auravide auravide

Quando a sua doença é a proteção do outro!


Facebook   E-mail   Whatsapp

Há algumas semanas falamos sobre "Quando a doença é a sua proteção”, ou seja, a própria pessoa adoece para evitar se deparar com algo que ainda não se sente preparada para enfrentar. Mas ocorre também de pessoas serem portadoras de distúrbios físicos ou emocionais que são imputados por fatores externos. Elas apenas são influenciadas o suficiente para serem subjugadas e submetidas a essa situação. É sobre isso que vamos falar um pouco.
Elas “estão doentes” para “equilibrar” o meio em que vivem.
Vocês já conheceram famílias onde o marido era alcoólatra, os demais componentes, esposa e filhos tinham uma convivência aparentemente unida e todo o sofrimento girava em torno do comportamento do pai? Ou com a separação, ou com a morte do mesmo, a família se desagrega e passa a viver conflitos entre eles que são inexplicáveis, pois o “motivo” de seu sofrimento se afastou? O drama do alcoolismo apenas escondia problemas muito mais sérios entre os familiares. Outro exemplo em família: o pai era acusado pela esposa e filhos de ser demasiadamente severo, A esposa e os filhos tinham uma convivência “aparentemente” harmônica e de união, pois estavam sempre “juntos” e tudo que acontecia era porque o homem era um “déspota”. Em determinado dia, esse mesmo homem achou por bem se separar e assim o fez.

Nos primeiros momentos, junto com o sofrimento que toda separação traz, houve também um aparente alívio, pois agora poderiam levar uma vida mais tranqüila, sem terem que se deparar com imposições e cobranças. Três meses foi o tempo para que a desarmonia e falta de compreensão entre eles se revelasse. Sem a interferência do pai, a mãe e os filhos passaram a se agredir mutuamente, buscando novos culpados para os desarranjos familiares. “Agora vejo o que fizemos com meu pai. Foi tão criticado por todos nós, mas na verdade ele era quem segurava nossas inconseqüências”. Esse foi o relato de um dos filhos em meu consultório. Essa família levou anos para conseguir, cada um de seus componentes, se reestruturarem e levarem uma vida em harmonia com as responsabilidades que sempre evitaram assumir.

A acusação feita ao outro para mascarar os problemas pessoais é muito mais comum do que se possa imaginar. Essas acusações, que transforma o outro em um “doente”, fazendo-o desenvolver sintomas físicos ou emocionais, comportamentos inadequados, são “escudos” para não se permitir aos demais uma análise mais apurada e real das situações.
Mas não são sempre manifestas através de acusações. Na maioria das vezes vem disfarçada em uma postura de ajuda e de suporte ao “adoentado”, “vejam como sou boazinha, bonzinho, eu é que a/o amparo em suas deficiências”.

E pasmem, muitas vezes essas pessoas chegam aos nossos consultórios, trazidas pelos que as cercam e, quando começam um movimento de libertação desse fardo, a família imediatamente dá um jeito de interromper o tratamento, com as mais diferentes justificativas. Mas o fato é: o “doente” começou a deixar de ser (doente) e isso estava revelando a “doença familiar”. A interrupção é um proteger-se de terem que olhar a si mesmos e assumirem suas fragilidades e limitações, até então escondidas pelo comportamento manifestado pelo, podemos dizer, “doente oficial” da família.

Mas isso não ocorre apenas em relações familiares. Também em empresas, onde gestores com dificuldades de autocrítica desenvolvem ao seu redor um quadro de servidores que estarão sempre levando as broncas e culpas de todos os erros e desmandos de seus superiores. É necessário dizer que esses funcionários se submetem a isso por dificuldades pessoais, pois os que não possuem esses pontos frágeis, mesmo precisando do emprego não se submetem a isso, assim como nas relações familiares, quando alguém é eleito para o posto de “doente oficial”, mas esse não tem vocação para tal, o mesmo se afasta da família, muitas vezes sendo considerado um “ingrato”, não só pelos familiares, mas pelos que convivem com a família.
Cuidado! Julgar é fácil. Acertar o julgamento é mais difícil que ganhar na loteria!

Texto revisado
Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 12


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Paulo Salvio Antolini   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa