Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

O espírito de defesa

por Bernardino Nilton Nascimento
O espírito de defesa

Publicado dia 23/10/2009 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Quando vemos alguém ser maltratado ou quando nos deparamos com uma pessoa que está correndo risco de morte, somos tomados por um desejo instantâneo de ajudar, de socorrer.

Este movimento é quase que automático e inconsciente. Por natureza, todos nós temos este instinto.
É um impulso divino de grande sabedoria e prudência, socorrer quem precisa de ajuda. Se você não segue esse movimento, torna-se um ser humano das circunstâncias, um escravo do materialismo.

Falamos muito do direito de defesa, melhor seria falar do dever, porque o direito pode ser sacrificado e é muitas vezes mais generoso renunciarmos ao nosso rigoroso direito do que reivindicá-lo com excessiva aspereza. Ao passo que a ninguém é permitido sacrificar o seu dever. Mas até que ponto a defesa é urgente é inevitável?
Não é que tenhamos, em geral, necessidade de sermos levados a nos defender. Mas trata-se de saber qual a defesa em discussão e em que espírito deve ser levado a efeito. A intensidade do seu sentimento pessoal é extrema. Tudo aquilo que choca produz o efeito de um tiro nas gargantas das montanhas: o eco repercute cem vezes e o amplifica, até estourar como um trovão.

Ergue-se de pronto, mas observe! Ergue-se para a defesa? Não, foi antes para a vingança. Entre essas duas coisas não há relação alguma. A vingança contém elementos de baixa personalidade que vedam os olhos e ferem o coração.

O primeiro caráter da verdadeira defesa é a personalidade. Ela não é um sentimento em proveito de quem quer que seja, é uma ação de justiça e amor à vida.

Se você recebe uma injúria qualquer ou for vítima de uma calúnia, se você é agredido em sua moral, antes de tudo, você pensa em vingança. Isso não é aconselhável, porém, creio, também, que não devemos passar nenhuma esponja no mal feito. Mas, quando agredido, temos a obrigação de tomar medidas contra a ação hostil que se cometeu. Se você se vinga, aumenta a injustiça. Se você se deixa ferir impunemente, associa-se à impunidade e a encoraja. Encoraja não no tocante a você somente, o que seria do mal, o menor. Você vai deixar que o agressor faça uma brecha por onde fará o mal a outros.

Se negarmos o dever de defesa, a injustiça, a violência, tudo quanto for honesto e pacífico se tornarão uma presa fácil da maldade. Logo, é preciso defender a si mesmo e ao próximo. A questão não é saber que se trata dele ou de nós, mas sim que a justiça foi atingida e comprometida. Precisamos correr e sustentá-la. A defesa é sagrada. É por isso que considero corrompido o silêncio dos que se calam diante da verdade.

Entretanto, é necessário reconhecer que as armas mais fortes de que a humanidade jamais se serviu no combate contra o mal são a paciência, o perdão, a doçura e o amor. Elas fizeram mais do que vencer o adversário: ganharam-no, o que é mais difícil. E se admiramos os campeões corajosos que puseram a força ao serviço das causas justas, é preciso admirar ainda mais os que resistiram pelo altruísmo, pelo sofrimento mudo, pela repulsa de si mesmos. A eles cabe a vitória suprema, e só eles têm o direito de ensinar a justa defesa, porque a praticaram na mais sublime das formas. Creio que nos conservamos fiéis aos nossos espíritos, dizendo: "Em qualquer ocasião, lutar contra o mal é um dever absoluto".

Sobretudo, o que nunca se deverá esquecer é o espírito da defesa. Tudo está nisso. Assim como você pode ferir mais mortalmente com a palavra do que com uma bala, ou praticar um ato cruel sob aparência de doçura, também pode curar o mal antes de deixar que a violência domine você e todos que estão ao seu redor.

Permita-se insistir neste espírito de defesa. Temos muita necessidade de sermos conduzidos constantemente pelo amor. Não vejo, senão pessoas que exercem a vingança, e pouquíssimas as que compreendem a verdadeira defesa. A maioria, quando não se trata deles, não se move. Para perdoar seu medo, dizem alguns: Deus, a verdade e a justiça a ti pertencem, não têm necessidade de nós. Que erro grosseiro! A consequência seria a renúncia de toda atividade. Para que estaríamos aqui, se nada temos que fazer? Infelizmente, é por nós que vem o mal, e não há nenhuma esperança de que ele seja reparado e vencido, senão por nós mesmos.

Deus atua na humanidade pelas forças humanas, como na natureza, pelas forças naturais. Podemos dizer que nenhum ser humano é necessário, que os melhores podem vir a faltar sem que a obra cesse. Mas convém não exagerarmos dessa forma. Sob certo ponto de vista, é inteiramente justo e encorajador dizer que somos necessários. E, de fato, ficam muitas lacunas, lugares vazios, brechas terríveis, após o desaparecimento da verdadeira justiça. Não digamos, pois, nunca, que o bem virá por si mesmo e sem nós. Digamos ainda menos que o mal que se faz não diz respeito a nós, desde que ele não nos ataque diretamente em nossos corpos ou em nossos bens.
O mundo está cheio de pessoas denominadas boas que possuem esse raciocínio cômodo. É verdade que se eles são atingidos, por sua vez, são os que mais alto gritam por socorro.

Temos que fazer dos nossos dias, úteis, e encher os nossos corações de belos e grandes sentimentos, que nos ajudarão a vencer o mal que está em nós. Precisamos defender os fracos, os pobres e os ausentes.

Se não conhece aquele a quem atacam, manifeste que não aceita o que se diz contra ele, pois tudo pode ter sido uma grande mentira, e mesmo que não seja, ele terá o direito de se defender. Observe que em todas as sociedades, uma voz que defende um ausente, seja ela a de um pobre ou a de uma criança, tem grande força contra uma multidão de vozes acusadoras e contra o silêncio dos indiferentes.
Dentre os ausentes, os mais desarmados são aqueles que se ausentaram para sempre. É preciso defender os que partiram.

Devemos respeitar o ser humano até depois de sua partida. Temos que compreender que, não basta que uma pessoa morra para ser reduzida a nada. Vamos perceber que o melhor que possuímos nos vem dos que partiram, por alguma santa causa. Assim, é sua herança, é sua memória, seu amor, é seu espírito que nos penetra para nos avisar que temos o dever de amar a vida e ao próximo. Para o bem de todos foi que deram a própria vida, e no mistério em que entraram, esperam que outros recomecem o trabalho que eles deixaram inacabado.

Assim, passo a passo, a defesa da justiça nos conduz a irmos mais alto. É um caminho que sobe e, chegando ao topo, nos faz ver abrir uma clareira na vida, que não tem fim.

BNN 

Texto revisado



Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 184

Sobre o Autor: Bernardino Nilton Nascimento   
"Não seja um investigador de defeitos, seja um descobridor de virtudes"./ "Quando a ansiedade assume a frente, as soluções vão para o final da fila"./ "Quando os ventos do Universo resolve soprar a favor, até os erros dão certo". BNN
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.





horoscopo


auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa