Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Autoconhecimento VI

Autoconhecimento VI Publicado dia 4/10/2018 10:43:35 AM em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Durante nossa vida nos incutiram idéias, moralismo, valores, criando crenças que "permitimos" direcionar nossa vida, e só conseguimos mudar quando atualizamos essas crenças e conseguimos distinguir o que é nosso do que nos fizeram acreditar como sendo nosso.

Como assim? Você deve estar se perguntando. Ouvimos muitas frases quando crianças de forma tão intensa e repetitiva que ficam registradas em nossa inconsciente como sendo verdades absolutas, e passamos muitos anos de nossas vidas presos a elas, nos deixando conduzir, sem questioná-las. Frases como: "Quem dorme rindo acorda chorando" ou ainda: "continua chorando que eu vou lhe dar uma razão verdadeira para você chorar!" são frases comuns e típicas de nossa infância. Essas frases muitas vezes se fazem presente sem percebermos, e nos limitam, nos boicotam.

Algumas pessoas podem evitar rir quando adulto em função daquela simples frase que ouvia... outros podem ter engolido o choro para sempre. Você teve ou se lembra daqueles panos de pratos que muitas de nossas mães usavam na cozinha? Eles também podem criar crenças. Vamos lendo a mesma coisa todo dia, toda semana, que vai ficando registrado como verdade, e sequer questionamos ou relacionamos com nosso jeito de ser. Afinal, aprendemos muito mais com o que vemos e sentimos, do que com as palavras em si.

Algumas pessoas acreditam que não podem - ou não querem - mudar. Mas esse padrão de pensamento nada mais é que do que fruto de mais uma crença. Para quem não quer mudar, porque do jeito que tudo está o faz feliz, continue assim; mas para quem deseja muito mudar, seja em qualquer área ou situação da vida, é preciso estar aberto a correr riscos, a ser flexível. Você já percebeu que as pessoas rígidas são as que mais sofrem com seu modo de ser? A rigidez mental é uma das formas mais corriqueiras de atrair sofrimento. Pessoas que estão presas a hábitos e padrões de pensamentos rígidos como, "só eu sei como as coisas são ou devem ser feitas", podem se perguntar: "será que sei mesmo?" Quem é rígido não evolui e quem não evolui fica paralisado, parado, acomodado, vitimizado, dentro de uma "zona de conforto" que muitas vezes de conforto não tem nada, a não ser o medo de mudar. E para nos transformarmos em pessoas melhores, temos que começar a mudar sim, por dentro.

Acreditar que não podemos mudar é ignorar a capacidade que todos nós temos de crescer. Será que lá no fundo você não acredita nenhum pouquinho em sua capacidade? Sempre é possível mudar a maneira de pensar, destruindo antigas convicções até o momento inflexíveis e tornado-se uma pessoa aberta a novos pensamentos, crenças, valores, comportamentos, enfim, realizando pequenas mudanças diárias e aproximando-se cada vez mais de quem você é em sua essência, ou seja, ser simplesmente você mesmo, sem máscaras, manipulações, projeções. Livre de tudo que aprisiona e faz sofrer! Utopia? Não, realidade!
Pare neste momento com seu papel de vítima, pensando ou dizendo que não consegue. Você pode conseguir tudo o que quiser, mas é preciso estar atento as fantasias, expectativas, ilusões, crenças, pois isso sim nos causa frustração, insatisfação, sofrimento, e acima de tudo, limitações. Quando negamos a realidade ou ficamos esperando que as pessoas e situações sejam como desejamos, só conseguimos obter decepção e dor.

Comece sentindo-se responsável por tudo que acontece ao seu redor. Se não está se sentindo bem, em paz, identifique tudo que colabora para sua tristeza e sofrimento. E decida neste momento mudar seu padrão de pensamento, transforme tudo que é negativo dentro de você em positivo, transforme sua tristeza em alegria. Você pode pensar; "mas não depende só de mim", ou "mas ele me fez isso", seja qual for o "mas...", transforme e mude o que depende exclusivamente de você. Para que se sinta feliz é preciso mesmo que alguém faça aquilo que esperava? Por que não alimentar-se com seus próprios recursos? Por que esperar que a solução venha de fora? Por que culpar os pais, o mundo, seja quem for, por seu sofrimento? Culpar os outros, buscando sempre um bode expiatório para tudo que acontece na vida, principalmente as coisas ruins, na verdade, é fugir da responsabilidade de sua própria vida e conseqüente melhora.

Todos sabemos que nossos piores inimigos estão dentro de nós, e não fora. Por isso é importante nos reconciliarmos com nosso íntimo, o lado escuro, nossa sombra, o que só se torna possível à medida que a conhecemos e não a ocultamos mais de nós mesmos. A concepção de sombra para Jung é: modelo ou representação de tudo aquilo que não admitimos ser e que nos esforçamos por ocultar e/ou valores inconscientes e qualidades em potencial esquecidas nas profundezas de nossa intimidade que precisamos despertar dentro de nós. Não, não devemos ter medo de olhar para dentro de nós mesmos. A sombra pode parecer a princípio uma parte horrível da qual queremos distância, no entanto ao confrontarmos com seus conteúdos, levando luz a esse lado escuro, veremos que se trata apenas de parte de nós mesmos, carentes de conhecimento e de amor. Negar o lado escuro de nós mesmos é subestimar o poder de nossa própria capacidade. Só ao admitirmos nossa face desconhecida podemos nos redimir ou transformar até onde conseguimos ver.Portanto, devemos colocar luz onde até o momento é só escuridão. E como fazemos isso? Com muita, muita conscientização de nossos sentimentos, e valores, as crenças que aprendemos quando crianças e as carregamos com nós depois de adultos. Quando aos poucos vamos tomando contato com os aspectos de nossa sombra, nos tornamos cada vez mais conscientes de nossos impulsos, emoções, sentimentos e atributos que ignorávamos ou negávamos em nós mesmos.
A consciência lúcida acerca da sombra nos liberta do papel de vítima a que muitos estão acostumados a viver, não tendo mais a necessidade de buscar algo ou alguém para atacar ou acusar pelos infortúnios de própria vida. Só assim atingiremos a paz e tranqüilidade que tantos de nós buscamos. Mas para saber quem realmente somos, precisamos mergulhar nas profundezas do ser e buscar a sabedoria existente em nosso mundo interior. É como um convite para uma viagem, mas para dentro de si mesmo! Para essa viagem não é preciso nada além dos recursos que você possui: silêncio, reflexão, introspecção. O autoconhecimento nos estimula a manter contato profundo e significativo com nossa força interior, aprendendo a ouvir nosso mundo silencioso, até então, abafado pelo barulho externo. Sidarma Gautama ensinava: "De que servem cabelo e manto impecáveis, ó tolo! Tudo dentro de ti está confuso e, no entanto, você penteia a superfície!"

Para evitar que nossa alma grite por intermédio de sintomas e doenças, podemos nos antecipar e ouvi-la praticando a meditação. Precisamos adquirir o hábito de dedicar algum tempo ao silêncio da meditação, sentindo o mundo interior e não apenas a superfície das coisas e pessoas, a que estamos tão habituados. Por que não escutar um pouco sua voz interior, tão sábia? Por que não ouvir um pouco o silêncio? Ouvir a própria intuição pode significar conseguir a resposta para vários de seus problemas. Afinal, todo problema contém em si mesmo a semente da solução. Mas parece muito mais sedutor esperar que a resposta venha de fora, pronta, como quando temos preguiça em fazer uma comida caseira, saudável, e compramos algo congelado, sendo suficiente que contenha apenas as instruções na embalagem. Mas a vida não vem com bula como nos remédios nem com manual de instruções, precisamos sim arregaçar as mangas e colocar a mão na massa. Pode ser que nos sujemos um pouco, mas com certeza, o resultado é muito mais compensador!

Como fazer? Dedique alguns minutos de seu dia para ficar em silêncio consigo mesmo, ouvindo seus sentimentos e pensamentos. Comece apenas observando sua respiração, aos poucos perceberá que seu ritmo se modifica por si só, seus pensamentos começam a ficar mais nítidos, tudo dentro de você começa a ficar em harmonia, seus órgãos internos, sentimentos, e você poderá começar a identificar aquilo que está te fazendo sofrer e mudar o que deseja ser mudado. Simples assim!


por Rosemeire Zago


Leia Também

Autoconhecimento I: Você se conhece?

Autoconhecimento II

Autoconhecimento III

Autoconhecimento IV

Autoconhecimento V

Autoconhecimento VII

Autoconhecimento VIII


Obrigado por votar

O artigo recebeu 2 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Consulte grátis

Mapa Astral   Tarot   Numerologia  


Sobre o autor
Rosemeire Zago é psicóloga clínica CRP 06/36.933-0, com abordagem junguiana e especialização em Psicossomática. Estudiosa de Alice Miller e Jung, aprofundou-se no ensaio: `A Psicologia do Arquétipo da Criança Interior´ - 1940.
A base de seu trabalho no atendimento individual de adultos é o resgate da autoestima e amor-próprio, com experiência no processo de reencontrar e cuidar da criança que foi vítima de abuso físico, psicológico e/ou sexual, e ainda hoje contamina a vida do adulto com suas dores.
Visite seu Site e minha Fan page no Facebook.
Email: r.zago@uol.com.br
Visite o Site do Autor

Veja também
Vencendo os problemas
Quando vai haver algo de realmente novo em você?



Continue lendo
Energias negativas não entram nas pessoas por acaso
Ano novo, vida nova?
Destruindo a felicidade!
Amor narcísico

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa