mas em geral apresentam somatizações como pressão alta, úlcera e problemas renais. Para que consigam usufruir dos benefícios das lágrimas, pessoas que não choram precisam muitas vezes, de ajuda psicológica”.

De repente, descobrem que o choro faz parte de uma vida saudável, não devendo, portanto, ser visto como uma expressão de fraqueza ou fragilidade do ser humano, já que chorar também, faz parte da nossa vida. Na verdade, quanto mais assumirmos nossas fragilidades, mais conseguiremos nos enxergar de uma forma inteira, tornando-nos mais fortes e equilibrados.

Texto revisado

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 6

foto-autor
Sobre o Autor: Tania Paupitz   
Tânia Paupitz é Artista Plástica e Professora de Artes, há 30 anos, sendo sua marca registrada as cores fortes e vibrantes, influência dos estudos de vários artistas Impressionistas como Pissarro e Van Gogh. Cursos de Pintura para Pintura em Óleo ou acrílica sobre tela -iniciantes ou não. www.taniapaupitz.com.br wathsapp - 48 999723446
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Qual é a sua ambição?
artigo Porque estamos novamente falando da Era de Aquário?
artigo O Universo num Corpo Humano
artigo A noite escura, de são joão da cruz

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa