Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Autoconhecimento III

Autoconhecimento III Publicado dia 4/10/2018 10:41:42 AM em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Quando não nos conhecemos, não sabemos o que queremos em nosso íntimo porque não conseguimos nos ouvir. Acabamos assim, a ouvir os outros e fazer o que eles desejam, gerando cada vez mais uma insatisfação interna que nem sempre conseguimos identificar facilmente sua origem, até que somatizamos e adoecemos.

Em princípio, a depressão pode se instalar, como se fosse um grito de nossa alma que implora para que olhemos um pouco mais para dentro de nós mesmos, sem medos e receios. Por que não escutar um pouco sua voz interior, tão sábia? Ouvir a própria intuição pode significar conseguir a resposta para várias de suas dúvidas. Estamos nas nossas próprias mãos e por que insistimos em nos colocar nas mãos dos outros? Muitas vezes por falta de consciência dos próprios valores, ou seja, falta de autoconhecimento.

Como podemos nos conhecer? Autoconhecimento envolve: o desejo sincero de se conhecer, ou seja, estar dispostos a identificar os aspectos positivos tanto quanto os negativos. E esse é um dos motivos de muitas pessoas temerem se conhecer: medo do que podem encontrar dentro de si.
Não é possível se conhecer sem identificar as máscaras que todos nós usamos. Você pode dizer: eu não tenho máscaras! E eu digo: todos nós temos, desde muito pequenos, pois é um processo que acontece independente de nossa vontade, é inconsciente.

As máscaras começam a se formar quando começamos a desenvolver os mecanismos de defesa, por volta dos 6, 7 anos e só com o passar dos anos, quando começamos a refletir, olhar para dentro de nós mesmos, é que conseguimos perceber o quanto nos distanciamos de quem somos realmente. E esse trabalho de volta a nossa essência, ao nosso eu verdadeiro, ao self, ao si-mesmo, como Jung chama e que contém tanto o consciente quanto o inconsciente, e cujo encontro só é possível através do processo da análise ou psicoterapia é o que verdadeiramente chamamos de autoconhecimento.
Como saber quem você é se não consegue sequer identificar os sentimentos que estão dentro de si? E como ser quem realmente você é se ignora partes de si mesmo? Para saber quem é você, ou melhor, para começar a se conhecer, pois requer um constante exercício, processo que deve durar toda nossa vida, poderá se perguntar: O que sinto? Penso? Desejo? Quais são meus valores? Não, não é nada fácil identificar nossos verdadeiros valores, pois eles geralmente estão contaminados pelas crenças que sempre acreditamos como nossas, e só conseguimos realmente identificar o que é nosso do que não é com um profundo desejo de reconhecimento. Você pode também se perguntar:

Com quem de minha família me pareço mais? Por quê?
Quem me incomoda mais? Por quê?
Que acontecimentos ou experiências anteriores dão ou deram a maior alegria? E maior tristeza?
O que mais gosto em mim?
Há algo em mim que gostaria de mudar? Caso sim, o quê?
O quê ou quem me impede de realizar essa ou outras mudanças?
Quais sentimentos tenho tido com frequência?

Se quiser, também poderá fazer uma linha do tempo, onde irá colocar por data, ano, idade, ou como identificar melhor os acontecimentos que mais marcaram sua vida, sejam eles positivos ou negativos. Por exemplo:
1975 - primeiro dia escola/ 5 anos;
1980 - nascimento irmão/ 10 anos;
1985 - falecimento avó materna/ 15 anos;
1987 - formatura/ 17 anos.


E assim por diante. Pode ainda fazer cada tido de acontecimento com uma cor, como perdas em vermelho, alegrias em azul, decepções em verde, etc. No final, terá um gráfico de sua vida com fácil visualização. Se quiser, recorra a fotos, elas nos ajudam a lembrar de muitos fatos. Escreva ao lado de cada situação o sentimento que foi gerado. Esse exercício pode levar algum tempo, não queira fazer isso correndo nem em um dia só. Procure fazer aos poucos, pois ao começar seu inconsciente irá aos poucos liberando lembranças até o momento reprimidas e que poderão ser acrescentadas aos poucos. Tudo isso são sugestões, porém vale lembrar que nenhum destes exercícios irá substituir o acompanhamento com um profissional que facilite o trabalho de autoconhecimento, proporcionando uma ampliação da consciência. Mas comece por si mesmo, você é capaz! Comece com pequenas reflexões diárias sobre seus comportamentos, sentimentos, valores, crenças, tudo aquilo que possa te auxiliar neste rico processo de crescimento e evolução!


por Rosemeire Zago


Leia Também

Autoconhecimento I: Você se conhece?

Autoconhecimento II

Autoconhecimento IV

Autoconhecimento V

Autoconhecimento VI

Autoconhecimento VII

Autoconhecimento VIII


Obrigado por votar

O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Consulte grátis

Mapa Astral   Tarot   Numerologia  


Sobre o autor
Rosemeire Zago é psicóloga clínica CRP 06/36.933-0, com abordagem junguiana e especialização em Psicossomática. Estudiosa de Alice Miller e Jung, aprofundou-se no ensaio: `A Psicologia do Arquétipo da Criança Interior´ - 1940.
A base de seu trabalho no atendimento individual de adultos é o resgate da autoestima e amor-próprio, com experiência no processo de reencontrar e cuidar da criança que foi vítima de abuso físico, psicológico e/ou sexual, e ainda hoje contamina a vida do adulto com suas dores.
Visite seu Site e minha Fan page no Facebook.
Email: r.zago@uol.com.br
Visite o Site do Autor

Veja também
Vencendo os problemas
Quando vai haver algo de realmente novo em você?



Continue lendo
Energias negativas não entram nas pessoas por acaso
Ano novo, vida nova?
Destruindo a felicidade!
Amor narcísico

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa