auravide auravide

O que é família?

por Florencio Antonio Lopes

Publicado dia 23/9/2020 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Família é a união de pessoas que se querem, pelo menos assim que ela inicia, é aquela história que eu sempre falo: “Batam papo”. A moça quando vê o rapaz, diz: “É o pão que eu queria para o meu chá!” O rapaz quando vê a moça: “A lavadeira que eu queria ter em casa!” É tudo lindo. É tudo lindo.

“Eu vou até o fim do mundo com você, não faz mal passar fome, enfrento tudo”, (vocês casadas devem ter passado por isso já), depois passado algum tempo, aquele mesmo casal lindo, maravilhoso e romântico, quando a gente encontra-os, ele fala: “Aquela peste, aquele homem, deixa faltar tudo em casa”. Encontra-se com ele: “Aquela jararaca, não cuida da casa, não faz nada”. Isso eu estou acostumado escutar, desde nos meus estudos de Monge.

Por que a família?

Meu Deus, eu só vejo a família caindo!  Tem que fazer alguma coisa para a família e junto comigo.

Nos meus estudos, nós tínhamos um mês de aula por ano e quando se reuníamos só teoria, éramos em 60 numa classe, o meu orientador falava assim para mim: “Noviço Florêncio, família é muito pesado, quem pensou em família foram poucos dos que passaram e tiveram fins violentos” e eu respondia-lhe: “Tudo bem, se tiver guardado para mim um fim violento”.

Mas eu nunca entendi o significado do “fim violento” eu pensava que justamente Confúcio, Maomé, Buda, Jesus Cristo e Gandhi, tiveram todos um fim violento, eu pensava que era o final da vida deles como Jesus Cristo foi crucificado com coroa de espinho, aí que eu entendi, era a caminhada. Porque quando se fala em família, não é uma pessoa só que se vai trabalhar, são todos os componentes da família.

Ao lhe der a mão e passar a dirigir os seus passos vem a dependência, e a dependência nós não queremos porque o “Amor Entre os Povos” abraçou a família.

  Abraçou por causa minha, quando eu fechar esses lindos olhos para esse mundo, virá outro Mestre que é pela qualificação, irá lutar para chegar a Senhor-Mestre, ele vai ter um caminho, como os papas, um acha que a parede tem que ser de ouro e vem outro acha que tem que ser cravejada com brilhantes, o outro vem acha que devem fazer os desenhos dentro daquela peça de ouro, então atrás de nós virão outros.

Para ajudar a família, nós temos que encostar ao lado da pessoa, caminhar ao lado dela, ajuda-la, escutando-a e estamos só aprendendo e está ajudando-a porque ela começa a crescer. Ela mesmo resolve os seus dramas e eu que recebo o mérito.

É isso, é só se colocar ao lado. Um dia senhora me ligou  e  falou assim ao telefone:

- Estou com um revólver aqui comigo, estou me despedindo do senhor eu vou me dar um tiro no ouvido.

O que vocês fariam? Eu simplesmente perguntei:

- Por que no ouvido?

- Porque atinge a parte cerebral acaba de morrer mais rápido e dói menos.

- Quem te falou isso.

Bati um papo com ela sobre tiro no ouvido, quem escutava nós dois achava que eu estava brincando no telefone.

- Sr. Florêncio o senhor está brincando comigo?

- Não eu falei, eu nunca cheguei ao ponto de pegar um revólver para nada. Não, peguei sim, numa loja, o peguei na mão e foi só.

Continuei a conversar com ela, ela disse que não aguentava mais, eu perguntei por quê? Ela foi falando e terminou assim a conversa:

- Sr. Florêncio eu estou tirando o sono do senhor e o meu, acho que eu vou dormir e conversamos amanhã.

- Tudo bem, se quiser vai ao Templo na Rua São José e batemos um papo.

- Bom, qual o ... Sr. Florêncio eu liguei para o senhor para dizer que ia me matar, o revólver está aqui - falou mais conformada.

- Pegue o revólver e guarda, mas tira a bala porque nunca é bom deixar a arma carregada dentro de casa, uma batida qualquer em falso pode disparar a arma - respondi-lhe.

- É mesmo - ela concluiu.

Tenho muitos casos, outro esse aconteceu há anos, ela ligou pra mim na madrugada (Isso sempre acontece na madrugada).

- O veneno está aqui, eu vou tomar, só liguei para me despedir do senhor

Já assisti a esse filme, pensei, aí perguntei-lhe:

- Não tem jeito mesmo?

-Não tem - ela falou.

-Olha Deus pôs a gente aqui é para gente sofrer, não é, e continuei a conversar.

É só colocar a pessoa a falar, aí põe para fora e no dia seguinte e manhã me ligou novamente.

- Eu joguei o veneno fora, e os dois cachorros do meu marido lamberam e morreram, e o que faço agora? Ele adora esses cachorros, vou falar pra ele que eu quis me envenenar?

- Fica quieta, eu vou até aí.

Cheguei lá estava um velório por causa dos cachorros e cheguei até ela e lhe falei:

- Você já pensou se fosse você?

- Nossa, é isso que eu estava pensando.

- Está vendo, não ia adiantar nada - conclui.

A parte família vai resolver quando o papai é um bebum, se ponha do lado dele, em vez de ficar discutindo com ele.

Como a mãe para o filho: “É você que vai resolver” não é assim que se fala, diz: “nós vamos juntos resolver”.

Isso é família é estar ali junto. Não ficar falando “Você não devia ter feito isso”, “A senhora é culpada” – “Chantagista...” Agindo assim não vai levar a nada, leva para o ódio e para a mágoa.

Nós temos que resolver os problemas que criamos e quando queremos resolver os nossos, desabafa para uma pessoa e não procura que ela lhe dê soluções o caminho e o mapa, desabafa simplesmente, todos deverão preparados para achar o caminho de cada um, para isso tenha uma religião.

Isso é família, é participação. Eu conhecia uma pessoa, era uma pessoa que quando chegava em casa, simplesmente dizia assim: “leiteiro, padeiro”, com o leite e o pão na mão, que estava na porta que o padeiro e o leiteiro tinham deixado (antigamente era assim) a esposa recebia-o:

- Oi bem. Oi querido!

Pegava da mão dele, pedia para ele tomar banho, preparava o café e punha a mesa. Ele fez isso um ano, fez dois anos e no terceiro ano ele se sentiu ridículo e começo a chegar às 19h em casa esperando que a esposa chegasse pra ele e dizia: “Meu bem, você não vai sair”?

Ela nada era a mesma coisa de que sempre ele fizesse isso, foram um casal feliz, hoje ele está desencarnado.

Agora vem a minha máscara é que ela sempre pertenceu ao Amor Entre os Povos, hoje ele desencarnou, era bem mais idoso que ela, tinha ciúmes doido dela, eram quatro anos de diferença de idade e ela soube controlar os ciúmes dele, não tinha discussão.

Você não, eu garanto que você quebraria a casa toda. Isso não é ter paciência, talvez você não seja uma pessoa religiosa. Por que não vamos aceitar a pessoa que chega todos os dias às 6h da manhã, tem os que não chegam às 6 da manhã mas faz coisas piores do que isso. São dramas.

O homem tem que aprender a ser homem e a mulher tem que aprender a ser mulher porque foi colocado dois sexos, senão tinha um só, não é fato!

Um tem que entender que não somos dois. Ainda não temos a capacidade para isso, o casal tem que ser um, porque um depende do outro – isso é família.

Fique ao lado, pra que discutir que o dinheiro não deu. Vamos sentar, vamos refazer o orçamento, vamos ver onde o gasto foi maior, vamos diminuir para que o dinheiro dê o mês inteiro.

Se eu receber o pagamento do salário eu gasto todo ele e amanhã? Eu vou passar vinte e nove dias do mês sem dinheiro! Mas se eu fizer orçamento logicamente, eu não vou comer dois dias maravilhosamente bem, depois eu vou passar vontade em comer o resto do mês.

Família é união, um é complemento do outro e tem que ter o oposto, um tem que ser calmo e o outro pavio curto, é para dar certo. Se for os dois santinhos não realizam nada, se os dois são estopim, o quarteirão todo fica sabendo. São essas pessoas que quando chegam falam: “Tenho uma jararaca em casa” e ela: “Eu tenho um demônio em casa”.

Toda pessoa estabanada é mãezona.

Agora sempre tem que ter um “bico”, porque o amor permite alguma rusga, não é só gentilezas na vida,

Se uma pessoa ficou cinco anos sem falar e começa falar de repente, transfere os seus compromissos porque alguma coisa está acontecendo e outra em seguida virá acontecer, então são coisas importantes que acontecem e nós temos que olhar bem essas histórias, da importância da família, no qual o Amor Entre os Povos cuida demais, olha com muito carinho porque família é um ponto maravilhoso que devemos cuidar – Família.

Quando você tiver alguma desavença como casal, nunca se coloque numa posição de gladiador, coloque ao lado pelo menos sinta o drama da (o) parceira (o), se você parar ao seu lado  e sentir o drama da (o) companheira (o), ela (e) irá sentir o seu, o lado oposto mesmo irá reverter toda a situação criada, agora se você ficar falando assim: “Isso não está certo”, “Aquilo não está certo”. Vai acontecer uma coisa depois do terceiro mês, passará a sentir qualquer dor. Então nós temos que se colocar ao lado do nosso parceiro para resolver e não tentar resolver sozinho.

Se já pensou se eu me envolver com todos que vem aqui eu vou ficar doido e o que faço?  Coloco-me ao lado de todos.

Nosso endereço: Amor Entre os Povos, Rua São José, 247 – centro – Ribeirão Preto - SP, fone: 16 3625-0574.

Abraços

Florêncio Antonio Lopes
Mestre Espiritualista
Site: link
[email protected]


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1

foto-autor
Sobre o Autor: Florencio Antonio Lopes   
FLORÊNCIO ANTONIO LOPES Terapeuta Espiritualista graduado "Senhor-Mestre" Ribeirão Preto - SP
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa