auravide auravide

VAIDADES E AUTOCRÍTICA

por Christina Nunes

Publicado dia 11/6/2009 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Conforme avançamos no aprendizado das coisas maiores de Deus e da Vida, avulta, espontânea, a capacidade de autocrítica, fiel salvaguarda contra os assomos excessivos e enganadores das vaidades fúteis - como flor em constante estado de alerta, dotada dos espinhos que, a despeito do inebriante perfume que dela possa se evolar, equitativo, à sensibilidade de todos,  revela também ao mundo as suas defesas naturais.

Assim, na arena das tarefas associadas ao conhecimento, aprendizado, prática e divulgação daquelas instâncias superiores da existência, cabe-nos, a nós, espiritualistas ou despertos de quaisquer níveis para a vastidão da Vida para além dos limites acanhados da materialidade, o colocar-se de guarda e de prontidão para com nós mesmos, abertos ao amor compartilhado nas suas mais variadas nuances e manifestações de luz - mas imunes aos efeitos nocivos desencadeados por outrem, muita vez ingenuamente, ou mobilizados por ternura sincera, ao dirigir-nos elogios que possam vir a exacerbar vaidades ocultas e indesejáveis.

Frequentemente, no serviço confraterno, seja ele na Casa espírita, na Loja Branca ou por ocasião da publicação de um texto feliz aos leitores, ocorre-nos receber manifestações sinceras de apreço ou de exaltação entusiástica daquilo que realizamos.

Lembremo-nos, todavia, e sempre, nesta conjuntura, que, como bem realçou a Espiritualidade através da lúcida Codificação Kardequiana, jamais nos achamos solitários na realização de quaisquer coisas, sobretudo daquelas associadas ao trabalho espiritista e seus afins.

Somos,  a exemplo dos serviços atinentes ao dia-a-dia da vida corpórea, rodeados de seres amigos das dimensões invisíveis, também durante as tarefas ligadas ao esclarecimento e auxílio do espírito humano como ser vivente das múltiplas dimensões que nos rodeiam!

Assim como diuturnamente, na matéria, dificilmente alguém realiza isolado algo de vulto, assim também o esforço conjunto é o que imprime exuberância e qualidade às realizações da Vida Maior. Na atividade de equipe que mobiliza e desenvolve as incontáveis instâncias da burocracia do trabalho material humano, quanto na produção literária ou artística, reveladora das realidades maiores da existência, sempre há presenças, aqui e além, inspirando, assessorando, assistindo, refletindo e influenciando, despercebidamente.

Sempre, e em qualquer circunstância, troca e associação de energias afins para um determinado propósito. Sempre o mérito do feito devido a mais de um!

Como nas múltiplas expressões da Natureza terrena, onde nem a mais minúscula e insignificante das criaturas quanto o maior expoente da genialidade humana não prescinde das bençãos humildes quão, a um só tempo, grandiosas da luz solar para a continuidade da vida diária, assim também, na grande colméia cósmica em movimento, neste quanto noutros tantos mundos ou dimensões da invisibilidade, não prescindimos dos esforços uns dos outros para o feito bem sucedido.

Aqui, não se prescinde do serviço esforçado do carteiro sob a pena da correspondência de teor urgente não alcançar o devido destino, originadas, disso, consequências imprevisíveis! Não há de se depreciar, tampouco, a tarefa de subido valor dos agentes da limpeza pública, sem os quais o próprio ambiente onde convivemos e desenvolvemos, distraídos disso,  as nossas atividades, se fariam inabitáveis!

Resguardemo-nos, portanto, dos brilhos enganosos das gloríolas pessoais e inúteis. Até por reverterem puro engodo! Os de fato grandes em espírito de há muito conheceram que nenhum avanço significativo fora ainda individualmente realizado enquanto, a par da intenção correta no caminho da luz, palavras, pensamentos e atitudes ainda não a acompanharem, em essência.

De nada, pois,  nos adiantará a susceptibilidade a elogios extemporâneos ao pouco que vimos realizando, enquanto, contraditoriamente, ainda supusermos demasiado acerca de nós mesmos e das nossas capacidades. Inútil a vaidade do trabalho espiritualista, se não suportamos com verve o revés cotidiano que, em momentos de distração traiçoeira, nos surpreende na reclamação incontida de que só nós fazemos, ou que fazemos melhor ou mais que outros. Porque é bem aí que se revela, funesta aos nossos melhores propósitos, a germinação da semeadura ingrata da vaidade inútil!

É neste momento que emerge, lastimável, a medida exata da nossa própria cegueira, arrastando-nos ao esquecimento deplorável de que se algo sofremos e realizamos,  inúmeros outros, incontáveis e anônimos, próximos ou mais distanciados, sofrem e realizam incomparavelmente mais, em silêncio, e, no mais das vezes, sem queixumes e recordando,  acima de tudo, de louvar e agradecer a Deus pelo dom eterno e maravilhoso da Vida, com todas as suas oportunidades renovadas, como rio caudaloso e pródigo, a cada um dos segundos!

Atribuamos, desta forma,  os eventuais elogios do próximo aos nossos atos modestos perante a grandiosidade da Vida,  à generosidade e aos impulsos sinceros de gratidão de nossos irmãos em jornada. De nossa parte,  por outra,  resguardemo-nos dentro da autocrítica justa para com nós mesmos e para com as nossas conquistas íntimas, e ainda restritas realizações, que, se algumas já foram efetivadas, imprescindível a consciência clara de que toda uma eternidade de aperfeiçoamento nos aguarda frente às maravilhas indizíveis de coisas e de seres outros do infinito,  no qual prosseguimos em marcha ascensa, destinados, todos, a grande herança de felicidade - jamais, contudo, a uma felicidade cujo mérito seja atribuído aos feitos de apenas um pequeno e acanhado aspecto da Criação!  

 

Texto revisado por: Cris


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 15

foto-autor
Sobre o Autor: Christina Nunes   
Chris Mohammed (Christina Nunes) é escritora com doze romances espiritualistas publicados. Identificada de longa data com o Sufismo, abraçou o Islam, e hoje escreve em livre criação, sem o que define com humor como as tornozeleiras eletrônicas dos compromissos da carreira de uma escritora profissional. Também é musicista nas horas vagas.
E-mail: meridius@superig.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Abrandar o sofrimento
artigo Apenas um espírito espiritualista
artigo O que é o EU?
artigo Orientações Astrológicas para 2021

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa