Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

A dor e o desejo

por Paulo Tavarez

Publicado dia 19/6/2020 em Psicologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Todo sofrimento humano está reduzido a duas coisas: dor e desejo. 

A dor existe e tem a sua fonte, quase sempre no inconsciente. Somos assaltados por sentimentos ruins, dos quais não queremos sentir, com isso, acionamos os nossos desejos, pois precisamos de lenitivos para neutralizar o efeito dessas angústias.

Sozinhos e carentes, nós desejamos companhia. Preocupados e ansiosos, desejamos estar seguros. Cegos de ódio, desejamos vingança. Esses são apenas alguns expedientes que adotamos quando estamos diante de algum desconforto na alma.

O desejo transformou-se em um mecanismo de fuga usual, o primeiro deles. A grande verdade é que não queremos enfrentar a própria sombra, ela nos assusta, ela é terrivelmente agressiva, possui uma energia que nos machuca. Ninguém quer ficar parado sentindo coisas ruins. Por isso nos movemos em direção às coisas que poderiam nos trazer algum conforto, nos tornamos adictos do prazer. O problema é que essas buscas criam sofrimento também, pois as frustrações, as decepções, o desânimo e uma infinidade de sentimentos ruins, resultam dessa nossa atitude.

Como dizia o poeta Renato Russo: “Tudo é dor e toda dor vem do desejo de não sentirmos dor”. 

Existem dois caminhos para sairmos desse ciclo vicioso. O primeiro é suportar a dor sem fugir, buscando uma interlocução com a própria alma, desta forma, permitir que ela possa expressar-se e, assim, provocar uma catarse que possa diminuir a carga afetiva desses conteúdos. O outro caminho foi ensinado pelos estóicos: distanciar-se por completo desse centro em que escolhemos acreditar ser o nosso eu real, quando, na verdade, é apenas um eu ilusório e colocar-se apenas como uma testemunha de si mesmo. Para fazer isso, devemos nos colocar fora desse centro, buscar uma integração com o próprio Universo, deixar ele agir sobre você e apenas ficar observando esses enredos sem ser por eles afetados. 

Sofremos porque nos colocamos com o personagem desses enredos mentais. É preciso aprender a colocar-se não nesse palco, mas na poltrona, como um espectador e entender que tudo aquilo que manifestar-se é impermanente. Eterno e perfeito é apenas o espectador, é apenas você.

Precisamos subir esse degrau que está acima do binômio gosto-não gosto. Estamos ainda sob a condução dos desejos. Decidimos, escolhemos, buscamos e agimos de acordo com os nossos desejos. É claro que não há nada de errado nisso, pois faz parte do nosso estágio. É preciso buscar uma iluminação, é preciso libertar-se aos poucos do jugo imposto pelos desejos e alcançar a compreensão final: “Ninguém precisa ser nada além daquilo que já é”.

Texto Revisado

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 14

Sobre o Autor: Paulo Tavarez   
Conheça meu artigos: Terapeuta Holístico, Palestrante, Psicapômetra, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define. Eu sou o que Eu sou! Conheça mais sobre mim em: www.paulotavarez.com - Instagram: @paulo.tavarez
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Cuide da sua energia
artigo O Invisível, visível, 2
artigo Quando as Estrelas Descem Para Dançar no Coração do Homem
artigo O poder do desinteresse

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.








horoscopo



auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa