auravide auravide

Vivendo e Aprendendo.

por Tania Paupitz

Publicado dia 18/9/2008 em Psicologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Possuímos um desejo inato de sermos ou parecermos “bonzinhos”, principalmente, para o outro. Podemos usar máscaras por um bom tempo: a máscara do bom servidor, do sociável, do marido exemplar, do bom pai, ou ainda, daquela pessoa que está sempre com um sorriso nos lábios, demonstrando simpatia e alegria, mas no fundo, percebemos e acabamos sentindo que aquela pessoa está ali apenas cumprindo o papel de um personagem, quem sabe, nos “suportando”, devido a várias circunstâncias.

Geralmente a pessoa insegura teme que suas fraquezas fiquem expostas perante o outro e é por isso que a grande maioria acaba se escondendo atrás de várias máscaras, fachadas das quais nem sempre temos qualquer tipo de acesso. Em razão disso, pode ser comum encontrarmos aquela pessoa que se mostra boazinha, que tem como único objetivo seduzir, conquistar, procurando disfarçar a enorme incerteza que carrega dentro de si.

No final, o que acontece é que a grande maioria dessas pessoas quase sempre termina por demonstrar, de modo aberto, sua insatisfação íntima, geralmente, ocasionada por violentas e inesperadas explosões emocionais contra aqueles com quem convivem. Essa é uma característica de pessoas que não desenvolveram a confiança em si mesmas, suas idéias, vocações e intuições terminam por nunca se afirmarem.

Li um artigo sobre o assunto, que comenta o seguinte: “... Como um desfile de máscaras, todas vazias, minha vida se tornou um campo de batalha. Eu converso com você uma conversa infantil e superficial. Digo a você tudo o que não tem a menor importância e calo o que arde dentro de mim. De forma que, não se deixe enganar por mim... Mas, por favor, escute e tente ouvir o que eu não estou dizendo e o que eu gostaria de dizer. Eu não gosto de me esconder, honestamente, eu não gosto”.

E quem gosta de tentar parecer o que de fato não é? Ou ainda, ficar mantendo uma aparência forçada perante uma pessoa ou situação, visando apenas garantir a sua “sociabilidade” de pessoa gentil e amorosa, quando dentro de sua realidade íntima, acontece exatamente o contrário?

Com certeza, é improvável que encontremos uma pessoa que diga e assuma: “É, eu não gosto mesmo de você, pois me considero uma pessoa mesquinha, arrogante, ciumenta, raivosa, mas me aceito e gosto de mim desse jeito”. O mais comum é nos depararmos com as pessoas ditas “certinhas”, sempre abertas e dispostas a lhe oferecer todo tipo de atenção, amorosidade e certo tipo de “servilismo” exacerbado.

São pessoas que têm por objetivo defender com “unhas e dentes” sua imagem de criatura virtuosa. No fundo, se temos nossa percepção mais aguçada, acabamos por perceber esse tipo de sutileza nas pessoas e, automaticamente, diferenciar os padrões de comportamentos entre “a” e “b”. Geralmente elas o “bajulam”, sob a forma de elogios, porém, na primeira oportunidade que têm acabam de alguma maneira o decepcionando ou prejudicando, geralmente, saindo como vítimas da situação.

Na verdade, se formos analisar, possuímos um misto das duas coisas: nosso lado obscuro e o nosso lado luminoso, ou seja, todos temos forças antagônicas que, de certa forma, estão sempre interagindo umas com as outras, visando sobretudo o nosso aperfeiçoamento como seres humanos. Há um mecanismo básico envolvido em toda manifestação material a partir do imaterial, do visível a partir do invisível. Este é o mecanismo do aperfeiçoamento, geralmente desencadeado por uma situação de nos sentirmos frustrados ou fracassados diante de alguma situação que nos ameaça.

Na realidade, o que coexiste atrás da palavra “fracasso” é apenas um resquício daquilo que ainda temos que aprender, pois é através de nossos erros e acertos que acabamos fazendo as coisas de maneira correta. Cito, como exemplo, o caso de uma pessoa que bebe muito e se recusa a admitir que tem problemas com relação à bebida. Ela pára de beber, porém, sente-se insegura diante de uma garrafa de bebida, devido ao seu medo inconsciente de não saber controlar seu impulso de beber. Somente quando resolvemos encarar o nosso medo, no caso, uma garrafa de bebida, olhando de frente aquilo que consideramos ser uma fraqueza nossa, é que acabaremos por dominá-lo.

Precisamos do fracasso para aprender a perder, a cair, a errar, tendo a consciência de que muitos aprendizados ocorrem quando nos desvencilhamos do medo. Se tivermos medo de cair, andar será algo muito difícil; se temos medo de morrer, a vida se torna muito sombria; se temos medo da perda de bens materiais, o ganho nos torna preocupados e ansiosos. Quando conseguirmos aprender que ganho e perda, triunfo e queda, acerto e erro, fazem parte do nosso crescimento interior, com certeza, teremos dado um passo além daquilo que muitos consideram como “fracasso”.

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 5

foto-autor
Sobre o Autor: Tania Paupitz   
Tânia Paupitz é Artista Plástica e Professora de Artes, há 30 anos, sendo sua marca registrada as cores fortes e vibrantes, influência dos estudos de vários artistas Impressionistas como Pissarro e Van Gogh. Cursos de Pintura para Pintura em Óleo ou acrílica sobre tela -iniciantes ou não. www.taniapaupitz.com.br wathsapp - 48 999723446
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa