auravide auravide

Psicossomática VII: A família que adoece


"Aprendemos nossos sistemas de crenças ainda pequenos e depois vamos pela vida, criando experiências que combinem com essas crenças"

A hierarquia familiar até poucos anos atrás era uma estrutura rígida, seguindo padrões matriarcais ou patriarcais, onde ainda hoje encontramos filhos e netos frutos dessa estrutura familiar e suas consequências.

Quando há uma família disfuncional, ou seja, conflitos, brigas e desarmonia, um membro tenderá a sintetizar a patologia da família, que muitos chamam de bode expiatório. Geralmente quem adoece é o mais sensível, como se representasse toda a família, ou sua dinâmica. Há famílias onde apenas um membro não consegue assumir toda carga e outro também adoece, sendo alguém com que se tenha um vínculo afetivo mais forte, e os dois adoecem; ou ainda, quando um fica curado, outro adoece. Todo esse processo acontece inconscientemente como forma de manter algum vínculo através da doença.
Há muitos casos em que, após um falecimento, toda família se separa, como se a doença fosse o único vínculo que os mantinha juntos.
Mas há algumas características estruturais familiares que geram ou podem facilitar a psicossomatização:
- Famílias onde não ocorre a verbalização de emoções e de afetos, considerando que pelo fato de todos estarem juntos não é necessário falar o que se sente;
- Famílias onde os contatos corporais são raros ou inexistentes, sendo que as trocas emocionais e físicas só ocorrem através de presentes;
- Famílias que se desdobram em atenção para alguém quando este se encontra doente, ou seja, é transmitida a mensagem que ficar doente é bom, pois assim se recebe atenção;
- Quando ocorrem na família mensagens contraditórias, incoerentes, ou seja, a criança pergunta por que a mãe está chorando e esta responde que não está chorando, ou que é "impressão";
- Quando a rigidez e coerção são muito altas, havendo castigos, brigas, comparações;
- Quando existe o medo:
- de mostrar sentimentos, emoções e desejos entendidos como "errados, vergonhosos, feios";
- de não corresponder à expectativa muito elevada dos pais, podendo adoecer para ser poupado da crítica;
- de não ser cuidado e amado o suficiente, estando bem de saúde, ou seja, se não ficar doente poderá ser abandonado;
- de ser punido por estar bem, como se fosse pecado ter saúde;
- da morte, e estando doente e se cuidando sente como se tivesse a morte sob controle; (mais comum em idosos)
- Religiosidade: Pode ser interpretada de forma extremamente castradora e a pessoa adoece como forma de purificação, ou ainda, a disseminação da culpa que está muitas vezes relacionada com a cultura religiosa;
- Dependência química: ela em si já aponta uma desorganização familiar que ao mesmo tempo favorece o surgimento de outras desorganizações.

Podemos perceber que a doença pode ser uma forma encontrada para que as pessoas de uma família estejam próximas e mostrarem afetos, mas podemos perceber com frequência, que durante o surgimento da doença, todos podem se aproximar, e em seguida se separam novamente. Mas será que precisamos chegar a uma doença para ter proximidade?

É importante salientar nas manifestações psicossomáticas a sua correlação temporal com determinados acontecimentos ou datas. Os acontecimentos se referem a uma perda real como morte de um ente querido, ou situações equivalentes como mudanças, divórcio, separações de casais, desemprego, crises, etc.. Por exemplo, é comum uma pessoa adoecer, anos depois, na mesma data em que o pai faleceu. As datas, ou são datas de significação universal como Natal, Ano Novo, ou específicas, como o dia do aniversário, ou ainda, uma data que marca repetidamente uma situação traumática ocorrida anteriormente. O que reforça a somatização frente a situações de perda e a dor que estas implicam.

Essas informações não são colocadas com o intuito de buscar culpados, mas sim de entender a origem de alguns conflitos com os quais temos dificuldade em lidar; assim como rever a forma pela qual muitos pais, ainda hoje, mesmo com tanta informação, educam seus filhos, podendo repetir padrões antigos de educação sem perceberem que estão fazendo aquilo que prometeram a si mesmos nunca mais repetirem.



estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 3


zago
Rosemeire Zago é psicóloga clínica CRP 06/36.933-0, com abordagem junguiana e especialização em Psicossomática. Estudiosa de Alice Miller e Jung, aprofundou-se no ensaio: `A Psicologia do Arquétipo da Criança Interior´ - 1940.
A base de seu trabalho no atendimento individual de adultos é o resgate da autoestima e amor-próprio, com experiência no processo de reencontrar e cuidar da criança que foi vítima de abuso físico, psicológico e/ou sexual, e ainda hoje contamina a vida do adulto com suas dores.
Visite seu Site e minha Fan page no Facebook.
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Corpo e Mente clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa