Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Horas perdidas!

por Paulo Salvio Antolini
Horas perdidas!

Publicado dia 11/11/2012 em Psicologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


"O dia hoje está com horas a menos". Novamente estamos às voltas com a falta de tempo e com a maneira como preenchemos nosso dia. "Não tenho tempo" é uma afirmação corriqueira e que se ouve repetidamente, mas percebemos que as pessoas não pensam no real significado da frase.
A dona de casa acorda muito cedo. Prepara rapidamente o café e já inicia uma correria doida que vai, desde levar os filhos na escola, passar pelo supermercado, apanhar algo que ficou esquecido no dia anterior, até uma conversa rápida com a amiga na porta de um estabelecimento qualquer. Volta para casa correndo e já está quase na hora de buscar as crianças. Ainda precisa fazer o almoço. À tarde, a loucura se repete, quando o marido chega ainda está nos afazeres e parece que nada foi feito, a arrumação da casa não demonstra todo o trabalho que ela teve, o jantar nem foi começado e sua aparência, nem é preciso falar.

Construíram a cena? Imaginem como essa mulher se sente e também o seu marido. A casa não está aconchegante. "A refeição não está servida, a expressão da mulher é uma mescla de "olha como sou uma coitadinha" com "que raiva", você é o culpado". Não há o menor clima para que possam conversar. Se trocam algumas palavras é para cobranças e acusações. Queixas e lamúrias a cada dia os sufocam mais e mais. Estresse?

Ele saiu cedo e já atrasado, mal tomou um gole de café. Não conseguiu nem se despedir direito de sua mulher e filhos. No trabalho, não conseguiu levar um único assunto até o fim, pois ou o telefone ou as interrupções de outros colegas o impediram de concluir seu feito. Ao final do dia, somaram-se as insatisfações e cobranças dos demais e um "monte" de pendências para o dia seguinte. Sem contar que já deveria ter ido para casa há muito tempo. O dia não rendeu. Os resultados não estão aparecendo. A ameaça de perder o trabalho, o cliente, etc.. A ansiedade é crônica. Quando chega em casa, a esposa com aquela "cara". Relaxar como?
Ambos sentem que poderia ser diferente, mas as coisas não mudam.

Pessoas percebem que têm muitas idéias, mas nada acontece. Os resultados são insipientes. A busca de culpados é uma estratégia constante para justificar tantos desgastes. Poucos se detêm ao fato de que iniciaram uma idéia e não a levaram até o final. Nas primeiras dificuldades já pularam para outra idéia. Sabem por que isso ocorre? Porque enquanto no plano das ideias, tudo é facilmente solucionável. Na prática, é preciso fazer. Em outros casos, a ação é abandonada momentos antes dela começar a dar frutos.
A desorganização de nosso dia e conseqüentes resultados falhos e pequenos, não satisfatórios, ou mesmo não correspondentes aos esforços tidos, refletem nossa desorganização interior. Nossa dificuldade em parar e refletir sobre o assunto.
A ansiedade com as quais as pessoas convivem impede-nas de ter a tranqüilidade interior para refletir e ter a visão do todo. Não conseguem definir exatamente o que querem, e mesmo quando sabem, não analisam a melhor forma de concretizar o que começaram.

Nos relacionamentos, as conversas não vão até o final e ficam sem o desfecho de compreensão e fechamento do pensamento expressado. Ele é apenas iniciado, mas não concluído. Depois um cobra do outro aquilo que não foi dito ou consensado. Das relações afetivas às de trabalho, tudo fica jogado e nada é "concatenado" (lembram-se desse termo?). A correria é imensa. O dia realmente não rende, mas se perguntarmos às pessoas o que elas terão para fazer nesse dia, as respostas serão difusas e genéricas: "Um monte de coisas"; "Vários problemas para resolver", etc.. A dona de casa responde: "Você acha pouco levar e buscar as crianças na escola, fazer o café ver se as lições estão feitas, lavar passar, e...?". Apenas as pessoas que sabem exatamente o que têm que fazer e em que ordem farão é que responderão com propriedade e calmamente.

Manter a ansiedade é uma das formas utilizadas para que não se olhe o que está dentro de cada um, assim como o que se faz necessário fazer.
Somar o tempo despendido e não produtivo pode ser, para muitos, assustador, pois poderão perceber que não ficaram apenas horas perdidas, mas sim, vidas perdidas.

Texto revisado
Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   horoscopo


Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 4

Autor: Paulo Salvio Antolini   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   


Veja também
artigo Você tem realmente esse tal Livre Arbítrio?
artigo Contrato com a morte
artigo Estesia
artigo A mudança deve ser interna

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.





horoscopo


auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa