Home > Psicologia

Persona, Sombra e Consciência

por Luís Vasconcellos

Primeiramente precisamos esclarecer o que é a SOMBRA psicológica e depois, relaciona-la às demais funções do plano psíquico pessoal ( incluindo a PERSONA ). Cada um de nós nasce com uma bagagem própria, tendências e potenciais a serem atualizados em vida. Somos como uma semente que carrega em si mesma - potencialmente - as direções do desenvolvimento e crescimento humano, tanto no geral quanto no particular. Mas, como sementes que somos, em nosso desenvolvimento somos forçados a uma adaptação ao meio ambiente natural, familiar e cultural. O contato com o meio estabelece quais potencialidades serão mais estimuladas e efetivamente exercidas. Ou seja, o meio ambiente humano ensina à criança o que é certo e o que é errado; ensina o que deve e o que não deve ser feito, pensado, sentido, observado e assim por diante. Isto cria em todos uma fronteira de diferenciação entre o que cada um é - o que cada um deseja ou pretende - e o quê de cada um é possível efetivamente ser exercido ou expressado na situação familiar e social - o que a cultura deseja e ordena -.
Deste confronto ( ou conflito ? ) de forças surge em cada um a noção de um EU autônomo e, principalmente de uma "simulação" do EU PESSOAL cujo resultado poderíamos chamar de EU PARA OS OUTROS ( O EU PESSOAL menos aquilo que é inaceitável e que é "surripiado" dele pelas exigências do meio ). A simulação através de um EU PARA OS OUTROS já aparece na criança que precisa diferenciar e discriminar o que ela pretende ou deseja SER daquilo que lhe é PERMITIDO SER. A este PERSONAGEM damos o nome de PERSONA. É importante ter uma PERSONA eficiente, que cumpra seu papel de EU PARA O MUNDO e que seja, ao mesmo tempo, eficiente "EMBAIXADOR do EU PESSOAL" nas relações com o meio externo, tornando-se "um respeitável integrante de suas estruturadas organizações". Para efeitos didáticos e estatísticos vamos desenhar o EMBAIXADOR de nosso exemplo com qualidades da Polaridade Ativa ( ir ao mundo, agressividade, desejo de poder ) e de extroversão ( foco da atenção no objeto exterior ). Continuando a usar esta analogia ( do embaixador ) vemos então que esta condição ideal não é tão freqüentemente atingida pela maioria de nós; ou seja, o embaixador não representa eficientemente os direitos e interesses do Reino do EU, o centro de governo para o qual também deveria trabalhar. No começo da carreira o EMBAIXADOR se esforça em satisfazer aos outros mais do que ao EU que ele representa. Ele morre de medo de fazer coisas erradas ou condenáveis, que o façam deixar de ser convidado nas festas e o tornem eventual alvo de recriminações no reino onde ele é um iniciante freqüentemente desajeitado. Ele descobre que há uma fronteira desconfortavelmente sutil entre ser gentil, deixar de ferir os sentimentos dos outros e ser honesto e verídico consigo mesmo. Então ele negocia mal muitas coisas: "engole sapos", finge gostar do que odeia, aprende a gostar do que detesta e até a não gostar do que adora; eventualmente conformando-se demais. Com o tempo e o aprendizado neste difícil país estrangeiro ele descobre que, no início, negociou mau muitos aspectos dos seus "contratos com os outros", mas aí já pode ser tarde demais, pois todos já estão acostumados com a sua correção e educação. Todos olham para ele como se o conhecessem esperando dele coerência, segurança e repetição no seu modo de SER e, secundariamente, no modo de AGIR.
Nosso embaixador perde o sono e se preocupa em pensar a que acontecerá caso ele externe a rebeldia ou revolta que ele muitas vezes sente. Na certa se verá diante da ameaça de perder o terreno que acredita ter conquistado. O melhor a fazer - ele decide - é omitir e adiar as exigências e pretensões do Reino do EU. Se possível ele vai realizar alguma coisa apenas para os de seu governo acreditarem que um dia serão satisfeitos ("apenas pra inglês ver!") enquanto ele, por necessidade e carência, necessita ocupar-se de objetivos de outra natureza: imprescindíveis e inadiáveis. Nesta fase ele já ficou tanto tempo ocupado com as demandas e exigências do reino exterior que esqueceu ou perdeu o contato com o Reino do EU. Se ele voltar, em visita às suas bases biológico / instintivas, sentirá certa estranheza e desconforto, naquele mesmo lugar que, um dia, foi o seu ponto de referência. Não estará em paz nas conversas em torno do fogão... Poderá não ter ninguém com quem dividir suas inquietação. Entre os familiares - que estão a viver suas vidas em contexto diferente do dele - ele se sentirá um estranho no ninho. A nenhum guerreiro (especialmente em uma importante missão) é conveniente perder o contato com sua base de suprimentos. As comunicações vindas de lá, às vezes lhe parecerão sem propósito, oriundas de um Reino que não o compreende nem sabe o que ele está, de fato, vivendo em sua missão no mundo exterior; então, pode chegar uma hora em que ele não representa eficientemente os desejos e necessidades do seu próprio governo ao mesmo tempo em que não conseguiu ser inteiramente aceito no novo país, onde nunca será mais do que um "estrangeiro bem adaptado". O elo de comunicação pode assim sofrer momentâneas ou duráveis interrupções.
Os únicos vencedores neste combate de forças são o fingimento e a hipocrisia, pois nem o REINO do EU ( que enviou o embaixador ) nem o país que o acolheu vão ganhar grande coisa com este estado de coisas, que não interessa a ninguém. Contudo, como o real quase sempre não acompanha o ideal, nosso embaixador segue carreira e, longe de sua família, conhece uma moça local pela qual se apaixona e começa a fazer planos de casamento, ao mesmo tempo em que seu desenvolvimento em um país estrangeiro o fez ser reconhecido e admirado. Os envolvimentos e as alianças que estabeleceu na comunidade geraram-lhe um bom emprego e significativo poder pessoal. A esta altura um quase irresistível desejo de autonomia anda corroendo sua lealdade ao Reino do EU e ele agora se vê na contingência de ter que aceitar propostas irrecusáveis que lhe permitirão dispensar os rendimentos e o apoio do governo para o qual trabalhava. Deste modo ele acredita que "mata dois cachorros com um tiro só", solucionando ao mesmo tempo um desgastante conflito interno ( de lealdade ) e um conflito externo ( de necessidade de aceitação ). Logo ele estará aliviado podendo olhar apenas para um lado ao invés de ficar feito equilibrista no meio do abismo... Dedicará longo tempo de sua vida a se estabelecer nestas condições. Talvez, um dia, dolorosamente descubra que os dois cachorros faziam parte integrante dele mesmo. Felizmente, pessoas ou coisas ressuscitarem, no plano psíquico não é nada incomum.
EM nosso exemplo o EMBAIXADOR é uma analogia para a função do EU-PARA-OS-OUTROS: a PERSONA. Este "EU de marketing", com o tempo, se mostra mais como um "servidor do mundo exterior" do que o "embaixador representante do EU." Os atores de talento sempre existiram em menor número do que os canastrões que só interpretam a si mesmos e adoram ouvir sua própria voz. Este estado de coisas precisa de ser corrigido mas os ideais são difíceis de atingir ( ! ) e a vida vai tomando seu curso natural ( ! ) até que o nosso personagem descobre que ainda que esteja tudo certinho ele não está necessariamente feliz: algo de essencial está lhe faltando e ele nem consegue dizer exatamente o quê ! Ele se questiona pois tudo que fez foi com o intuito de se realizar e levar uma vida boa ( aos seus e aos olhos dos outros ). Muitos gostam dele e alguns até mesmo o admiram e invejam e no entanto ele não se sente nem completo nem feliz. O que estará acontecendo ? No país do EU algumas vozes se levantam para chama-lo de traidor e de "embaixador de si mesmo"... Como seria bom se se pudesse calar a voz da oposição ! Mas, nem sempre se consegue este prodígio... Dói ouvir estas coisas, mas ele continua sua luta pois o mundo é grande e há muito ainda que fazer, muito que conseguir e muito a desejar - principalmente...
Pois bem... quanto mais forte for a cisão entre o EMBAIXADOR e o Reino do EU ( para o qual sua função foi concebida ) maior é o conflito interno. Partes essenciais e que pertenciam ao próprio cerne do EMBAIXADOR são relegadas na ânsia de se adaptar e de se integrar ao "status quo" do mundo em que vive. Exatamente por isso são imediatamente incorporadas na oposição que se estrutura em sua retaguarda, pois não deveriam, em primeira instância, ser relegadas, e muito menos reprimidas, que é o que mais acontece. Tudo que pertence ao reino do EU ( compondo suas origens ) e que foi reprimido e afastado da AÇÃO CONSCIENTE do EMBAIXADOR do EU vai constituir a SOMBRA PESSOAL do EMBAIXADOR. Este contingente de desejos, sentimentos, ações ou impulsos passam a existir sim, mas como "párias", banidos, desterrados e exilados da PERSONA e do EGO IDEAL passando a ocupar-se de atitudes e propostas associais, perturbando, interpelando e incomodando... É inexorável, quer dizer inevitável, que, quanto maior for o esforço do EMBAIXADOR em avançar na busca de atingir seus propósitos unilaterais - ainda que, a seu ver, em prol de uma boa causa -, maior será a oposição e a gritaria interna. Um EMBAIXADOR com autonomia e poder para calar a oposição e se tornar o único poder reinante tudo fará para atingir a paz e o equilíbrio ( sob sua limitada ótica ) em um mundo que pouco ou nada sabe da natureza de seus conflitos interiores e que pode ser mantido neste estagio de ignorância, por tempo indefinido.
Ouvir as vozes da sua oposição interna seria sábio, porém não há tempo, as demandas são complicadas e as exigências da vida exterior já são suficientemente grandes. Quase nunca sobra energia para dar atenção a estas outras necessidades ( as interiores ).
Ele dirá: "Somos muito limitados e qualquer um há de convir que "não existe esse negócio" de dar atenção a dois pontos de vista ao mesmo tempo. Olhamos para um lado e é só. Essa é a realidade, inclusive é assim que a percepção funciona: a atenção tem um foco e tudo que não for pertencente ao foco da atenção nos escapa". O discurso do EMBAIXADOR bem poderia ser esse:
_ "Não há o que dê jeito nisso... Primeiro é preciso vencer no mundo, para então e só depois cuidar destas "pressões" e "reivindicações" interiores".
A oposição ao EMBAIXADOR nesta nossa analogia é a ação da SOMBRA PESSOAL. Esta se constrói e se estrutura de modo mais ou menos autônomo ao EU, sendo uma espécie de "antiPERSONA", assim como esta poderia ser denominada de "antiSOMBRA PESSOAL", pois são opostas e complementares uma da outra. Um centro que mereceria ser chamado de CONSCIÊNCIA está a meio caminho entre estas duas estruturas ou funções psicológicas.

Leia Também:

O eu-para-os-outros é um servidor do mundo


Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   Numerologia  
 
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação: 5 | Votos: 1
Atualizado em 28/07/2000 14:58:14

Luís Vasconcellos é Psicólogo e atende
em seu consultório em São Paulo.

Visite seu Site
Email: luisvasconcellos@hotmail.com
Visite o Site do Autor

Veja também
Não conheço o horário de meu nascimento...
Umbanda - A alegria dos filhos de fé
Adeus aos preconceitos!
Feliz é aquele que sabe o que quer...
Você já despertou?
Fibromialgia


Deixe sua opinião sobre este artigo


© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo do Site.


Energias para Hoje
quarta-feira, 20 de novembro de 2019

energia
I-Ching: 08 – PI – MANTER-SE UNIDO
Momento favorável à solidariedade. O isolamento enfraquece, a união faz a força. Colabore.


energia
Runas: Jera
Desfechos benéficos e resultados tangíveis para hoje.


20
Numerologia: Cooperação
O dia pede calma e tranqüilidade. Trabalhe em cooperação com os outros. Nada de agitação uma posição de quietude será benéfica hoje. Inspire outros a atingirem seu potencial máximo. Tenha cumplicidade.




Horóscopo

Áries   Touro   Gêmeos   Câncer
 
Leão   Vírgem   Libra   Escorpião
 
Sagitário   Capricórnio   Aquário   Peixes





 
© Copyright 2000 - 2019 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa