Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Autoconhecimento II

Autoconhecimento II Publicado dia 4/10/2018 10:41:14 AM em Almas Gêmeas

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Já sabemos que é muito difícil fazer uma reflexão com o intuito de se conhecer mais e mais, e como tendemos a fazer o que é mais fácil, vamos querendo conhecer o outro quando nem conhecemos aquilo que vai bem dentro de nós. Passamos tantos anos agindo de acordo com o que esperam de nós, que acreditamos ser esse nosso próprio jeito de ser. Somos tão incentivados à competição, a querer ser e ter mais que o outro, que nessa busca desenfreada acabamos por esquecer de nós mesmos. O homem procura tanto elevar-se acima do homem, quando poderia se preocupar em elevar-se acima de si mesmo, aperfeiçoando-se em cada momento, mas esse é um longo e difícil processo.

Quando conhecemos alguém, queremos saber tudo sobre essa pessoa, mas o quanto você sabe sobre si mesmo? Para quem acredita que já sabe tudo sobre si mesmo, vale lembrar que nem sempre somos aquilo que parecemos ser.

O autoconhecimento faz parte de um processo para o resto da vida, ou seja, não há um momento em que podemos parar porque já nos conhecemos o suficiente. Sempre há o que descobrir, pois o autoconhecimento requer uma constante auto-reflexão, uma vez que nos estimula a manter contato profundo e significativo com nosso eu mais verdadeiro, o qual Jung chama de self. Devemos ouvir o que podemos chamar do próprio silêncio. Mas quantas vezes buscamos nos ouvir, e acabamos por desistir e ignorar aquilo que sentimos por permitirmos que outras preocupações nos desviem de nosso foco? O autoconhecimento requer mesmo um constante exercício, sem medo de olhar para dentro de nós. Não há dicas nem receitas para buscar o autoconhecimento, mas podemos começar refletindo sobre tudo que envolve esse longo processo.

Faz parte do processo de autoconhecimento:
Conversar consigo mesmo;
Identificar os sentimentos;
Não reprimir sentimentos, principalmente os negativos;
Identificar a necessidade da busca por reconhecimento, aprovação e agradar;
Aprender a dizer "não posso, não quero, não vou, não sinto" ou ao menos identificar quando sentiu vontade de dizer não e não conseguiu;
Ser flexível, pois o autoconhecimento proporciona maior visão de si mesmo, do mundo, das pessoas;
Acreditar na capacidade de mudar o que quiser;
Ser responsável pela própria felicidade, saindo assim do papel de vítima e infinitas lamentações;
Exercitar a humildade. Quem entende o processo de autoconhecimento sabe que "não sabemos nada", e temos muito que aprender, e "o pouco que sabemos", devemos doar àqueles que ainda não sabem sequer esse pouco;
Questionar as crenças que nos foram transmitidas como verdades absolutas;
Libertar-nos das prisões da ignorância sobre si mesmo;
Aprender a ouvir os próprios desejos, sentimentos, enfim, sua própria voz, valorizando a intuição;
Controlar as emoções, pois as identifica com mais facilidade;
Identificar s máscaras e continuar a usá-las, porém conscientemente;
Dizer mais não para os outros e menos para si mesmo;
Transformar as culpas em responsabilidades;
Sentir paz interior.

E não é só isso não, esses são apenas alguns aspectos, e como podemos perceber temos que arregaçar as mangas e trabalhar muito para atingirmos aquilo que está tão perto de nós, mas que agimos como se estivesse muito, muito distante. Mas qual o benefício de tanto trabalho? Menos conflitos! Menos culpas! Menos arrependimentos! Menos mágoas! Menos relacionamentos destrutivos! Menos doenças! Menos medo e manipulações! Menos repetições de padrões!

O autoconhecimento nos permite perceber tudo que necessitamos transformar, pois amplia nossa consciência sobre nossos potenciais até então adormecidos, para que possamos vir a ser aquilo que somos em essência e esse pode ser nosso melhor caminho!

Por tudo isso, arregace as mangas e procure conhecer mais de você mesmo. E se não conseguir fazer esse processo sozinho, procure ajuda de um psicólogo. E lembre-se: olhar para dentro de si não é sinal de fraqueza como muitos dizem, muito pelo contrário, é preciso muita coragem para olhar para as próprias feridas, mas só assim conseguirá permitir que elas se cicatrizem.


por Rosemeire Zago


Leia Também

Autoconhecimento I: Você se conhece?

Autoconhecimento III

Autoconhecimento IV

Autoconhecimento V

Autoconhecimento VI

Autoconhecimento VII

Autoconhecimento VIII


Obrigado por votar

O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Consulte grátis

Mapa Astral   Tarot   Numerologia  


Sobre o autor
Rosemeire Zago é psicóloga clínica CRP 06/36.933-0, com abordagem junguiana e especialização em Psicossomática. Estudiosa de Alice Miller e Jung, aprofundou-se no ensaio: `A Psicologia do Arquétipo da Criança Interior´ - 1940.
A base de seu trabalho no atendimento individual de adultos é o resgate da autoestima e amor-próprio, com experiência no processo de reencontrar e cuidar da criança que foi vítima de abuso físico, psicológico e/ou sexual, e ainda hoje contamina a vida do adulto com suas dores.
Visite seu Site e minha Fan page no Facebook.
Email: r.zago@uol.com.br
Visite o Site do Autor

Veja também
Vencendo os problemas
Quando vai haver algo de realmente novo em você?



Continue lendo
Energias negativas não entram nas pessoas por acaso
Ano novo, vida nova?
Destruindo a felicidade!
Amor narcísico

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa