auravide auravide

O Vício da Crítica


Facebook   E-mail   Whatsapp

Não sei se vocês já pensaram sobre isso, mas sem muito pensar, cheguei à conclusão de que: entre tantos hábitos que adotamos em nosso convívio social, talvez o da crítica seja o mais fácil de ser exercido. Posto que para criticar não se exija muito da inteligência e nem do bom senso, basta, como disse um leitor assíduo dos meus textos, “é só deitar falação e pronto!” Criticar ou coçar é só começar...

Mormente ninguém exige do crítico alguma fundamentação daquilo que ele está expressando, muito menos destina algum tempo para analisar a veracidade dos fatos ou situações. A verdade que se lixe, não é mesmo? Aliás, existem pessoas, e não são poucas, que se deliciam morbidamente em ouvir o crítico, ainda mais quando o objeto da crítica é um adversário, como acontece na política, ou quando a crítica vai de encontro a alguma postura pessoal condenada ou invejada a priori pelo ouvinte.

Como a preguiça mental está cada vez mais em voga, seja aqui ou alhures, tudo converge para o campo das facilidades do julgamento barato e desprovido de razão. A máxima “não julgueis para não serdes julgados”, há muito foi sepultada, posto que, orgulhosamente, cada um se acha o suprassumo das virtudes e o outro o réu iníquo que deve ser jogado na fogueira inquisitória.
A filosofia do macaco, ou seja, o ato de apontar o mal feito alheio para desviar a atenção das suas próprias imperfeições é tão corriqueiro que, para muitos, isso é normal. Como já citei anteriormente, a inveja, essa venal deficiência, mormente permeia muitas críticas e até mesmo as difamações fortuitas, posto que o invejoso, na tentativa de tirar o foco das suas incompetências e fracassos, utiliza-se destes expedientes para, de acordo com seu ego, nomeadamente doentio, tentar nivelar tudo e todos por baixo. Como se declarasse: “Ninguém presta mesmo!”.

Creio que pessoas conscientes não devem ser coniventes com críticas irresponsáveis e perniciosas, versem elas sobre o que for. Devem isto sim, aprimorar o senso analítico e qualificar melhor aquilo que ouvem, prestando atenção principalmente naquele que é o arauto das críticas, observando sua idoneidade, seu caráter e, sobretudo, as ideias que defende e as posturas que adota na vida em geral.
Enfim, a verdade é que a crítica em si sempre existiu e sempre existirá. Ocorre que para não fazermos parte, mesmo que passivamente, desse círculo vicioso e destrutivo, temos que estar aptos a fazer de vez em quando a nossa própria autocrítica, pois, normalmente, os críticos mais sagazes e doentios menosprezam a inteligência daqueles que lhes dão atenção.



Texto revisado
Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 8


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Willes S. Geaquinto   
Willes S. Geaquinto - Psicanalista,Psicoterapeuta, Consultor Motivacional. Trabalha com a Terapia do Renascimento promovendo o resgate da autoestima, o equilíbrio emocional e solução de transtornos, fobias,etc... Palestras e Cursos Motivacionais(relação de palestras no site). Contato: (35) 99917-6943 site: www.viverconsciente.com.b
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Psicologia clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa