auravide auravide

Maternidade



Como a grande maioria das portadoras de Turner, não posso ter filhos e acho que lido bem com esta questão. Isso me faz lembrar de Lilith, a primeira esposa de Adão, personagem do qual pouco se fala, e que era uma mulher que não desejava ser mãe. Não é para menos. É realmente difícil cuidar de alguém, ser responsável pela educação de uma criança. Cuidar de si mesmo(a) já me parece ser uma tarefa suficientemente desafiadora. Até parece que estou querendo fazer apologia da opção de não ser mãe. Não é esta a minha intenção. Apenas quis dar a entender que a nossa sociedade mitifica, romantiza a maternidade. Ser mãe ou não são opções. Nós, mulheres, não deveríamos nos sentir pressionadas pela sociedade a optarmos pela maternidade. Também não deveríamos sentir que nos falta algo como mulheres se não somos mães.

Apesar de sempre ter lidado bem com o fato de que não posso ter filhos, uma frase de Amma, guru indiana, a respeito desta questão aqueceu o meu coração: “A essência maternal não se restringe às mulheres que dão à luz; ela é inerente tanto ao homem quanto à mulher. É um estado de espírito. É o amor, e o amor é o próprio sopro da vida.” Não nego que já sonhei ter um(a) filho(a) biológico(a). Eu tenho olhos verdes e o meu marido é descendente de japoneses. Ele tem lindos olhos – grandes e cor de âmbar, dependendo da luminosidade. É claro que eu adoraria dar ao meu amor uma filha cujos olhos fossem uma mistura dos nossos! Acho que ela seria linda! Mas isso não é tão importante. Há algum tempo eu assisti na televisão a uma propaganda para o dia das mães na qual havia imagens de mães com os seus filhos e dizeres como “parto natural”, “cesariana” e “nenhuma das anteriores”. O locutor disse: “Existem várias maneiras de ser mãe”. Eu me emocionei. “Sim, posso ser mãe” – foi o que pensei na ocasião. Hoje em dia tenho consciência das dificuldades que envolvem ser mãe ou pai e penso que procurar fazer o bem para uma ou várias crianças, contribuindo de alguma maneira para a sua educação e bem-estar, é uma maneira de exercer a maternidade. E é claro que existem muitas outras maneiras de exteriorizar esta energia. Como a mestra Amma disse, a essência maternal é o amor. Então é possível exercer a maternidade ou paternidade de muitas formas. Por exemplo, é possível servir à Vida ao realizar qualquer atividade criativa. Para aqueles que têm vocação para as áreas da educação, da assistência social ou da saúde, é evidente que a essência maternal / paternal encontra-se presente. É claro que quando procuramos fazer algo de bom por nossos semelhantes o amor, de que falaram Amma e Jesus, está ali.

Como já comentei, hoje eu tenho consciência de que ser mãe é muito difícil. Muitas mães dizem que mesmo quando tudo está indo bem, não é fácil. E não quero desestimular aqueles que desejam adotar uma criança, mas não posso deixar de observar que este é um caminho que apresenta muitas dificuldades. Cada caso tem as suas particularidades. Existem casos de adoção em que o relacionamento entre pais e filhos é muito bom, tranquilo. Mas também existem inúmeros casos em que a convivência não é nada fácil. Então são muitos os casos em que os pais adotivos acabam desistindo da adoção, principalmente durante o período de adaptação. Os números são alarmantes. E não é o caso de julgar estas pessoas. É muito difícil lidar com pessoas que têm traumas e que muitas vezes têm problemas psíquicos relacionados a isto. Mesmo que a adoção aconteça quando a criança ainda é um bebê o trauma da separação da mãe fica no inconsciente e problema psicológicos ou psiquiátricos podem mais tarde se manifestar, e de fato se manifestam em muitos casos. Apesar de todos estes fatores, não sou contrária à ideia da adoção, muito pelo contrário. Afinal, existem muitas crianças e adolescentes que precisam de uma família. Mas a adoção exige uma série de cuidados para que seja bem sucedida. É importante que a criança ou adolescente e os adotantes sejam bem preparados antes da adoção, com a ajuda de profissionais. No nosso país muitas vezes as adoções são feitas às pressas, o que está longe de ser o ideal. Então é importante que os candidatos a pais adotivos não se apressem e perguntem tudo o que acharem necessário sobre a criança ou adolescente que pretendem adotar. Também é aconselhável que os adotantes deixem claras as suas expectativas quanto à(s) criança(s) que pretendem adotar e que tenham consciência das limitações que têm como futuros pais. Por exemplo, adotantes mais maduros iriam ter dificuldade para lidar com uma criança pequena, pois já não têm a energia de pessoas jovens. Afinal, a adoção é uma decisão que deve ser tomada no seu próprio tempo e de maneira consciente. Em poucas palavras, é importante o apoio de profissionais da área da psicologia antes, durante e depois do processo de adoção.

Não importa se trata-se de um filho(a) biológico(a) ou adotado(a), de qualquer maneira é muito importante que aqueles que decidem ser pais estejam preparados para isso. De qualquer maneira as dificuldades surgem, principalmente durante a adolescência. Isto não é nenhuma novidade. Ser pai ou mãe requer muita disponibilidade em vários sentidos, maturidade, estabilidade emocional… Então é claro que eu entendo aqueles que optam por não ter filhos.

Em primeiro lugar, para ter maturidade e estabilidade emocional é preciso ter uma boa autoestima. Não é nenhuma novidade o fato de que uma criança ou adolescente pode tirar um adulto do sério. Mais do que isso, se o pai ou mãe não tem uma boa base emocional é possível que seu(ua) filho(a) o(a) desestabilize. Então é necessário encontrar a sua força interior, o seu “centro”. Como está a sua autoestima?

É importante que aqueles que decidem ter filhos estejam preparados para amar. Isso é lindo e é muito difícil. Muitas mães e pais dizem que, ao ter filhos, passaram a sentir um amor que nunca antes imaginaram. Mas nem sempre é assim. Pouco se fala sobre a depressão pós parto ou pós adoção. (1)  Como gosto de dizer, estamos neste planeta para aprender a amar melhor. Esta frase não é minha,  eu li isto em algum lugar. É verdade, o amor é um longo aprendizado, é um longo caminho. Geralmente não aprendemos a amar de uma hora para outra. E somos todos seres humanos, falíveis. Portanto, assim é o nosso amor. Só os seres iluminados  aprenderam a amar de forma realmente incondicional.
 
É claro que ter filhos traz alegrias. O afeto, a gratificação ao saber das conquistas do filho(a), o sentimento de continuidade… Mas existem as dificuldades, que não podem ser ignoradas. Nem sempre o amor incondicional acontece de maneira fácil e espontânea. É preciso tirar a “aura romântica” que envolve a maternidade / paternidade. Para começo de conversa, quem disse que o “instinto materno” existe? Muitas pessoas podem sentir um profundo impulso para ser mãe ou pai, outras não. Para muitas pessoas criar um vínculo com seu filho ou filha é muito difícil. Fala-se pouco sobre a depressão pós-parto ou pós-adoção.(1) Mas é necessário refletir sobre estes temas. Você tem tendência à ansiedade e / ou à depressão? Será que você precisa do apoio de um(a) psicólogo(a) e / ou de um(a) psiquiatra? Com a ajuda de profissionais, você se sente preparado(a) para enfrentar o desafio da maternidade / paternidade? Esta é uma reflexão que merece ser feita com muita seriedade, pois trata-se de uma decisão que envolve uma criança.

Ser mãe ou pai é um compromisso, talvez o último compromisso que ainda existe em tempos de “amores líquidos” (expressão utilizada pelo filósofo Zygmunt Bauman). Isto é pesado! Hoje em dia os relacionamentos são muito instáveis. Inclusive muitas pessoas têm filhos e não os assumem, por várias razões… Mais uma vez, não é o caso de julgar estas pessoas. Sim, existe em nossa cultura o princípio de que não se desiste de um(a) filho(a). Mas princípios são algo “engessado”. E se alguém decidiu não assumir um(a) filho(a) e esta decisão foi o melhor para todos os envolvidos? É complicado tratar deste tema…

Hoje eu tenho consciência de que ser mãe ou pai também é estar pronto para o que der e vier. Eu li em algum lugar que “adotar é dar um lar a uma criança, independentemente dos resultados”. Estar pronto(a) para tudo também tem um peso muito grande! Decidir ter um filho(a) (para aqueles que tomam esta decisão de maneira consciente) é um ato de coragem e ao mesmo tempo de esperança, fé na vida… Ou seja, ter filhos exige muito dos pais, inclusive espiritualmente. Além disso, é claro que existem exigências intensas nos planos físico e emocional. Realmente não é fácil! Ninguém disse que é fácil!

Também é necessário refletir sobre o peso da responsabilidade. E se o filho decepciona os pais? Os pais se culpam muito! “O que eu fiz de errado?” – é uma frase clássica. É claro que os pais têm responsabilidade pela educação dos filhos, mas esta responsabilidade está longe de ser absoluta! Principalmente durante a fase da adolescência, a influência dos amigos e da sociedade é grande. Isto sem falar que muitos adolescentes espelham-se em seus ídolos ou sentem-se mais à vontade para conversar com outros adultos, que não são seus pais – professores, madrinha, tia… Isto pode ser saudável, é claro. Só quis ressaltar que a responsabilidade dos pais não é total, não pode ser. O(a) filho(a) é outro indivíduo e vai ter vida própria. Se o caminho escolhido pelo(a) filho(a) é uma decepção para os pais, em muitos casos só resta a eles a aceitação. E este também não é um caminho fácil...

Lisa Nichols, especialista em carreira, escritora de sucesso, CEO e palestrante motivacional, conta uma história que me marcou muito no seu vídeo “Speak and Inspire” (“Fale e inspire outras pessoas”, em uma tradução livre), na plataforma Mindvalley(2). Ela foi mãe solteira e quando o seu filho era bebê a sua situação financeira era muito precária. Lisa conta que certa vez ela não tinha dinheiro para comprar fraldas e foi obrigada a enrolar o seu bebê em toalhas. Na ocasião ela disse para o seu menino: “A mamãe nunca vai ficar tão ‘quebrada’ assim de novo!” E ela acabou prosperando. A palestrante também observou que uma criança nas condições do seu filho provavelmente iria seguir o caminho do crime. “Não sob a minha supervisão” – falou ela. É necessária uma grande força interior para que assim seja. Será que eu tenho esta força? Acho que não. Se ter autodisciplina é uma das minhas dificuldades, como poderia exigir isso de uma criança? E eu reconheço que tenho dificuldade para exercer a autoridade. Será que você tem esta força? Como está o seu auto controle, a sua auto disciplina?

E o que podemos falar sobre dar limites a uma criança ou adolescente? É claro que isto é necessário, mas é preciso dosar a disciplina e ao mesmo tempo transmitir amor para um(a) filho(a). Não é nada saudável ser controlador(a), não é verdade? Muitas vezes é necessário explicar por que a resposta ao pedido de um(a) filho(a) foi “não”, o que pode ser cansativo. Mas isso é necessário, faz parte de respeitar a individualidade do outro. Tudo isso é muito difícil, sem dúvida. É difícil equilibrar disciplina e amor, tornando-se uma figura de autoridade saudável para uma criança ou adolescente, e não uma figura autoritária. Quando se trata de um(a) adolescente ou criança muito desafiador(a) isto pode ser extremamente difícil, pois a necessidade de tentar controlá-lo(a) pode surgir. E, como já comentei, não é saudável ser um(a) mãe ou pai controlador(a). Mas é possível aprender a lidar melhor com uma criança ou adolescente rebelde. Neste caso pode ser necessária a ajuda de profissionais, além de muitas orações, mantras, meditação… Talvez exercer a maternidade / paternidade seja o exercício de zen budismo mais difícil, mais desafiador que existe.

Dizem que os filhos precisam que seus pais confiem neles. Confiar, isto também não é algo tão simples assim, pois é natural que os pais pensem na imaturidade dos seus filhos e nos perigos do mundo...

Muitas mães e pais se preocupam muito com os seus filhos, o que é compreensível. Então, como já observei anteriormente, decidir de maneira consciente ser pai ou mãe é um ato de fé na Vida e que exige grande coragem.

Ser mãe ou pai requer uma abnegação, uma generosidade imensas… A paternidade ou a maternidade implicam em renúncias, sacrifícios... Mais uma vez, esta abnegação não é, não deve ser algo absoluto. Então é importante para quem decide ter filhos (de maneira consciente) questionar-se: “Eu sei cuidar bem de mim mesmo(a)? Eu deixo de lado aspectos importantes da minha vida: a espiritualidade, cuidados com o meu corpo ou vida social? Eu ofereço a mim mesmo(a) o tempo de que eu preciso para fazer o que amo? Eu não vou sentir que estou sacrificando a minha vida ao ter um(a) filho(a)? Em outras palavras, eu me amo o bastante para ter amor a oferecer para alguém que dependerá totalmente de mim?” Sim, pois o amor é abundância, é transbordante… É fácil falar tudo isso, o difícil é percorrer o caminho até chegar lá! E é claro que ser mãe ou pai não significa abrir mão da sua própria vida para dedicar-se ao(à) seu(ua) filho(a). Todo ser humano precisa de tempo para si e para fazer o que ama, precisa ter suas amizades, precisa ter vida própria, enfim. É necessário cuidar bem de si mesmo(a) para então poder cuidar de outra pessoa. E é um peso muito grande para um filho(a) se ele(a) chegar à conclusão de que sua mãe ou seu pai abriram mão de suas vidas por ele(a).

Finalmente, depois de todo o trabalho de criar um(a) filho(a) é necessário o desapego, deixa-lo(a) seguir seu próprio caminho. Como escreveu Khalil Gibran, “vossos filhos não são vossos filhos. São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma. Vêm através de vós, mas não de vós. E embora vivam convosco, não vos pertencem.”  

Parece que eu escrevi sobre o pai ou mãe perfeita(o), não é? Mas é claro que a mãe ou pai perfeito(a) não existe. Na psicologia existe o conceito de “mãe suficientemente boa”. Um pai ou mãe certamente vai errar inúmeras vezes e precisará perdoar-se por isso, além de aprender com seus erros. Tudo isso também não é nada fácil. ?Outra reflexão: se você quer ser pai / mãe, qual é a sua motivação? Você tem este sonho porque genuinamente quer cuidar e contribuir para a formação de outro ser humano? Você também quer aprender com o relacionamento com o(a) seu(ua) filho(a)? Você tem muito amor para dar? Então é isso… Ser mãe ou pai é uma tremenda aventura, talvez a maior aventura pela qual um ser humano pode passar. Ou seja, nunca se sabe o que pode acontecer, podem acontecer altos e baixos… Isso acontece em qualquer relacionamento… Você está preparado(a)? Dizem que ninguém está… Quem sou eu para escrever sobre a questão da maternidade? São apenas reflexões...

 “Filho é um ser que nos foi emprestado para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo” (Autor desconhecido)

1 - “Depressão pós-adoção: superando os imprevisíveis desafios da adoção” – co-autora Karen Folin
- "Como superar a depressão pós-parto” https://soumamae.com.br/como-superar-depressao-pos-parto/
- "Depressão pós-adoção"   https://soumamae.com.br/depressao-pos-adocao/
- "Depressão pós-adoção”   https://temosquefalarsobreisso.wordpress.com/2015/06/21/depressao-pos-adocao/

 2 -Lisa Nichols na plataforma Mindvalley: https://www.mindvalley.com/lisa-nichols

Para saber mais:

- “Sobre filhos adotivos” (João Carvalho Neto, psicanalista) https://www.somostodosum.com.br/clube/artigos/autoconhecimento/sobre-filhos-adotivos-40529.html
- “Filhos adotivos, pais adotados?” (Paulo Salvio Antolini) https://www.somostodosum.com.br/clube/artigos/autoconhecimento/filhos-adotivos-pais-adotados-32485.h...

Dicas de leitura:

- “A trilha menos percorrida” - M. Scott Peck
- “A graça bate à sua porta” - Max Lucado


Publicado dia 28/2/2021
  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1



foto-autor
Autor: Patricia M. Barros   
Sou jornalista e advogada. Atualmente sou funcionária pública e estudante de psicologia e psicanálise. Sempre me interessei por questões que envolvem comportamento e o desenvolvimento pessoal. Espero contribuir um pouco para o bem-estar e felicidade de algumas pessoas!
E-mail: patriciambarros@zipmail.com.br | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa