auravide auravide

Nós e os outros I



“Os outros”. É interessante observar como essa figura criada, quem sabe a partir da censura que a chamada sociedade nos impõe, ou pela nossa própria autocensura, tem contribuído para que a maioria das pessoas se submeta a constrangimentos e desprazer.

Sem preocupar-me com os “outros”, depois de muito observar, inclusive a mim mesmo, vou tentar exprimir o que penso a respeito do assunto.

No dia a dia, é comum ouvirmos: “e o que os outros vão pensar se eu fizer isso?”, “e os outros como é que ficam?”, “sabe como são os outros, né...”, e por aí vai... Parece até que vivemos a ditadura dos “outros”; que “eles” estão sempre à espreita para nos recriminar. Aliás, de tanto preocuparem-se com “os outros”, algumas pessoas se pudessem indagariam os “outros” até para decidir do qual lado deveriam escovar os dentes primeiro. “Eles” servem como desculpa para quase tudo; para justificar desacertos, frustrações, infelicidade e até os erros mais banais.

Na verdade, infelizmente, muitos vivem e morrem ouvindo os “outros”, sem que em nenhum momento tentem escutar a si mesmo, sem se perguntar se isso ou aquilo é bom ou não para si próprio. Pensando bem, é mais cômodo colocar a culpa nos “outros”, não é mesmo?

Um dos pontos que quero destacar a respeito desse assunto é sobre o porquê disso tudo. Penso que a origem dessa submissão aos “outros” está baseada principalmente na falta de autoestima. Se isso é cultural para mim não vem ao caso analisar nesse momento, até porque deixo para aos “outros” essa tarefa.

Uma pessoa com baixa autoestima, que possui um baixo juízo de valor acerca de si mesmo, vive submetida àquilo que os “outros” esperam ou pensam dela, o que faz com que não tenha vontade ou opinião própria; que não “dê conta” de ser autêntica com suas qualidades e defeitos; que não possua energia suficiente para contrapor àqueles que desejam dominá-la; torna-la mansa e dependente.

Normalmente, a família é o núcleo originário dessa influência dos “outros”. Quando os pais são críticos demais e não estimulam o crescimento das potencialidades dos filhos, é comum crescer aí a dependência exacerbada do consentimento alheio. Na busca da aceitação pela submissão, isso os impede de desenvolver a criatividade e o senso crítico.

Por outro lado, alguns pais ao superprotegerem os filhos, o fazem repetindo o seu próprio modelo educativo viciado. Se um dos pais, sempre viveu num estado de baixa autoestima, é doentio e comum que tente transferir isso para os filhos: “se comigo foi assim e “deu certo”, por que não dará com você?” É assim que começa o domínio dos “outros”: os “outros” são melhores, os “outros” sabem, os “outros”... E eu, hein!

Pausa para reflexão...

Texto Revisado

Publicado dia 14/4/2018
  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 2



foto-autor
Autor: Willes S. Geaquinto   
Willes S. Geaquinto - Psicoterapeuta, Consultor Motivacional. Com método próprio trabalha com a Terapia do Renascimento promovendo o resgate da autoestima, o equilíbrio emocional e solução de transtornos e fobias. Palestras e Cursos Motivacionais(relação de palestras no site). Contato: (35) 99917-6943 site: www.viverconsciente.com.br
E-mail: willesterapeuta@bol.com.br | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa