A Anatomia da Mudança  
   

A Anatomia da Mudança

Autor Vera Marfeza - veramarfeza@gmail.com

Compartilhe
   

A maior verdade sobre a vida é que nada é estático e tudo está em constante mudança. Mas mesmo sabendo disso, vejo as pessoas, em grande parte, temem por ela. É como se algo lhes sussurrassem aos ouvidos que a mudança vem sempre acompanhada de sofrimento, insegurança e medo.

Nada disso é verdade! Somos compelidos a acreditar ser assim por puro medo de mudar, mesmo que saibamos ser um fato consumado. A mudança sempre é para melhor, o que nos faz sofrer é a resistência a ela ou mesmo a falta de percepção que estamos indo por um caminho inadequado.

Outra coisa que muita gente não sabe é que a mudança pode ser estimulada por nós mesmos e não pelo sabor do acaso ou do inesperado. Quando somos surpreendidos por ela, temos a sensação de que vamos perder o controle ou mesmo vamos abrir mão do que já construímos. Entramos em pânico quando ela -a mudança- aparece destruindo tudo ao redor.

Mas por que a mudança toma essa dimensão de destruição? Às vezes, optamos por caminhos para chegar até as metas e essas escolhas não são as mais adequadas. Ou pior, optamos por metas que não são boas escolhas e vamos avançando aos trancos, achando que é assim mesmo, que faz parte da conquista toda essa dificuldade. E aí é que encontramos o beco sem saída. O gosto do fracasso nos visita e parece que o mundo desaba. Tem gente que vive um tsunami que varre tudo, casa, crédito, relacionamento, emprego e saúde!

Dependendo de quem viva essa derrocada, a depressão se instala e a vida dá lugar aos remédios, ao álcool, às drogas, a desistência! Se ensinassem nas escolas, desde cedo a encarar os fracassos oriundos das escolhas inadequadas, muito se economizaria em terapias, médicos e remédios. A maior verdade que não nos ensinam é que por pior que o horizonte esteja se formando à nossa frente, vai passar. Nada disso é pra sempre. O que mantém o fracasso permanente em nossa vida é a relutância em mudar. Dirão alguns que é muito fácil dizer isso quando não se está dentro do furacão e eu aqui digo que não estou dizendo que seja fácil. Estou dizendo pra não abraçar a catástrofe como se fosse sua companhia eterna.

O escritor Neale Donald Walsch, em seu livro "Se Tudo Mudou, Mude Tudo", da Editora Nova Fronteira, fala com muita propriedade sobre o trajeto que nós percorremos até a formação da nossa realidade. Ele diz que tudo começa com o Acontecimento que gera Informações que traz a Verdade. Aqui ele pausa e diz que a Verdade pode se configurar de três modos para nós. A Verdade Real, a Verdade Aparente e a Verdade Imaginada. Prosseguimos a partir de uma delas para o Pensamento que gera Emoção, que puxa as nossas Experiências que estão em nossa memória e deságua na Realidade que dependendo da escolha de uma das três Verdades, vai produzir uma Realidade Fundamental, ou uma Realidade Observada ou uma Realidade Distorcida, respectivamente. Então, a nossa realidade é formada por essa sequência de escolhas que basta começarmos a mudar qualquer uma delas a partir da Verdade que a outra ponta chamada Realidade, muda.

Vera Marfeza

www.veramarfeza.com.br


Obrigado por votar

Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação:
A Anatomia da Mudança
5 3

Compartilhe
   

Autor: Vera Marfeza   
Terapeuta, Numeróloga,Rescisão de Contrato Karmico, Coach, Hipnose Clínica, Bioenergética, www.veramarfeza.com.br Há 50 anos atendendo.
E-mail: veramarfeza@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 04/10/2016
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2018 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.