auravide auravide

3 Formas de Apego



Muitos passam por momentos difíceis nos relacionamentos, falta de comunicação, evitação, insatisfação e incompreensão sobre a reação do outro. Rotulamos: “ele não gosta de mim”, “ela não está nem aí” etc.. Mas muitas vezes a dificuldade pode estar no autoconhecimento sobre o parceiro(a). Ninguém é igual a ninguém, todos nós somos únicos pois nos desenvolvemos a partir de nossa história que é única. Portanto, cada um tem seu modo próprio de lidar com as dificuldades e revezes da vida e não temos a consciência de que nossas reações, em tais situações, podem afetar nosso par de forma negativa, reverberando na relação. 

Algumas pessoas não conseguem lidar com emoções intensas
Sua estratégia é minimizá-las. É o tipo Evitativo. Ele não gosta de conversar “sobre a relação” , com a esposa, evita todo tipo de conversa sobre aspectos emocionais, não consegue dar atenção à sua esposa quando esta quer falar sobre seus sentimentos no cotidiano. Ele evita pois não sabe como lidar e, por isso, nestas circunstâncias sente-se incomodado e irritado. 
Já outras pessoas expressam seus sentimentos de forma livre e se deixa levar por eles.


As emoções a dominam e precisa expressar também em palavras
...falar sobre eles, discutir os problemas com o marido, falar sobre suas preocupações. Ela tem necessidade da interação com as outras pessoas, sobretudo com o marido, que se for do tipo Evitativo, a relação corre sérios riscos. Ela é do tipo Ansioso. 

Existe também o tipo Seguro. Caso o marido fosse deste tipo, ele provavelmente se colocaria disponível a ouvir a esposa e acolher sua necessidade. Por outro lado, se somente a esposa fosse do tipo Seguro, não sentiria tanto as evasivas do marido. 

A esposa Ansiosa acredita que o marido Evitativo não esteja “nem aí com ela”, que ele é muito “desligado”, que está alheio à relação. 
Já o marido Evitativo acredita que sua esposa Ansiosa é “chata”, que exagera em falar tanto de sentimentos e acha que “não tem saco” para aguentar a esposa. 


Nesta relação falta solidariedade entre o casal
...e para melhorar a relação, duas medidas precisam ser tomadas por ambos: 

1. Aprender a desenvolver sua capacidade de empatia; 
2. Compreender a forma do outro “funcionar”, traz consciência e assime ntenderiam suas necessidades e dificuldades; 

Desenvolvemos nossa forma de apego na pré-infância, desde bebê e, por isso, são características que não são fáceis de mudar, pois já fazem parte de nossa identidade. 

Entretanto...

ambos gostariam de viver em sintonia com seu cônjuge
...mas desconhecem estes aspectos afetivos de forma de apego do outro e de si mesmo, por isso, este é um conhecimento importante para qualquer pessoa, pois conhecendo-se e compreendendo como afetamos os outros ao nosso redor nas várias relações e também como somos afetados pelos outros, facilita a manutenção de relações mais seguras e saudáveis, o que todo ser humano gostaria. 

Texto Revisado

Publicado dia 25/8/2018
  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 14



foto-autor
Autor: ROBERTO DANTAS   
Roberto Dantas é psicoterapeuta holístico em São Paulo, onde realiza atendimentos em Terapia Transpessoal e Hipnoanálise, desde 1999. (Metrô Trianon e Metrô Santana) Contatos com o autor: E-mail: psicoterapeuta@outlook.com.br – Whatsapp: 11 9 8330 3302
E-mail: psicoterapeuta@outlook.com.br | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa