auravide auravide

TEMPO DE ANGÚSTIA

por Willes S. Geaquinto

Publicado dia 30/9/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Há tempos venho observando como vivem presentemente os nossos jovens, pois me preocupa, entre outros aspectos, a falta de valor que a vida lhes parece ter. Embora pareçam divertir-se para valer em suas baladas e outros eventos do gênero, percebe-se que muito dessa alegria é falsa, já que é movida a álcool, energéticos e outras drogas similares ou mais mortíferas. Paira uma estranha euforia no ar que, traduzida por suas posturas comportamentais no dia-a-dia, me fazem crer que eles, em sua maioria, na verdade sofrem de angústia e apreensão, desconfortos esses que podem levá-los a desenvolver distúrbios mais graves de caráter e vícios variados.

Quando mencionei este fato numa palestra me foi indagado sobre quais seriam as razões desse fenômeno; quais seriam as suas causas? Dentre outras, prefiro me ater àquela que considero a mais importante: a educação familiar. É notório, de há muito tempo, o despreparo da maioria dos pais para educarem seus filhos. Parece-me até que lhes falta, sobretudo, maior entendimento e comprometimento com essa que, sabemos todos, é uma árdua, mas ao mesmo tempo essencial tarefa.

A realidade de hoje é, por exemplo, diferente de 30 ou 40 anos atrás. Atualmente há muito mais informações disponíveis e, em virtude disso, não é possível realizar uma boa educação sem que se estimule, desde cedo, tanto a criança como o adolescente a pensar e formar um senso crítico para saber escolher aquelas informações que lhes serão mais úteis e saudáveis. Também não há como abdicar dos bons valores e práticas que antes norteavam a educação dos filhos, por força de uma pretensa modernização de costumes que, em grande parte, são nocivos à suas vidas.

É bem sabido, também, que alguns pais, sob a justificativa de “ter que trabalhar para ganhar a vida”, alegam falta de tempo para dedicarem-se à educação dos filhos, como se isso fosse suficiente para desonerá-los da responsabilidade educativa que, consciente ou inconscientemente, assumiram ao “colocá-los no mundo”, como se diz na linguagem popular. Ocorre que a questão não está unicamente ligada ao tempo propriamente dito, mas à qualidade dele e da atenção destinada aos filhos; não basta prover suas necessidades materiais ou enchê-los de mimos supérfluos, se não lhes forem dados valores, bons exemplos, afetividade e limites, elementos fundamentais para que eles cresçam com maior auto-estima, façam melhores escolhas e valorizem mais suas vidas.

Há que se entender também que a apreensão e a angústia dos nossos jovens estão intimamente ligadas à insegurança que sentem em relação à vida presente e futura, à falta de uma estrutura emocional que, a princípio, só uma boa relação familiar pode proporcionar. Por outro lado, não há como ignorar que o meio social também contribui com esse quadro.

Partindo das escolas, em todos os níveis, e da grande mídia, por exemplo, o que há é uma grande incapacidade de transferir valores e estímulos que não sejam aqueles voltados para o imediatismo materialista. Até mesmo a maioria das religiões não têm conseguido transmitir um discurso verossímil que os convença da importância da espiritualidade em suas existências. Então, o que lhes sobra é o vazio. E esse vazio que os faz agressivos, revoltados e confusos acaba por lhes dirigir a existência rumo a fontes passageiras de ilusões, ao mesmo tempo em que lhes abre as portas das práticas autodestrutivas.

Enfim, nesse infeliz contexto, o que chama mais ainda a atenção é a cegueira que acomete, além da maioria dos pais, os educadores, os que detêm algum poder político, enfim, a sociedade em geral que inertes assistem a esse trágico espetáculo como se tudo estivesse na mais perfeita ordem... Em sendo assim, ficam as questões: Não será a angústia que acomete os nossos jovens fruto da nossa sociedade agonizante e corroída em seus valores essenciais? Não estamos hoje todos sofrendo desse mesmo mal?

Boa reflexão para você.

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 21

foto-autor
Sobre o Autor: Willes S. Geaquinto   
Willes S. Geaquinto - Psicoterapeuta, Consultor Motivacional. Com método próprio trabalha com a Terapia do Renascimento promovendo o resgate da autoestima, o equilíbrio emocional e solução de transtornos e fobias. Palestras e Cursos Motivacionais(relação de palestras no site). Contato: (35) 99917-6943 site: www.viverconsciente.com.br
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Não se trata do que eu devo nem do que eu quero...
artigo Infeliz
artigo O sagrado
artigo Tenha uma vida afetiva abundante

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa