auravide auravide

Quando tudo muda ao nosso redor e isso nos desestabiliza


Facebook   E-mail   Whatsapp

Em tudo que vivemos nos confrontamos com mudanças. Não importa de onde você é, é isso que enfrentamos permanentemente e muitas vezes essas mudanças são caóticas.

Lembro-me quando perdi tudo. Tinha 28 anos e fiquei totalmente sem nada, em meio ao caos, somente observando como perdia mais e mais sem ter onde me agarrar. Quando meu pai faleceu, deixei de ser filha de... Quando meu namorado faleceu, deixei de ser a namorada de... Quando minha avó faleceu, eu já não tinha esse aconchego, esse lugar seguro e incondicional exterior que me alojava. Quando perdi minha profissão, que era um luxo e houve uma crise econômica e perdi todo meu dinheiro, fiquei sem saber o que fazer. Para mim, tudo tinha terminado, eu havia tocado o fundo e queria escapar. Eu escapei através do álcool por muito tempo, até que pude ver que só criava mais destruição assim; então, sim, fui ao fundo do poço e lá decidi começar a mudar.

O primeiro passo dessa mudança foi começar a olhar para dentro e, assim, em meio ao caos, comecei a encontrar um lugar, lembrei-me de como na natureza, no meio de um ciclone, o local mais calmo é o centro, o olho do furacão. E assim, indo em direção ao centro da minha própria tempestade, e me focando no mais elevado em mim, como diz a canção, “O sol sempre está”, e pouco a pouco comecei a me focar nessa paz que está dentro de tudo e comecei a me conectar.

Todos estamos treinados para resolver, para fazer de tudo, muitas coisas ao dia, e a maioria de nós encontra as soluções para problemas que se apresentam em meio a tantas atividades. Por estar trabalhando, nós não nos descuidamos dos filhos, de tudo que precisam, do que cozinharemos à noite, dos pedidos do marido, ou das necessidades de nossos pais, ou ainda dos exames para completar os estudos. Nós estamos treinadas para os múltiplos desafios e às vezes parecemos a Mulher-Maravilha em roupa normal.

E, então, quando surge um problema, pode ser que se sinta como algo não planejado e mais custoso, porque queremos que saia como planejamos e começamos a forçar, ou a lutar e é difícil fluir, e é justamente isso que mais precisamos aprender para não criarmos mais sofrimento e conflito: aprender a fluir. Para fluir, precisamos confiar e aprender a nos entregar ao que é em cada momento, com a confiança de que tudo sairá o melhor que possa sair, e com a capacidade de mudar e fluir em cada momento com o que o momento nos traz. Mas, automaticamente, quando algo novo ou imprevisto se apresenta, nossa resposta é a velha resistência, que quer manter e defender seu lugar de como as coisas eram. E como isso é automático, nós podemos tomar como um sinal. Sinto a resistência, aprendo a soltar, solto, deixo ir e me abro para receber o que o novo traz para mim.

Nos tempos atuais, o novo se apresenta a uma velocidade muito maior. Os jovens nos vão mostrando isso a passos gigantes, a tecnologia nos persegue com seus novos modelos. Se nos lembrarmos de muitos anos atrás, quando alguns de nós éramos mais jovens, todas as mudanças eram mais lentas, mas nós resistíamos da mesma forma; resistíamos ao novo e víamos nossos pais resistirem igualmente, quem dirá nossos avós: “Bons tempos aqueles, quando eu era jovem...” quem nunca escutou isso ao crescer? Todos vivemos sentindo saudade de outro momento e outro lugar, mas a vida está acontecendo agora.

A mudança é um movimento que se encontra na própria natureza: o ativo, o passivo, o quieto; o positivo, o negativo, o neutro; o próton, o elétron, o neutron. O que está vivo, muda. Se não muda, morre.

Essa é a nossa vida, uma ilusão de dualidade onde acontecem tantas coisas que não entendemos, e que só podemos nos apoiar, ainda que sem entender, na confiança de que a evolução sempre provoca mudanças. A vida sabe e então só podemos nos entregar, nos abrirmos a fluir com essas mudanças e estar dispostos a aprender com essa entrega. Eu sempre digo que a vida é muito simples, mas os humanos são muito complicados. Convido vocês a, nestes dias, colocar sua atenção em cada momento e fluir; a cada resistência ou defesa que surja automaticamente, entregar-se, confiar e dizer sim e, dessa forma, abraçar aquilo que a vida nos quer presentear.

*Isha, no livro e filme "Por que caminhar se você pode voar?", explica seu sistema de autoamor e expansão da consciência. Assista esse vídeo sobre as atividades no seu Centro no Uruguai: https://www.youtube.com/watch?v=VMGH56G3y_0&feature=youtu.be.

Texto revisado
Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 79


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Isha Judd   
Isha é mestra espiritual reconhecida internacionalmente como embaixadora da paz. Criou um Sistema para a expansão da consciência que permite a auto-cura do corpo, da mente e das emoções. Site oficial www.ishajudd.com
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa