auravide auravide

O estresse mata os neurônios


Acredite: indo contra a corrente de que sempre podemos aumentar a qualidade e complexidade dos neurônios, existe uma síndrome da vida moderna que faz exatamente o contrário. O estresse pode desencadear a morte dos neurônios.

O estresse na sua medida é importante, pois nos impulsiona, nos faz crescer. Uma pessoa sem desafios vai ficando desanimada e a vida sem sabor. Nada que ver.
Mas, com a vida moderna que é super desafiadora e acelerada, o estado de tensão e estresse é constante e elevado, e aí uma série de sintomas e doenças começam a dar sinais de que algo não está bem: dificuldade de aprendizado, esquecimentos, baixa vitalidade, acidentes, insônia, indigestões, taquicardias e até infertilidade.

Agora, cientistas de dois importantes centros de pesquisa paulistanos, a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), descobriram mais um efeito nocivo, para não dizer devastador do estresse: estados de tensão permanente provocam inflamação no cérebro, que se crônica, pode levar os neurônios (as células cerebrais) à morte.

Onde acontece principalmente?
- No hipocampo, área da massa cinzenta associada à memória;
- No córtex frontal, responsável pelos raciocínios mais complexos.

Os danos causados pela morte gradual dessas células nervosas podem ser desde pequenos esquecimentos (lapsos de memória) até doenças degenerativas, como Mal de Alzheimer e Mal de Parkinson.

Na verdade, quando a vida e a saúde estão em harmonia, o estresse “normal” é encarado de forma saudável, ou seja, na medida certa, faz o corpo liberar os famosos cortisóis, família de hormônios que funcionam com ação antiinflamatória. Em pequena quantidade, bem entendido. Mas, quando a carga destes cortisóis é freqüentemente excessiva, o efeito será exatamente o oposto – quadros inflamatórios e morte dos neurônios por cansaço.
Em situação crônica de estresse, acontece um círculo vicioso de tensão constante, com mudanças na estrutura das células nervosas, potencializando sua fragilização e morte.

Uma hilária ironia: neste desencadear, é a inteligência (da defesa, da preservação) que está destruindo os próprios neurônios.
Então, lá vem a vã filosofia: bom senso nunca faz mal a ninguém. Use as suas inteligências para tocar a vida de um jeito mais sábio, ou seja, dar-se tempo para parar e filtrar esta carga violenta de estímulos ao estresse.

SÁBIAS DICAS
Alimente-se com consciência – leia o texto sobre os melhores alimentos para o cérebro.
Ria, brinque e relaxe – assista filmes de comédia, ouça e conte piadas, deixe a ludicidade invadir e contagiar sua vida, afinal, você não vai sair mesmo vivo dela! Hehe.
Medite – procure meditar alguns minutos por dia, pois este pequeno intervalo tem o poder de combater os efeitos negativos do estresse e resgatar a ótica da sua criança interna. Você pode caminhar em silêncio, observando cada detalhe do seu corpo e ao seu redor. Assim, você estará praticando uma atividade física associada com a meditação e o grande barato que é ficar em contato com a natureza.

Este texto faz parte do livro Exercícios cerebrais – Por que e como praticá-los? – Conceição Trucom



estamos online

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1




trucom
Conceição Trucom é química, cientista e escritora sobre Alimentação Baseada em Plantas, considerada como Alimentação do Futuro: vitalizante e regenerativa.
Portal: www.docelimao.com.br
Visite o Site do Autor


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa