Home > Autoconhecimento
A conquista do equilíbrio emocional

A conquista do equilíbrio emocional

por Thais Accioly

Você já se sentiu em desequilíbrio emocional?
Quem nunca, não é?
Quando em desequilíbrio emocional você tentou voltar ao bem-estar rapidamente e sentiu dificuldade?
Sim, não é? Esforçar-se pode não ajudar em nada e até piorar o quadro emocional. Alguns recorrem aos exercícios mentais, que, isoladamente, também, podem não ser totalmente eficazes.

Sobre a mente racional por sinal há algo interessante a se apontar: desde o século XVII começamos a endeusar a Razão, achando que ela sozinha nos libertaria de nossos piores instintos, do emocionalismo, da escravidão pessoal e coletiva. De lá para cá a ideia era submeter a emoção e os instintos à razão, que seria a grande administradora do ser.

Sabemos bem que a emoção desacompanhada da razão pode levar à loucura, e há exemplos terríveis de pessoas que cometem desatinos quando tomadas por fortes emoções, como as que cometem assassinato numa crise de cólera. Assim, fez sentido, quando no século XVII, após longo período de obscurantismo e ignorância brutal, buscou-se na razão a luz necessária para tirar a civilização do caos em que vivia, sujeita a tiranias, miséria e péssimas condições de vida.

Mas ao olharmos para o século XX constatamos que não adiantou apenas a razão para nos libertar e trazer felicidade social, pois, assistimos e sofremos, no século passado, a ação de líderes tão cultos e inteligentes quanto frios e sanguinários, como Hitler e Sadam Hussein, para citar apenas dois dentre tantos lideres com semelhante perfil.

A partir dos avanços da psicologia e da neurociência descobriu-se que era preciso equilibrar a emoção e a razão, porque a razão desacompanhada de sensibilidade emocional torna-se fria, ácida e desumana.

Pois bem, até um tempo atrás, eu mesma entendia que isto bastava, ou seja, que deveríamos alcançar equilíbrio por meio desse binômio razão/emoção: de um lado a razão pondo ordem e sentido à emoção, e de outro lado a emoção levando inspiração e sensibilidade à razão. Mas o equilíbrio muitas vezes, ainda assim, tornava-se distante. Uma vez que, razão e emoção buscam alívio de formas diferentes e precisam de recursos diversos para se estabilizar. O sofrimento mental ou emocional tende a persistir, bem como traumas tendem a permanecerem ativos e mágoas agitam o interior humano, mesmo que se busque o equilíbrio entre a razão e a emoção.

Veja só, a linguagem utilizada pela razão e a linguagem utilizada pela emoção são muito diferentes, e esse ponto é crucial para a compreensão a respeito da dificuldade em se obter o equilíbrio emocional através do binômio: razão/emoção. A linguagem racional busca a lógica e esta não é uma linguagem que a emoção entenda. Cito um exemplo: se é fácil fazer um exercício mental e dizer para si mesmo: "acalme-se!", é difícil para a emoção acompanhar o raciocínio lógico e obedecer. A linguagem da emoção é a arte, a poesia, mostra-se através das expressões faciais e corporais, do tom de voz e não necessariamente do que é dito. Olha só a encrenca aqui armada. É preciso um intérprete entre as duas para que se entendam e possam se equilibrar e fortalecer.
É preciso conhecer e educar as emoções para que a mente as reconheça e discrimine. Isso facilita a busca do equilíbrio. Para tanto é necessário que nos dediquemos a perceber o que sentimos, a fim de ampliar nosso vocabulário emocional.

O meio adequado é parar de só olhar para fora e mergulhar intimamente, descortinando o universo interior, mas não numa perscruta mental, precisamos de novos recursos aqui, como a meditação e a arte em todas as suas expressões, por exemplo. Além de dedicar tanta atenção educacional às emoções quanto dedicamos à razão. E veja só, nós dedicamos boa parte da nossa infância, adolescência e início da vida adulta frequentando instituições de ensino que se propõem a educar a mente. Buscamos educação para nos profissionalizarmos. Falta-nos o mesmo empenho com relação às emoções. Essa é uma dimensão interna desconhecida da maioria das pessoas.

Boa parte de nós, no que concerne ao autoconhecimento emocional, é ignorante de si e, quando em sofrimento procura os consultórios de coaching, de psicólogos, ou remédios para tentar calar a voz emocional, mas não pratica um exercício constante de autoeducação emocional. Sequer há escolas especificamente destinadas a esse tipo de ensino desde a infância, e no que concerne ao autoconhecimento, esse é um empenho que deve ser constante e desde o início da vida.
Mas mesmo sendo imprescindível, o autoconhecimento emocional é apenas mais um passo na busca do equilíbrio emocional, pois, além dele e do desenvolvimento paralelo da mente é preciso estabelecer a comunicação ideal entre eles e ela ocorre em outro ponto do ser, no "coração".

Em 1997, comecei a entender esse novo caminho para trazer o equilíbrio emocional almejado, acessando este novo ponto, para além do binômio razão/emoção.
Participei, naquele ano, de um curso chamado A Alquimia do Coração, ministrado no Brasil pelo Steve Johnson, produtor das essências florais do Alaska. Nesse curso ele apresentava o conhecimento de que as forças do "coração", quais sejam: o amor, o perdão, a gratidão, a generosidade, a compaixão, são como um dínamo curador de toda mazela emocional, além de serem importantes "nutrientes" para o processo da mente, humanizando-a. Era o coração afetivo e amoroso abrindo alamedas para o bem-estar e atuando como interlocutor da mente e da emoção.
Esse aprendizado trouxe uma guinada à minha vida profissional e ao meu entendimento sobre cura e saúde.

Naquela época eu ainda era Fiscal Federal, e foi a partir desse curso sobre a cura através do "coração", que decidi mudar meus rumos profissionais e pessoais, passando a usar as Essências Florais, que eu já estudava há anos, na rotina de meu trabalho, para pouco tempo depois, desligar-me do funcionalismo público federal e dedicar-me exclusivamente à pratica do uso das essências florais dentro de um programa de promoção da saúde e prevenção de doenças, como Terapeuta Floral, atendendo em consultório, dando aulas, e mais tarde formando novos terapeutas.

A partir daquele curso onde o "coração" era apresentado, em sua dinâmica afetiva, como a sede do sagrado e aonde a alquimia da vida florescia, foi mais fácil entender as premissas do Dr. Edward Bach, criador das primeiras essências florais, os conhecidos Florais de Bach, de que quem ama verdadeiramente a si e a sua vida, a algo ou alguém, amplia sua possibilidade de estar feliz e entusiasmado e estas são condições centrais para o desenvolvimento de uma boa saúde geral.
Lembrando que amar é verbo transitivo direto e exige ação direta no mundo para sua completa expressão.

Dali para frente, a percepção só ficou mais clara de que o movimento mais interessante a se criar, para haver equilíbrio emocional, precisava ter quatro dimensões que se interligassem num ponto comum e não apenas duas, razão/emoção, como eu inicialmente pensava, pois, o equilíbrio melhor se faz na ação de quatro instâncias interiores: emoção, razão, afetividade e espiritualidade, tendo como ponto convergente o "coração".
E a linguagem do "coração" é acolhedora, amável, universal e passível de ser plenamente compreendida tanto pela mente quanto pela emoção, só requer treino .

Para termos a razão e a emoção em comunicação perfeita, o "coração" deve ser preenchido com expressões de afetividade amorosa, e de todas as demais dela decorrentes: gratidão, altruísmo, compaixão, generosidade, sensibilidade, capacidade de perdoar, fraternidade, humildade e, esta afetividade, só pode ser conquistada se nos espiritualizarmos, pois, o amor é, também, profundamente espiritual, e impossível de se expandir, plenamente, cerceado por crenças e desejos céticos e materialistas.

O amor que se prende numa proposta racional e materialista de se ver e viver a vida, rapidamente se confunde com apego, medo, angustias, aflição, ansiedade, tensão, e quando contrariado enfurece, deprime, adoece, perde-se o foco do seu desenvolvimento, e sem sua participação ativa, não há como serenar as emoções em turbulência.

Espiritualizar-se significa aqui perceber que a vida material, bem como Aquele que a criou e o espírito que a anima, tem um sentido e uma direção para além do nascer, viver e morrer. Que há um sentido transcendente e inteligente em toda vida e que este sentido é o próprio Amor em ação.

Quando a razão e a emoção, a afetividade e a espiritualidade, estão em equilíbrio, percebe-se que a mente está a serviço do "coração", bem como as emoções, e que o "coração" está a serviço não dos instintos e paixões, mas do amor espiritualizado, onde a interlocução de todas as partes de nosso ser acontece.

Temos aqui o surgimento da inteligência afetiva trazendo um novo sentido às experiências vividas e sentidas, e um renovado senso de pertencimento, nos resgatando como seres humanos dos desequilíbrios emocionais e mentais, elevando nossa condição pessoal para a de maturidade e equilíbrio pessoal, levando-nos à lucidez e à sabedoria, e consequentemente a uma melhor autoestima também.

O caminho requer comprometimento com o autoconhecimento, com a escolha de desenvolver-se emocionalmente, conhecendo-se, descobrindo como se sente, fazendo sempre uma ponte com o "coração", que deve se desenvolver nas áreas de generosidade, da compaixão e das magnitudes dos afetos humanos.

Nessa jornada eu conto com o apoio da respiração ritmada e com a atenção plena, com a observação serena da natureza, com a meditação em compaixão, com o uso das essências florais apoiadoras do processo de desenvolvimento da inteligência afetiva, com as orações e a reflexão, juntamente com a busca de ações éticas e amorosas e com a correção daquilo que em mim percebo que está fora do objetivo de minha busca por um bem-estar integral.

Os exercícios físicos e a alimentação mais natural e adequada são, também, bem-vindos.
É bom saber que a conquista do equilíbrio emocional, praticado dessa forma, é libertador.
Um caminho que vale a pena trilhar!


Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   Numerologia  
 
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação: 3 | Votos: 238
Atualizado em 22/03/2018 10:12:19

Thais Accioly é especialista em Terapia Floral pela Escola de Enfermagem da USP.
Professora da Pós Graduação em Terapia Floral na Escola de Enfermagem da USP.
Professora da Flower Essence Society/CA EUA no Brasil.
Professora da Bush Flower Essences/AU no Brasil.
Consultora em Cultura de Paz.
11 3263 0504
Visite meu blog e Conheça o Interativo dos Florais.
Email: thaisqaccioly@hotmail.com
Visite o Site do Autor

Veja também
Como posso enfrentar a Grande Conjunção em Capricórnio?
Você é auto abusivo?
Toques conscienciais para uma amiga triste com a dor da perda
Consciência é vida e vida é consciência
Será que o Reiki pode me ajudar?
Obesidade: como tratar?


Deixe sua opinião sobre este artigo


© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo do Site.


Energias para Hoje
segunda-feira, 21 de outubro de 2019

energia
I-Ching: 19 – LIN – APROXIMAÇÃO
É tempo de alegria e esperança. Trabalhe, seja perseverante e deixe que os outros se aproximem, pois agir em conjunto será muito benéfico.


energia
Runas: Kenaz
Abertura de caminhos, iluminação e proteção.


21
Numerologia: Otimismo
Cante hoje, mesmo que seja intimamente. Encontre seu melhor sorriso e o mantenha. Ria mesmo das dificuldades será bem fácil superá-las hoje. Dê atenção especial a si mesmo e irradie alegria àqueles que encontra.




Horóscopo

Áries   Touro   Gêmeos   Câncer
 
Leão   Vírgem   Libra   Escorpião
 
Sagitário   Capricórnio   Aquário   Peixes





 
© Copyright 2000 - 2019 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa